sexta-feira, 15 de janeiro de 2021

Empresa alertou governo em Manaus; Biden anuncia US$ 1,9 tri; Wikipédia faz 20 anos

 

Em meio às cenas de guerra com falta de oxigênio em Manaus, as próximas horas terão desdobramentos decisivos sobre o começo da vacinação no Brasil. No exterior, o presidente eleito nos EUA, Joe Biden, anunciou o aguardado pacote de estímulo à economia americana. Boa leitura.

Transporte de oxigênio em Manaus: colapso no estado do Amazonas | REUTERS/Bruno Kelly
 
1 - COLAPSO NO AMAZONAS

A sexta-feira deve seguir tendo os desdobramentos das tristes cenas da pandemia do coronavírus em Manaus e outras cidades do Amazonas, com sistema de saúde em colapso em meio à alta dos casos e falta de oxigênio. À EXAME, a White Martins, principal fornecedora de oxigênio a hospitais da região, disse que alertou as autoridades no começo do mês sobre falta do insumo, e que está em curso uma operação para levar a Manaus tanques de oxigênio fabricados em outros estados e na Venezuela. O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, autorizou a operação. O governador do Amazonas, Wilson Lima, disse que "o povo do Amazonas agradece". Também nesta sexta-feira, o governo de São Paulo anuncia se haverá endurecimento da quarentena no estado, com cinco regiões tendo taxa de ocupação de UTIs acima de 70%, e a Grande São Paulo próxima dessa taxa. O presidente Jair Bolsonaro, em live, elogiou os esforços do Ministério da Saúde para tentar resolver a situação, mas voltou a afirmar que a vacinação não será obrigatória.

 
2 - CHEGADA DAS VACINAS

Com a pandemia batendo recordes em número de vítimas, o Brasil está muito perto de um momento histórico: o começo da vacinação contra a covid-19. As próximas 72 horas serão decisivas. A Anvisa marcou para o domingo, às 10 horas, uma reunião onde vai divulgar se autoriza o registro emergencial das vacinas de Sinovac/Butantan e AstraZeneca/Oxford/Fiocruz. A reunião dos técnicos do órgão será transmitida ao vivo. Antes disso, ambas as fabricantes precisam entregar à agência documentos que faltaram solicitados, o que deve acontecer nesta sexta-feira. Enquanto isso, um avião brasileiro saiu na noite de ontem rumo à Índia para buscar as 2 milhões de doses da vacina de Oxford/AstraZeneca, feitas em parceria pelo Instituto Serum. Nos próximos meses, a próprio Fiocruz começará a fazer o imunizante localmente, mas as primeiras doses precisarão vir prontas da Índia. Leia mais


3 - PACOTE TRILIONÁRIO

As bolsas pelo mundo devem seguir repercutindo nesta sexta-feira o anúncio feito pelo presidente eleito americano, Joe Biden, sobre o aguardado pacote trilionário para impulsionar a economia e acelerar a ao coronavírus. O valor ficou em 1,9 trilhão de dólares, que inclui reforço de saúde na resposta ao vírus, auxílio direto às famílias e auxílio a pequenas empresas. Biden fez o anúncio por volta das 19h na costa leste dos EUA, horário nobre local, mostra da importância que queria dar ao tema. O pacote vem depois de outro estímulo, de 900 bilhões de dólares, resultado de um acordo no Congresso em dezembro passado, além dos 3 trilhões do começo da pandemia. Antes do fim do pregão de quinta-feira, as notícias sobre o pacote já circulavam, o que ajudou o Ibovespa a recuperar os 123.000 pontos e fechar em alta de 1,27%. Leia mais


4 - BALANÇO DOS BANCOS

Outro dos temas da sexta-feira nos mercados é o início da temporada das instituições financeiras, com os grandes bancos americanos divulgando os resultados do quarto trimestre do ano passado. Na lista desta sexta-feira estão JPMorgan, Citi e Wells Fargo. Ao longo de 2020, a taxa baixa de juros nos EUA e a preocupação com a pandemia puxaram para baixo a rentabilidade dos bancos, mas os balanços desta sexta-feira devem mostrar que o céu desanuviou entre outubro e dezembro. As ações dos grandes bancos tiveram alta no fim do ano em meio ao aumento do otimismo por uma vacina e o aumento no volume de empréstimos e transações - o KBW Nasdaq Bank Index, que reúne gigantes do setor nos EUA, subiu 34% entre outubro e dezembro, mais que o dobro do S&P 500 no período. A expectativa dos analistas é sobretudo pelos possíveis avanços em 2021. Leia mais
Para onde vai a economia? O bitcoin é uma boa aposta? E o ouro? Nesta nova edição, que traz o tradicional guia de investimentos do ano, a EXAME ouviu os maiores especialistas do mercado para ajudar o leitor a buscar a melhor alocação para o seu patrimônio. 

Acesse todas as reportagens da edição neste link e, se ainda não é assinante, assine a partir de R$ 15,90 por mês para ter acesso ilimitado
O Brasil registrou 1.151 mortes por covid-19 no boletim desta quinta-feira e mais de 68.000 novos casos. Veja os números.

O Reino Unido decidiu suspender a partir de hoje voos do Brasil e de outros 15 países devido à nova variante do coronavírus encontrada em Manaus. Portugal também entrou na lista por seus "fortes laços de viagem" com o Brasil.

O Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3) negou o adiamento nacional do Enem, marcado para este domingo, 17, e para o próximo, dia 24. Está a cargo das prefeituras decidirem se têm condições de aplicar a prova, que, do contrário, será adiada nestes lugares para fevereiro

Sob pressão do Planalto, o Banco do Brasil pode rever seu plano de demissões, ou ao menos adiá-lo até a eleição dos presidentes do Congresso. Enquanto isso, Paulo Guedes e o presidente do BC, Roberto Campos Neto, entraram em campo para tentar evitar a demissão do presidente André Brandão. Leia aqui

Com a saída da Ford, sobram incertezas sobre a Troller, marca de jipes fora-de-estrada cearense comprada pelos americanos em 2007. Segundo a EXAME apurou, a Ford tem tratativas em curso para a venda da montadora.
 

O CEO que vale mais de 100 milhões de dólares

Fordlândia: as lições da incrível cidade esquecida da Ford na Amazônia

O que muda com os novos termos do WhatsApp? É hora de trocar de app?

Bredda, do Alaska, explica por que deu um tempo do Twitter

O golpe que faz da vida de bares e restaurantes um inferno no Instagram

E cinco dicas de filmes e séries para assistir no fim de semana

HOJE | Xangai / +0,01%
Tóquio / -0,62%
Londres / -0,49% (às 7h)


ONTEM | Ibovespa / +1,27%
S&P 500 / -0,38%
Dólar / 5,21 reais (-1,90%)

Uma das maiores organizações da internet na atualidade talvez nunca tenha adotado os maiores motes das startups de tecnologia: a Wikipédia faz 20 anos nesta sexta-feira, sendo um absoluto desafiante ao modelo padrão para sucesso no meio digital. Com crescimento orgânico e sem coletar dados para anúncios, o site sobrevive até hoje por uma organização sem fins lucrativos. Relembra a história da Wikipédia

Wikipédia: aos 20 anos, mais popular do que nunca | Ali Balikci/Anadolu Agency/Getty Images

Antiquário - Lustre à venda

 




Valor: R$ 480,00

Mais informações:

Judite Sandra La Cruz
(51) 9 8502.8080 
Teia de Aranha
Endereço: Av. João Pessoa, 1040 -  Porto Alegre - RS, 90040-001
A loja funciona de quarta a  domingo a partir das 10 horas.

Fecomércio-RS e sindicatos empresariais atuam para reduzir impostos que oneram empresas e consumidores

 Entidades contribuíram para discussões relativas ao fim do Difal e seguem em busca de novas soluções para aumentar a competitividade gaúcha 

 

 

A partir de 1º de abril, uma mudança na legislação tributária, muito aguardada pelas empresas gaúchas e resultado de reivindicações pela Fecomércio-RS e pelos sindicatos empresariais filiados, passará a ter efeito. Trata-se do fim da cobrança do diferencial de alíquotas de ICMS (Difal) para produtos adquiridos em outros estados pelas empresas do Simples Nacional. A Lei 15.576/20, decorrente da aprovação do PL 246/2020 em dezembro, contempla as aquisições com diferença de até 6% e ampliará a competitividade para micro e pequenas empresas do varejo, que estão entre as mais afetadas pelo imposto que está sendo cobrado de todos os setores há mais de uma década.  

A extinção do chamado imposto de fronteira a partir de abril terá um impacto de redução de carga tributária superior a R$ 300 milhões neste ano, estima a Fecomércio-RS, podendo chegar a R$ 410 milhões em períodos de 12 meses. As negociações e medidas de sensibilização para a mudança pela via parlamentar não foram os únicos recursos empregados pela Federação para reduzir a incidência do imposto de fronteira. Tramita no Supremo Tribunal Federal, desde 2016, o Recurso Extraordinário 970.821 que pede o reconhecimento da inconstitucionalidade da cobrança do Difal para empresas optantes pelo Simples Nacional, ação na qual a Fecomércio-RS atua na qualidade de amicus curiae. O julgamento, que até agora conta com 4 votos favoráveis à reivindicação da entidade e 1 voto contrário, está paralisado por pedido de vistas e deve ser retomado ainda em 2021. Se declarada a inconstitucionalidade da cobrança, as empresas que já contestaram judicialmente o imposto podem pleitear o retorno dos valores pagos por até cinco anos retroativamente.   

As empresas que optam pelo Simples Nacional serão impactadas ainda por reduções tributárias em outras operações que constam da nova legislação, uma economia adicional estimada em R$ 200 milhões: “Essas mudanças devem elevar a competitividade das empresas e contribuir para a manutenção de empregos após um ano de muitas perdas. A curto prazo, pode parecer que o Estado está perdendo receita, mas a médio e longo prazo essas reduções geram crescimento, manutenção e criação de empresas, gerando assim novas oportunidades de arrecadação”, afirma o presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn.  

A Fecomércio-RS e os Sindicatos filiados seguem realizando recomendações a parlamentares e ao Executivo no sentido de enxugar a carga tributária e fomentar o desenvolvimento, solicitando a extinção completa do Difal, inclusive para mercadorias estrangeiras que entram no Rio Grande do Sul através de outros estados, e a retomada dos descontos do Simples Gaúcho.


Marina Goulart

Moglia Comunicação Empresarial

Fone: (51) 9 9659.5469

Rua Antônio Carlos Berta, 475/ sl. 1803 - Porto Alegre-RS

CEP: 91340-020 

http://www.moglia.com.br


Caiado sanciona lei que proíbe vacinação obrigatória contra Covid em Goiás

 

















Finalmente, Jovem Pan fica livre do viés esquerdista de Thaís Oyama

 
















Campos Neto tenta reverter demissão do presidente do Banco do Brasil

 Mandatário do Banco Central busca convencer o presidente Jair Bolsonaro a voltar atrás em sua decisão



Sob silêncio absoluto do Ministério da Economia, a posição do presidente do Banco do Brasil, André Brandão, segue indefinida no comando da instituição, após o presidente Jair Bolsonaro entrar em rota de colisão com o plano de reestruturação que prevê fechamento de agências e corte de funcionários.

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, entrou em campo para reverter a decisão de Bolsonaro de demitir Brandão, segundo apurou o Estadão. Campos Neto, que tem alta estima com o presidente, o alertou de que uma demissão seria avaliada como interferência política em uma empresa pública que tem ações na Bolsa.

Os funcionários do banco receberam sinalização de que Brandão ficará no comando, mas políticos trabalham para que a demissão se concretize e o plano seja revisto. Para substituí-lo um dos nomes cotados é o do atual vice-presidente corporativo Mauro Ribeiro Neto, que tem apoio da família Bolsonaro.

Apesar da interferência de Campos Neto e do ministro da Economia, Paulo Guedes, a situação não está definida completamente por causa dos rumos daqui para frente do plano de reestruturação. Uma das saídas em discussão para o impasse é o adiamento do plano anunciado por Brandão, que continuou trabalhando nesta quinta-feira. O BB teve de enviar fato relevante ao mercado informando que não recebeu comunicação formal do controlador do banco sobre a demissão.

Ônus

O presidente ficou indignado com a decisão de Brandão de anunciar o fechamento de agências e fazer PDV neste momento em que o Planalto tenta angariar apoio para seus candidatos nos comandos da Câmara e do Senado. O fechamento de agências, principalmente no interior, é um problema político sério para Bolsonaro, que não quer esse ônus.

O presidente insiste que quer ser informado com antecedência, motivo de insatisfação com o Ministério da Economia, ainda mais de medidas que têm forte impacto sobre a opinião pública. O argumento é que o banco não pode só pensar no negócio. Campos Neto é um dos padrinhos de Brandão para o cargo. A saída de Brandão seria mais um grande derrota para a política de Guedes.

