quinta-feira, 10 de novembro de 2022

Examinadores do Detran-RS com contrato emergencial estão com salários atrasados

 Categoria ameaça fazer paralisação se o pagamento não for regularizado


Examinadores emergenciais que atuam no Departamento Estadual de Trânsito do Rio Grande do Sul (Detran-RS) via contrato emergencial  estão com o pagamento em atraso há um mês e ainda não receberam 50% do décimo terceiro. Sem previsão para o pagamento, a categoria já ameaça paralisar as atividades. 

Uma comissão que representa os servidores se reuniu com a diretoria da autarquia para tratar do assunto. “Estamos vivendo com as diárias, que são de R$ 123,00, mas precisamos usar para nossa manutenção no trabalho”, detalhou um dos integrantes.  Em nota, o Detran-RS confirmou a situação e disse que o contrato com os examinadores emergenciais tinha vigência até final de setembro. Como coincidiu com período de vedações legais (eleições e final de gestão), ficou impedida de encaminhar para a Assembleia Legislativa um projeto de lei que viabilizasse a renovação. 

“O Detran-RS e demais esferas do governo estão empenhados na busca da solução desse problema com a maior brevidade possível. Ciente das dificuldades enfrentadas, o Detran-RS vai se reunir com representantes dos examinadores emergenciais para tratar da questão com toda transparência”, explica o órgão, em nota, ao ressaltar que não há interrupção do serviço de exames e, tão logo se normalize a situação, os trabalhadores receberão os valores retroativos.

No encontro entre servidores e a autarquia, a diretoria do Detran-RS confirmou que está buscando liberar uma rubrica para regularizar os salários e depois encaminhar o projeto de lei.

No Rio Grande do Sul, há uma fila de espera com mais de 100 mil candidatos aptos para fazer a prova prática para Carteira Nacional de Habilitação B, que é para dirigir carros. Esse represamento foi potencializado pela pandemia, mas, além disso, há mais motivos apresentados pelo Detran e Sindicato dos Centros de Formação de Condutores do RS (SindiCFC-RS), que divergem  sobre outras causas que teriam contribuído para chegar a esse número.

Como uma das medidas para reduzir a espera, 42 policiais militares que são examinadores dos centros de formação de condutores da Brigada Militar foram convocados para aplicar exames práticos nos três municípios com filas maiores, que são Caxias do Sul, Pelotas e Passo Fundo. Outra iniciativa é a prorrogação do   Registro Nacional de Carteira de Habilitação (Renach), previsto para terminar em 31 de dezembro, para mais um ano. Caso a prorrogação não seja viabilizada pela Secretaria Nacional de Trânsito (Senatran), o candidato terá que passar novamente por todo o processo, o que significa o pagamento da CNH.

Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário