quinta-feira, 19 de setembro de 2019

Cafeteira Elétrica Cadence Single CAF211 - Vermelha 2 Xícaras 110V

Cafeteira Elétrica Cadence Single CAF211 - Vermelha 2 Xícaras

Com a Cafeteira Elétrica da linha Single CAF211 da Cadence você vai começar o seu dia de uma forma simples e com um deliciosos café. É muito fácil de usar, basta utilizar a colher medidora, escolher a quantidade de café, ligar a cafeteira e em poucos minutos estará pronto! Acompanha duas exclusivas xícaras de porcelana personalizadas, que possuem a medida ideal para o seu café, dispensando o uso de jarra. Mas segura, ela possui proteção contra superaquecimento e bandeja removível antiderrapante, que evita que as xícaras escorreguem e também facilitando a limpeza. Seu reservatório é de até 240ml, ou seja, prepara 02 cafés de 120ml ao mesmo tempo. Conta com um design contemporâneo para combinar ainda mais com a sua cozinha ou ambientes de trabalho.



Link: https://www.magazinevoce.com.br/magazinelucioborges/p/cafeteira-eletrica-cadence-single-caf211-vermelha-2-xicaras/2760053/

Polícia Federal faz buscas no Congresso e mira líder do governo no Senado

Bezerra Coelho é alvo da operação

PF também mira filho do líder

Bezerra Coelho foi eleito senador em 2014. Antes de integrar o governo Bolsonaro, apoiou as gestões Dilma e TemerSérgio Lima/Poder360 - 10.abr.2019

DOUGLAS RODRIGUES e PATRÍCIA NADIR
19.set.2019 (quinta-feira) - 7h41
atualizado: 19.set.2019 (quinta-feira) - 8h43

A Polícia Federal realiza na manhã desta 5ª feira (19.set.2019) uma operação no Congresso. Os principais alvos são o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), e o filho dele, o deputado Fernando Coelho Filho (DEM-PE).

Os mandados de busca e apreensão foram autorizados pelo STF (Supremo Tribunal Federal). A PF investiga 1 possível desvio de dinheiro público de obras de transposição do Rio São Francisco, região onde os políticos foram eleitos.

Desde fevereiro, Bezerra Coelho é líder do governo de Jair Bolsonaro no Senado. De 2011 a 2013, foi ministro da Integração Nacional de na gestão petista de Dilma Rousseff (de 2011 a 2013). Fernando Coelho Filho foi ministro de Minas e Energia no governo de Michel Temer (de 2016 a 2018).

O OUTRO LADO

Procurada, a defesa de Bezerra, feita pelo advogado criminalista André Callegari, afirmou que as medidas são desnecessárias e extemporâneas. “Causa estranheza à defesa que medidas cautelares sejam decretadas em razão de fatos pretéritos que não guardam qualquer razão de contemporaneidade com o objeto da investigação. A única justificativa do pedido seria em razão da atuação política e combativa do senador contra determinados interesses dos órgãos de persecução penal. A defesa ainda não teve acesso ao pedido e à decisão do ministro que autorizou as medidas, mas pode afirmar que as medidas são desnecessárias e extemporâneas”, afirmou em nota.

Autores

DOUGLAS RODRIGUES

REDATOR

enviar e-mail para Douglas Rodrigues Douglaas_rg

PATRÍCIA NADIR

ASSISTENTE DE REDAÇÃO

enviar e-mail para Patrícia Nadir


Poder 360

Fed reduz novamente taxa de juros americana em 0,25 ponto

Taxa básica de juros foi reduzida pela segunda vez neste ano, embora FOMC esteja divido

Powell afirmou que ainda há

Powell afirmou que ainda há "incertezas" sobre crescimento contínuo da economia americana | Foto: Olivier Douliery / AFP / CP

PUBLICIDADE

O Federal Reserve (Fed, banco central americano) reduziu sua taxa básica de juros pela segunda vez neste ano, mas o comitê de política monetária (FOMC) está dividido - três dos dez membros foram contrários à decisão. O banco central também tomou medidas para aliviar as preocupações sobre uma crise de caixa nos mercados financeiros, ajustando sua principal ferramenta de política para ajudar a bombear mais recursos através do canal financeiro.

O FOMC reduziu a taxa de juros em um quarto de ponto percentual, para a faixa de 1,75% a 2%, como era esperado, recuando nas altas de juros de 2018. "Embora o gasto dos consumidores esteja aumentando em um ritmo forte, investimentos fixos e exportações diminuíram", explicou o FOMC em nota.

Embora seus integrantes continuem a acreditar que o cenário mais provável é que a economia continue a crescer que a inflação eventualmente vá aumentar, "incertezas sobre este panorama continuam". Powell e outros integrantes do Fed citaram diversas vezes a incerteza provocada pela guerra comercial do presidente Donald Trump com a China, que atrapalha a economia. Trump rapidamente criticou a decisão do Fed no Twitter - mantendo sua campanha incansável para que o banco central dê estímulos adicionais à economia. "Jay Powell e o Federal Reserve fracassaram de novo. Sem coragem, sem bom senso, sem visão! Um comunicador terrível", tuitou.


Embora a política comercial seja da competência do presidente Donald Trump e do Congresso dos EUA, o presidente do Fed, Jerome Powell, destacou em entrevista coletiva que eles a instituição tem "uma ferramenta muito poderosa que pode combater a fraqueza, em certa medida, apoiando a demanda". No entanto, ao contrário do Banco Central Europeu, "não acho que consideraríamos taxas negativas".

Estímulo econômico

Powell também minimizou as preocupações com o aumento nas pressões de financiamento nos mercados financeiros nesta semana, observando que a demanda por dinheiro para realizar os pagamentos trimestrais de impostos foi um fator para isso. Uma escassez de caixa nos últimos dias levou o Fed de Nova York na terça e quarta-feira a injetar US$ 128 bilhões no mercado de curto prazo, à medida que as taxas de juros dispararam e ameaçaram romper o alcance da meta do Fed. "Embora essas questões sejam importantes para o funcionamento do mercado e para os participantes do mercado, elas não têm implicações para a economia ou a postura da política monetária", disse Powell a repórteres.

O Fed também cortou em 0,3 ponto, a 1,8%, os juros pagos aos bancos por reservas de dinheiro acima do nível exigido, numa tentativa de colocar mais dinheiro nos mercados.

Comitê dividido

A posição de Powell é complicada devido à clara divisão interna no comitê: um membro queria um corte ainda mais acentuado, enquanto outros dois se opunham a qualquer redução. A previsão econômica trimestral do Fed também reflete a divisão entre os tomadores de decisões, já que a previsão mediana exige que não haja mais aumentos dos juros até o final de 2020 - mantendo-se 1,9% abaixo dos 2,4% nas previsões de junho.

Isso contradiz a maioria dos economistas privados, que esperam que o banco central sinta a necessidade de fornecer pelo menos mais uma redução nas taxas de juros em 2019. E essa divisão ocorre mesmo quando as previsões medianas de crescimento e desemprego são constantes, com a inflação subindo gradualmente para a meta do Fed, de 2%.


AFP e Correio do Povo


JUSTIÇA

Polícia Federal faz buscas no Congresso e mira líder do governo no Senado

Bezerra Coelho é alvo da operação

CONGRESSO

Câmara aprova brecha para aumento do fundão e recria propaganda partidária

Quatro pontos foram retirados após polêmica

ECONOMIA

Copom corta taxa Selic de 6% para 5,5% ao ano

Menor taxa da história

CONGRESSO

Bolão de funcionários do PT na Câmara é o vencedor da Mega-Sena

49 apostadores serão contemplados

COMO O BRASIL SE MOVE

Metrôs precisam crescer e se integrar com outros modais, diz presidente da CCR

Custo de construir metrô precisa baixar

MÍDIA

Reaça & Comuna: Globo desautoriza Época sobre reportagem com mulher de Eduardo; Temer cita golpe

Caso Época vs. Heloísa Bolsonaro

ECONOMIA

Petrobras anuncia alta de 3,5% no preço da gasolina e de 4,2% no diesel

Reajuste ocorre após ataque na Arábia Saudita

CONGRESSO

Senado nega a conselheiro pró-Dallagnol novo mandato no CNMP

Lauro Nogueira ajudou a livrar Deltan

INTERNACIONAL

Parlamento da Áustria rejeita acordo UE-Mercosul

Decisão pode impactar Conselho Europeu

INTERNACIONAL

Eleições em Israel terminam em empate técnico

Nenhum partido conseguiu maioria

Opinião

Governos jogam papel decisivo na questão climática, escreve Julia Fonteles

Falta investimento em tecnologia

Opinião

A arma que protege é também a que mata, escreve Rodrigo de Almeida

Decretos do governo facilitam posse

Facebook lança nova tela inteligente e de menor preço

Novo dispositivo terá diferentes formatos e preço inicial de 129 dólares

Novo dispositivo terá diferentes formatos e preço inicial de 129 dólares

Novo dispositivo terá diferentes formatos e preço inicial de 129 dólares | Foto: Josh Edelson / AFP / CP

PUBLICIDADE

O Facebook revelou, nesta quarta-feira, a segunda geração de sua tela de vídeo Portal, promovendo-a como uma maneira de se conectar com seus entes queridos através da rede social. A empresa também reduziu os custos para tornar os novos dispositivos Portal, Portal Mini e Portal TV mais atrativos para os consumidores, a um preço inicial de 129 dólares. Portal e Portal Mini começarão a ser enviados em 15 de outubro, enquanto o Portal TV, do tamanho de um bloco de notas que transforma um televisor em uma tela inteligente para chamadas de vídeo, começará a ser distribuído em 5 de novembro a um preço de 149 dólares.

O Facebook não detalhou quantos dispositivos Portal foram vendidos desde que foram apresentados, no fim do ano passado. A aprovação foi sólida o suficiente, porém, para inspirar modelos de segunda geração. As vendas de assistentes virtuais inteligentes nos Estados Unidos quase dobraram para 57,5 milhões, com a Amazon representando aproximadamente 48% do mercado, e a Google, quase 39%, segundo o International Data Corp.

Os dispositivos inteligentes Amazon Echo e Google Nest utilizam seus respectivos softwares de assistência digital para infundir seus alto-falantes e telas com Inteligência comandada por voz. "Sabemos que a categoria de dispositivos inteligentes está lotada e competitiva. E esses dispositivos são ótimos", disse Andrew "Boz" Bosworth, vice-presidente de realidade virtual e aumentada do Facebook. "Mas o Portal é o único dispositivo que te conectará com as pessoas que são importantes para você. E eu diria que qualquer dispositivo inteligente que não faça isso não é tão inteligente", completou.

Chamadas por Whatsapp

As telas inteligentes do Amazon Echo Show e do Google Nest podem ser utilizadas para fazer chamadas de vídeo, mas o Portal está vinculado a conexões no Facebook, Messenger e WhatsApp, que usam criptografia de ponta a ponta. O aplicativo de mensagens do Facebook e a rede social em si são usados por mais de um bilhão de pessoas por mês. "Não é que o mundo precise de outro Echo Show, ou de outro Google Nest Hub. Este é um produto que tem um propósito muito específico", disse Werner Goertz, analista de Tecnologia Pessoal e Inovação da Gartner. "É a interação de pessoa a pessoa", acrescentou.

Conscientes de que os usuários da Internet se tornaram muito cautelosos com sua privacidade no Facebook, as funções integradas no Portal incluem interruptores físicos para desligar câmeras e microfones. Capas podem ser deslizadas sobre as lentes da câmera, e os dados de câmeras e microfones são processados nos dispositivos, e não nos centros de dados da nuvem. O sistema do Facebook sabe quais partes estão se conectando nas chamadas de vídeo, mas não escuta o que é dito, disseram executivos do Facebook.

Os recursos do Portal TV incluem o uso de realidade aumentada para testar divertidas mudanças de imagem e jogos como o clássico "batalha naval", além da capacidade de assistir a programas do Amazon Prime com amigos, ou familiares distantes.


AFP e Correio do Povo

Painel para TV com Suporte até 42” Jet Plus - 1 Prateleira Artely

Painel para TV com Suporte até 42” Jet Plus - 1 Prateleira Artely

Uma sala moderna e bem aconchegante com um móvel diferenciado como o Painel Jet Plus, desenvolvido para oferecer total conforto e comodidade para você e sua família. Ele vem com suporte para TVs de até 42” e é composto por prateleira para controle remoto e ou decoração. Além de seu bonito visual e cores inovadoras, que destacam a beleza do móvel e o deixam mais atraente. O produto é todo fabricado com chapas de MDP de 15 mm, material ecologicamente correto que confere a boa resistência e durabilidade à peça. Ele tem um bonito acabamento com revestimento UV texturizado, muito resistente que dá maior destaque à cor e conserva a beleza do móvel por mais tempo. E para garantir a qualidade do produto dentro da embalagem, todas as peças são separadas por isomanta, tudo para evitar o atrito entre elas, e também dentro de cada embalagem tem um manual passo a passo para auxiliar no momento da montagem do produto. Surpreenda-se com design, inovação, beleza e durabilidade.


Link: https://www.magazinevoce.com.br/magazinelucioborges/p/painel-para-tv-com-suporte-ate-42-jet-plus-1-prateleira-artely/157417/

Seja protagonista da sua relação com o dinheiro

| Foto: Kelly Sikkema/Unsplash

Fabiana M. Machado fala das vantagens de assumir o papel principal da sua vida financeira

PUBLICIDADE

A situação financeira varia na vida de cada pessoa e muitas têm dificuldade para conseguir ter dinheiro e pagar “os boletos” no fim do mês, principalmente neste momento da tão falada crise econômica.

Mas a responsabilidade pela falta de dinheiro não é apenas do governo, dos juros abusivos ou dos salários que as empresas estão dispostas a pagar. Esses são fatores que interferem na sua vida, mas estão fora do seu controle. E embora seja mais fácil colocar a responsabilidade nesses fatores para justificar a sua situação financeira, esse comportamento não ajuda a resolver, pois coloca você no papel de coadjuvante e, até, vítima das circunstâncias.

Agindo assim, as chances de melhorar a sua situação financeira são mínimas, pois você está abrindo mão de ser a protagonista da sua relação com o dinheiro. Será que não faz mais sentido se empenhar para controlar o que cabe a você, que é a forma como usa o seu dinheiro?

Você pode achar que é difícil controlar as despesas, mas a verdade é que a vida financeira não fica sem rumo, pois todos os dias você decide para onde vai o seu dinheiro. O local onde mora, o que come, como se locomove, o que veste, a escola dos filhos, os presentes, onde vale a pena investir… Seja com muito ou pouco dinheiro, você sempre está tomando decisões.

Então, é preciso tirar o dinheiro do papel de protagonista. O controle da sua vida financeira deve ser seu. O desafio está em entender o seu padrão de comportamento financeiro, lidar com os desejos e necessidades e encarar a sua realidade. Para isso acontecer, observe os comportamentos e tenha claro o seu objetivo, como, por exemplo:

- A sua preocupação com as prestações do apartamento vale o metro quadrado que você está pagando?
- Quanto vale, da sua tranquilidade, o endividamento no banco para andar de carro do ano?
- Se você quer mais dinheiro para viajar no final do ano, vale a pena trocar o aparelho celular agora?
- Se quer viver em paz com o dinheiro, vale a pena deixar de jantar em restaurantes ou comprar roupa nova para quitar as dívidas do cartão de crédito?
- Vale o estresse de se endividar no cartão para comprar mais um sapato, mesmo tendo tantos que não usa no armário?

Quando você entender e mudar o seu comportamento, conseguirá lidar melhor com o dinheiro, fazer escolhas mais conscientes e até passar por momentos de crise com menos ansiedade e preocupação.

Assumir o papel principal das suas finanças implica ser você o centro das atenções, estar sob os holofotes e encarar os desafios de frente. Tem suas dores, mas as recompensas são muito maiores.

Ser a protagonista traz o prazer de desfrutar dos resultados das suas escolhas e a felicidade de poder aprender com a sua própria caminhada.

Encarar a realidade apresentada pelo saldo da sua conta corrente é o primeiro passo de uma jornada libertadora. E para dar esse primeiro passo, tudo o que você precisa é usar os recursos que já estão ao seu dispor, dentro de você: a força e a coragem para transformar essa realidade.

Quer saber mais? Acompanhe a minha coluna semanal aqui no Bella Mais. Vamos juntas nesta jornada!

por Fabiana M. Machado

Fabiana Mendonça Machado é especialista em comportamento financeiro. É casada, mãe de dois filhos, empresária e uma das fundadoras da MoneyMind. @fabiana.m.machado


Correio do Povo


CULTURA

Filme 'O Diabo veste Prada' vai virar musical

POLÍCIA

Polícia faz buscas por suspeito de homicídio, em Cachoeirinha

Alcolumbre defende fundo eleitoral maior nas eleições do ano que vem

Senado deu aval a projeto que defende quantia maior do que usada em 2018, ou seja, 1,7 bilhão

Alcolumbre disse, nesta terça, que

Alcolumbre disse, nesta terça, que "achava" que Congresso iria manter fundo de 2018 | Foto: Luis Macedo / Câmara dos Deputados / Divulgação / CP

PUBLICIDADE

Um dia após o Senado ter votado um projeto com o compromisso de não engordar o fundo eleitoral, o presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), defendeu um valor maior para as eleições municipais do ano que vem. Na terça-feira, o Senado deu aval a um projeto que abre margem para que a quantia a ser usada por partidos para as eleições de 2020 ultrapasse o montante utilizado no pleito de 2018, ou seja, R$ 1,7 bilhão.

O presidente do Senado negou que tenha havido um acordo para que o valor do fundo eleitoral no ano que vem seja o mesmo de 2018. Ele declarou que isso foi uma "manifestação política" feita por senadores ao votar o projeto e revelou que, em reunião de líderes partidários, se posicionou contra manter o fundo com a mesma quantidade de recursos. "Não é assim, um acordo. Há uma manifestação dos senadores em manter o orçamento que foi utilizado na eleição passada, mesmo eu me posicionando contrário em relação a isso, pessoalmente."

Nesta terça-feira, Alcolumbre declarou que "achava" que o Congresso iria manter o fundo eleitoral com o mesmo valor de 2018. Nesta quarta-feira, porém, ele declarou que, sem um fundo com valor suficiente, aumentam as possibilidades de campanhas com gastos ilegais.

"Eu não defendendo nada, eu defendo coerência porque, se os vereadores e prefeitos não tiverem o apoio do partido necessário para fazer campanha com responsabilidade, a gente acaba criando um caminho para as pessoas não trabalharem ou agirem nas suas campanhas dentro da legislação porque você não vai dar condições para ele disputar", declarou.

Para Alcolumbre, bancar a eleição municipal em 5.570 municípios com o mesmo valor da eleição presidencial é "desproporcional". O projeto do fundo eleitoral está de volta à Câmara. Em 2018, o fundo eleitoral teve valor determinado por, no mínimo, 30% das emendas de bancadas estaduais, além da compensação fiscal de propaganda partidária na TV e rádios. A proposta deixa o montante indefinido com um valor a ser determinado pela Lei Orçamentária Anual (LOA)- possibilitando, assim, que a quantia ultrapassasse os valores utilizados no pleito anterior.


Agência Estado e Correio do Povo


Odair destaca luta e apoio do torcedor, mas admite: "Não foi o nosso dia"

INTER

Desilusão toma conta dos colorados após o apito final

INTER

Medeiros elogia Athletico-PR e lamenta derrota do Inter: "Coisa do futebol"
Ingressos para Grêmio x Flamengo estão esgotados
Jogadores do Grêmio provocam Inter após derrota colorada na Copa do Brasil
Corinthians perde para Del Valle em casa e se complica na Sul-Americana

PITLANE

Barrichello volta às fórmulas, com os carrões V8 da S5000 australiana

Quarto Infantil com Guarda Roupa 3 Portas, Cômoda e Berço Faz de Conta Siena Móveis Branco/Rústico

Quarto Infantil com Guarda Roupa 3 Portas, Cômoda e Berço Faz de Conta Siena Móveis Branco/Rústico