Sem coordenação

Mais uma vez a estratégia de comunicação "para dentro e fora do governo" foi considerada desastrosa nesse episódio e sem uma estratégia coordenada. Outro episódio que fragiliza a posição do Ministério da Economia. No dia do anúncio, o ministério foi alertado por políticos do desgaste do fechamento das agências, principalmente pelo momento político.

O último imbróglio foi com a demissão por Bolsonaro do secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, depois que ele antecipou medidas em estudo de congelamento de aposentadorias e pensões.

A demissão foi revertida, mas a posição do secretário nunca mais foi a mesma e até hoje é fragilizada. Guedes evitou a demissão para não aumentar o desgaste do seu ministério e sua equipe. O mesmo ocorre agora com o presidente do BB. O afastamento de interferências políticas foi uma demanda do ministro anunciada ainda na transição de governo.

Mesmo com essa articulação para o presidente do BB permanecer no cargo, o problema não está resolvido. O Estadão apurou que Brandão não pretende abrir mão de fazer a reestruturação do banco, sem a qual não tem como apresentar resultados e reposicionar o BB para a nova realidade do mercado, uma orientação, inclusive, do ministro Guedes. Mas pode aceitar mudanças no planejamento.

O próprio presidente Bolsonaro volta e meia faz comparações entre BB e Caixa, sempre a favor do banco comandado por Pedro Guimarães, um dos seus mais fiéis aliados. Situação que aumentou a tradicional rivalidade entre os dois bancos públicos. O vice-presidente, Hamilton Mourão, disse que houve falha na comunicação do banco com o governo.


Agência Estado e Correio do Povo


Alex Raphael, ex-Inter, assume como coordenador da base do Corinthians



STJD inicia investigação sobre caso de injúria racial em Flamengo x Bahia


Grêmio reforçado deverá encarar Palmeiras reserva no Allianz Parque



Auxiliar Alexandre Mendes comanda treino do Grêmio antes da viagem para São Paulo

Pandemia da Covid-19 muda hábitos noturnos de veranistas no Litoral Norte

 Poucas pessoas saem às ruas durante a semana após às 22h



A pandemia do novo coronavírus mudou o hábito de muitos veranistas em relação a sair para as ruas do Litoral Norte à noite de segunda a sexta-feira. Em Tramandaí, Imbé e Mariluz simplesmente não se encontram pessoas circulando depois das 22h em dias de semana. A maioria dos bares e restaurantes estão fechados, e os que mantêm as portas abertas, quase não conseguem clientes. Em Capão da Canoa, há certo movimento na avenida Central.

Em Mariluz, um pequeno bar oferecia futebol ao vivo na TV e mesas de bilhar. Porém Ton, o proprietário, disse que os veranistas simplesmente não querem sair da segurança de suas casas e evitam os locais onde acreditam, podem ocorrer aglomerações.

“Durante o dia, a gente até vê as pessoas circularem, mas anoitece, e elas somem. No máximo, alguém se arrisca, vem aqui, compra alguma coisa rapidamente e se tranca atrás da porta”, afirma o comerciante, cujo estabelecimento segue as normas determinadas, com mesas afastadas uma das outras, a obrigatoriedade do uso da máscara e do álcool gel.

Em Tramandaí, além da noite fria e com muito vento, o medo de contaminação do Covid-19 apresentou uma cena diferente dos outros anos. Bastava caminhar pelo calçadão à beira-mar e simplesmente não encontrar nenhuma pessoa.

Em temporadas habituais, as pessoas costumavam passear pelo local ao lado de familiares, amigos, tomando um chimarrão. Nesta semana, parecia mais um daqueles filmes apocalípticos, onde todos sumiram.

Já em Capão da Canoa havia movimentação na Avenida Central, com alguns bares e restaurantes funcionando, mas atendendo um número limitado de clientes e usando a música ao vivo para atrair os veranistas, que sentavam em mesas afastadas umas das outras.

“No meio de semana, a cidade fica tranquila”, disse a veranista Stephany Pacheco, que está no litoral desde o final do ano passado. “Mas chega sexta-feira, sábado, isso aqui fica o maior tumulto, com muita gente fazendo festa e se aglomerando. A Brigada Militar costuma chegar e por volta da meia-noite, dispersar todo mundo”, testemunhou.

Ela disse que prefere o local mais calmo, onde pode sentar distante de outras pessoas, apenas com o namorado e alguns amigos. “A gente escolhe a mesa mais distante das outras”, afirmou.


Correio do Povo