Esse lindo Conjunto de Quarto Infantil é tudo o que você pediu em um único ambiente. Toda essa combinação foi pensada para que este conjunto permaneça em sua casa por muitos anos acompanhando o crescimento de seus pequenos. O Guarda Roupa Faz de Conta possui 3 portas e 2 Gavetas externas com corrediças metálicas que permite um deslize mais seguro e suave, produzido em MDP e pintura UV, interno no padrão Trama, que imita tecido, proporcionando mais aconchego ao ambiente. Excelente divisão interna, com cabideiro resistente para melhor organização das roupas, puxadores em ABS. O Guarda Roupa Bala de Menta é flex, com dupla opção de cor, podendo ser todo Branco ou Branco/Rosa-chá, ele é perfeito para tornar o ambiente do seu filho ainda mais lindo e aconchegante. A Cômoda Faz de Conta possui 05 gavetas com corrediças metálicas, que permite um deslize mais seguro e suave, amplo espaço para acomodar as roupas e objetos do bebê. Produzido em MDP e pintura UV, que protege o móvel e assegura sua qualidade e resistência. Compacta, pode ser usada tanto em ambientes pequenos quanto em amplos. O Berço Mini Cama traz todo o conforto e a segurança que seu bebê precisa para dormir tranquilo. Produzido em MDP, a sustentação possui revestimento interno e externo com pintura UV, esse revestimento assegura durabilidade ao móvel. Além de suas funcionalidades como, estrado com regulagem de altura, mosquiteiro, o berço se transforma em Sofá-cama e Mini-cama. Desta forma você possui 3 móveis em 1 e acompanha todas as fases do seu filho. Ideal para colchão de 0,60cm. A segurança também é outro destaque, pois está certificado e aprovado pelo Inmetro.



Link: https://www.magazinevoce.com.br/magazinelucioborges/p/quarto-infantil-com-guarda-roupa-3-portas-comoda-e-berco-faz-de-conta-siena-moveis-brancorustico/4129319/

Aposta premiada na Mega-Sena não incluiu nenhum deputado, afirma Paulo Pimenta

Político gaúcho afirmou que bolão foi realizado entre os funcionários de sua equipe

Segundo Paulo Pimenta, bolão premiado foi realizado entre os funcionários que trabalham em seu gabinete

Segundo Paulo Pimenta, bolão premiado foi realizado entre os funcionários que trabalham em seu gabinete | Foto: Luis Macedo / Câmara dos Deputados / CP

PUBLICIDADE

O deputado federal gaúcho Paulo Pimenta confirmou na noite desta quarta-feira que o bolão premiado na Mega-Sena não teve a participação de nenhum parlamentar petista. "Sou pé quente. Foi a minha equipe que ganhou. Eu não participei e nem nenhum deputado, mas estamos naturalmente muito felizes", afirmou.

O sorteio do concurso 2.189, realizado em São Paulo, teve como único premiado o bolão feito por assessores da liderança do PT na Câmara dos Deputados. A aposta foi realizada com 49 cotas. Segundo Pimenta, cada cota foi adquirida por R$ 10,00. "Algumas pessoas jogam seguido. São todas pessoas que trabalham conosco. Naturalmente, é uma notícia impressionante. Estamos todos tentando 'cair a ficha'", explicou.

Pelo rateio, cada um dos cotistas receberá R$ 2,5 milhões. O deputado afirmou que o fato é histórico para o partido e, em tom de brincadeira, citou algumas das piadas que circulam nas redes sociais após a divulgação da informação. "Parece que o Bolsonaro quer demitir o presidente da Caixa Econômica Federal", riu.

A repercussão não se restringiu às redes. No plenário da Câmara dos Deputados - que nesta noite votava o projeto da minirreforma eleitoral, o assunto também gerou brincadeiras. "Os assessores da liderança do PT ganharam na Mega-Sena. E eu quero aqui parabenizá-los e agradecer pelo PT ficar um mês sem liderança, sem obstruir o plenário. Vai ser uma maravilha agora a votação. E eu quero ver se o pessoal vai socializar esse dinheiro aí ou se vai ficar só na liderança", disse no plenário o deputado Kim Kataguiri (DEM-SP). Ao que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), respondeu: "Deputado Kim, você tem que ser liberal em tudo".

O colega Aliel Machado (PSB-PR) emendou: "Me parece aqui que o PT vai mudar de orientação e não quer mais taxar grandes fortunas. Parece que o PT vai querer ficar com as fortunas. E a gestão Bolsonaro vai ter que pagar para o PT a Mega-Sena. Eu proponho até que ele [o presidente Jair Bolsonaro] faça um cheque simbólico e venha entregar pessoalmente nesta casa."


Correio do Povo

Bolão de funcionários do PT fatura prêmio de R$ 120 milhões da Mega

Caixa informou que aposta dividida entre 49 cotas faturou a bolada

| Foto: Elza Fiuza / ABr / Divulgação CP

PUBLICIDADE

Um bolão da Mega-Sena, registrado em Brasília, venceu o concurso 2.189, sorteado nesta quarta-feira em São Paulo. De acordo com a Caixa Econômica Federal, o prêmio superior a R$ 120 milhões será dividida entre 49 cotas. A aposta coletiva foi feita por funcionários da liderança do PT na Câmara dos Deputados.

Confira os números sorteados: 04 - 11 - 16 - 22- 29 - 33.

A estimativa de prêmio para o próximo concurso, no sábado, é de R$ 38 milhões. O prêmio dos petistas é o terceiro maior prêmio acumulado neste ano e um dos 20 maiores da história. O maior foi sorteado em maio, para um sortudo que apostou pela internet e levou R$ 289 milhões.

A quina foi marcada por 406 apostas que têm direito a R$ 19.407,24. A quadra teve 24.366 acertadores, que poderão sacar R$ 461,96.


Correio do Povo

Quarto Infantil com Guarda Roupa 3 Portas, Cômoda e Berço Faz de Conta Siena Móveis Flex Color Branco/Branco/Rosa

Quarto Infantil com Guarda Roupa 3 Portas, Cômoda e Berço Faz de Conta Siena Móveis Flex Color Branco/Branco/Rosa

Esse lindo Conjunto de Quarto Infantil é tudo o que você pediu em um único ambiente. Toda essa combinação foi pensada para que este conjunto permaneça em sua casa por muitos anos acompanhando o crescimento de seus pequenos. - O Roupeiro Faz de Conta possui 3 portas e 2 Gavetas externas com corrediças metálicas que permite um deslize mais seguro e suave, produzido em MDP e pintura UV, interno no padrão Trama, que imita tecido, proporcionando mais aconchego ao ambiente. Excelente divisão interna, com cabideiro resistente para melhor organização das roupas, puxadores em ABS. O Roupeiro Bala de Menta é flex, com dupla opção de cor, podendo ser todo Branco ou Branco/Rosa-chá, ele é perfeito para tornar o ambiente do seu filho ainda mais lindo e aconchegante. - A Cômoda Faz de Conta possui 05 gavetas com corrediças metálicas, que permite um deslize mais seguro e suave, amplo espaço para acomodar as roupas e objetos do bebê. Produzido em MDP e pintura UV, que protege o móvel e assegura sua qualidade e resistência. Compacta, pode ser usada tanto em ambientes pequenos quanto em amplos. - O Berço Mini Cama traz todo o conforto e a segurança que seu bebê precisa para dormir tranquilo. Produzido em MDP, a sustentação possui revestimento interno e externo com pintura UV, esse revestimento assegura durabilidade ao móvel. Além de suas funcionalidades como, estrado com regulagem de altura, mosquiteiro, o berço se transforma em Sofá-cama e Mini-cama. Desta forma você possui 3 móveis em 1 e acompanha todas as fases do seu filho. Ideal para colchão de 0,60cm. A segurança também é outro destaque, pois está certificado e aprovado pelo Inmetro.


Link:https://www.magazinevoce.com.br/magazinelucioborges/p/quarto-infantil-com-guarda-roupa-3-portas-comoda-e-berco-faz-de-conta-siena-moveis-flex-color-brancobrancorosa/340517/

Câmara restaura pontos polêmicos e aprova mudança em regras eleitorais

Projeto volta a prever recursos para contratação de advogados e construção de sede partidária

| Foto: Luis Macedo / Agência Câmara / CP

PUBLICIDADE

A Câmara concluiu na noite desta quarta-feira, 18, a votação do projeto que altera regras para os partidos. Os deputados conseguiram manter a espinha dorsal da medida articulada pela Casa, mesmo após as tentativas do Senado de alterar significativamente o projeto. O texto vai agora à sanção presidencial. Havia pressa para a aprovação do projeto entre as lideranças da Câmara, porque para que as novas regras possam valer para as eleições municipais no ano que vem, a lei tem de ser publicada no máximo um ano antes de 4 de outubro de 2020.

Por fim, a medida manteve a maior parte das benesses aos partidos. Entre eles, estão a autorização para usar recursos públicos para construção de sede partidária e a anistia a multas eleitorais, além da volta do tempo de propaganda partidária em rádio e TV. Além disso, o texto abre brecha para aumentar o valor destinado ao fundo eleitoral, principal fonte de recursos para as campanhas, trecho que foi mantido pelo Senado também.

Uma emenda de redação alterou o trecho que trata sobre o uso do fundo partidário para pagar advogados. A diferença é que o texto aprovado na primeira vez pela Câmara permita pagar serviços referentes a processos criminais, mas agora essa parte foi retirada. O fundo poderá ser usado para pagar serviços advocatícios em processos individuais dos candidatos que tenham relação com as eleições.

Em relação ao que foi aprovado pela Câmara no começo de setembro, foi retirado o trecho que permitia que cada partido utilizasse um sistema diferente para a prestação de contas, assim, as siglas ficarão obrigadas a usar um sistema unificado do Tribunal Superior Eleitoral, o que ajuda a evitar fraudes. Também foi retirada a parte que determinava que as multas por desaprovação das contas partidárias só poderiam ser aplicadas se ficasse comprovada a conduta dolosa, ou seja, intencional, o que poderia dificultar a punição aos partidos. Também foi excluído prazo maior para a prestação de contas dos partidos e a possibilidade de corrigi-las até o julgamento pela Justiça Eleitoral.

Para aprovar o texto, os deputados fizeram duas votações. Na primeira, votaram os pontos os quais havia concordância com o Senado e que deveriam ser retirados do texto. Foram 252 votos a favor e 150 contra. Na segunda parte, votaram os pontos de discordância com o Senado, ou seja, quais trechos deveriam ser trazidos de volta à medida. Essa votação foi simbólica.

Na sequência, sete destaques de partidos foram rejeitados. Três deles tratavam sobre fundo partidário. O PSL queria retirar a permissão para usar o fundo partidário para pagamento de consultoria e honorários de contadores e advogados e também impedir que o fundo fosse usado para compra de imóveis. O partido de Bolsonaro tentou ainda retirar do texto a permissão para que candidatos concorram às eleições mesmo inelegíveis, desde que o prazo de inelegibilidade cesse até a data da posse.

O Cidadania tentou retirar a previsão de que doações e gastos com consultoria e honorários de contadores e advogados relacionados ao processo eleitoral ou no interesse de candidatos não tenham qualquer limitação quanto ao valor. O PSOL protocolou destaque similar. Por fim, o Podemos tentou retirar a previsão que se aplica aos processos em fase de execução a anistia dada a servidores comissionados filiados a partidos políticos em razão de doações e contribuições em eleições anteriores.


Estadão Conteúdo e Correio do Povo

Quinta-feira deve ter predomínio de sol no RS

Regiões da Metade Norte devem registrar chuvas fortes durante a tarde e noite

Porto Alegre deve ter temperatura máxima de 27ºC nesta quinta-feira

Porto Alegre deve ter temperatura máxima de 27ºC nesta quinta-feira | Foto: Alina Souza / CP Memória

PUBLICIDADE

A quinta-feira promete ser de tempo ensolarado com céu limpo em quase todas as regiões do Rio Grande do Sul. Já a região da Metade Norte, divisa com Santa Catarina, deve apresentar períodos de instabilidade com chuvas fortes, sem descartar a presença de raios, no período da tarde e da noite.

A temperatura deve permanecer amena e registrar marcas mais altas do que a quarta-feira. Apesar do amanhecer gelado — com 7ºC — as cidades de Santa Rosa e Livramento devem ter máximas de até 27ºC durante o dia.

Em Porto Alegre, o dia deve ser de sol. Conforme a MetSul Meteorologia, o período da noite deve ser de muitas nuvens, principalmente na região Norte, como o Vale dos Sinos. A Capital gaúcha deve registrar mínima de 11ºC e máxima de 27°C nesta quinta-feira.

Ainda de acordo com a MetSul, os próximos dias devem ser de sol e nuvens em todo o Estado.

Mínimas e máximas

Torres 14ºC / 24ºC
Caxias do Sul 11ºC / 24ºC
Passo Fundo 9ºC / 25ºC
Uruguaiana 11ºC / 26ºC
Pelotas 8ºC / 23°C


MetSul Meteorologia e Correio do Povo

Carros&Motos: Ataque na Arábia Saudita e a crise do petróleo

Publicado em 18 de set de 2019

Renato Rossi comenta a recente crise do petróleo, após ataques na Arábia Saudita, e como a indústria automobilística se prepara para mudar sua matriz energética
Leia mais notícias ► http://correiodopovo.com.br/
Facebook ► https://www.facebook.com/correiodopovo
Twitter ► https://twitter.com/correio_dopovo
Instagram ► https://instagram.com/correiodopovo/
#Carros #Petróleo #Mercado

Edital de concessão da gestão do Mercado Público deve ser lançado em novembro

Expectativa da prefeitura é de assinar contrato com empresa em março de 2020

Por Henrique Massaro

Contrato de concessão será de 25 anos

Contrato de concessão será de 25 anos | Foto: Alina Souza

PUBLICIDADE

A prefeitura espera lançar até novembro o edital de concessão da gestão do Mercado Público de Porto Alegre e, até março de 2020, assinar o contrato com uma empresa privada para administrar o espaço, que completa 150 anos no próximo dia 3. As previsões foram divulgadas nesta quarta-feira no Paço Municipal durante o lançamento da consulta pública à população da Capital. O futuro gestor privado administrará o local por 25 anos e o valor total do contrato será de R$ 85 milhões – dos quais, R$ 41,5 milhões serão de investimentos e R$ 43,5 milhões para manutenção ao longo do período contratado.

Até o dia 7 de outubro a população poderá dar sugestões ou críticas ao projeto através do site e, antes disso, no dia 4, ainda ocorrerá uma audiência pública na prefeitura para manifestações. Segundo o cronograma apresentado, a concessão terá três fases. Na primeira, ocorrerá a transferência da operação e a assinatura dos contratos. Já a fase 2, com previsão de duração de 30 a 36 meses, concentrará obras de drenagem, acessibilidade, restauração de fachadas e modernizações. A etapa final consistirá na operação total do Mercado Público por uma empresa privada.

O secretário de Parcerias Estratégicas, Thiago Ribeiro, garantiu que, com o processo de concessão, a prefeitura não está se abstendo de estabelecer regras a serem cumpridas. De acordo com ele, o edital terá garantias para a manutenção de permissionários antigos, bem como para a preservação arquitetônica e cultural do Mercado. “Não queremos e não vamos permitir que se torne algo semelhante a um shopping center”, afirmou o titular da pasta.

O prefeito Nelson Marchezan Júnior disse que está convicto de que o modelo proposto é o ideal para a gestão do Mercado Público. Na visão dele, o espaço atualmente deixa a desejar e pode ser melhor aproveitado turisticamente se for administrado por um gestor privado, que terá mais condições financeiras do que a prefeitura ou qualquer outro entre público do país. Citou, ainda, que o edital permitirá que a empresa promova melhorias até mesmo no entorno, como no Terminal Parobé. Marchezan admitiu que o novo formato pode gerar reações, mas minimizou as opiniões contrárias. “Todas as mudanças geram, talvez, alguma dor, mesmo que as dores sejam mais psicológicas do que reais.”

Permissionários se preocupam com concessão

Apesar de garantias que a prefeitura procurou passar durante o lançamento da consulta pública para a concessão da gestão do Mercado Público, boa parte dos permissionários ainda não se sente segura quanto ao futuro do histórico ponto de comércio e abastecimento de Porto Alegre. De acordo com a presidente da Associação de Comércio do Mercado Público Central (Ascomepc), Adriana Kauer, a principal preocupação é com relação a “mercadeiros” que, inclusive, se endividaram para arcar com obras que estão sendo promovidas no local, com as do Plano de Prevenção Contra Incêndios (PPCI).

A organização dos comerciantes para realizar essa e outras melhorias que seriam de responsabilidade da prefeitura vinham sendo citadas para justificar o interesse da Ascomepc em chamar para si toda a responsabilidade da gestão do Mercado. Recentemente, a Associação havia se disponibilizado para reformar a parte elétrica do segundo andar, que foi destruída no incêndio em 2013. Legalmente, a entidade, por não ter fins lucrativos, não pode participar da licitação, a menos que abra ou se associe a alguma empresa privada.

“É uma história que está em jogo e pode modificar da noite por dia”, comentou Adriana, que esteve na cerimônia de lançamento da consulta pública juntamente de um grupo de permissionários. Segundo ela, não há sequer como se ter uma opinião final sobre a concessão sem que se tenha acesso ao edital completo. A Associação deve se reunir nesta quinta-feira com a prefeitura e planeja tomar mais conhecimento sobre o processo ao longo dos próximos dias.

Outra crítica de muitos permissionários é com relação ao fato de o Mercado ser superavitário, o que descartaria a necessidade de concessão. O secretário de Parcerias Estratégicas, Thiago Ribeiro, entretanto, disse que não adianta o local ter lucro e a prefeitura não conseguir aproveitá-lo devido a uma série de amarras burocráticas que tem diariamente. O titular da pasta ainda citou que, com a concessão, o lucro será muito mais expressivo. O valor mínimo de outorga, por exemplo, será de R$ 28 milhões – 5% pagos à vista na assinatura e o restante dividido pelos 300 meses de período contratual. Os recursos devem ir para o Caixa Único do Executivo.

A previsão, conforme Ribeiro, é que a taxa interna de retorno do parceiro privado seja de 10% e a receita anual chegue a R$ 9,5 milhões. O secretário disse também que os permissionários terão direito de preferência, o que quer dizer que, ao final dos contratos, se houver interesse de um novo comerciante assumir aquele estabelecimento, o atual responsável pelo ponto poderá cobrir a oferta. A fiscalização da prefeitura ao futuro gestor do Mercado se dará principalmente através de multas diante do descumprimento de regras contratuais.

R$ 9 milhões do PAC poderão ser realocados

A concessão do Mercado Público deve terminar de vez com a esperança de recebimento de cerca de R$ 9 milhões para o local. O recurso, disponível desde 2013 é o restante de em torno de R$ 19 milhões do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), oriundos do PAC Cidades Históricas para reforma e melhorias após o incêndio. Apesar de ter assumido obras internas nos últimos anos, a Associação de Comércio do Mercado Público Central ainda tinha a expectativa de que essa verba fosse liberada. O secretário de Parcerias Estratégicas, Thiago Ribeiro, comentou que todos os recursos oriundos do PAC vinham sendo cancelados pelo governo federal e disse que não acredita na possibilidade da prefeitura recebê-los. “Caso ainda exista, a gente negocia a alocação em outro projeto da cidade”, explicou.


Correio do Povo

Ibovespa fecha perto da estabilidade e dólar registra R$ 4,10

Declarações de presidente do Fed equilibraram índice nesta quarta-feira

Declarações de presidente do Fed equilibraram índice nesta quarta-feira

Declarações de presidente do Fed equilibraram índice nesta quarta-feira | Foto: Mohammed Hywais / AFP / CP Memória

PUBLICIDADE

Em uma sessão marcada pela expectativa em torno da decisão de política monetária do Federal Reserve, o Ibovespa operou ao longo da tarde sob forte influência das oscilações dos índices em Wall Street. Em um primeiro momento, houve certa decepção com o comunicado do BC americano, que não se comprometeu com uma sequência de cortes de juros. Em meio ao aprofundamento das perdas em Nova York, o Ibovespa chegou a operar pontualmente abaixo dos 104 mil pontos e desceu até mínima dos 103.684,12 pontos.

Declarações do presidente do Fed, Jerome Powell, porém, trouxeram certo alívio. Com a virada do índice Dow Jones para o terreno positivo, o Ibovespa praticamente zerou as perdas e fechou aos 104.531,93 pontos (-0,08%). Como esperado pela ala majoritária do mercado, o Fed reduziu a taxa básica de juros em 0,25 ponto porcentual, para uma faixa entre 1,75% e 2,00%. A decisão não foi unânime. Dois dirigentes votaram por manutenção e um por um corte de 0,50 ponto.

Segundo o chamado gráfico de pontos, a maioria dos dirigentes vê mais uma redução de 0,25 ponto até o fim de 2019, para uma faixa entre 1,50% e 1,75% - nível que seria mantido ao longo de 2020. Em seu comunicado, o Fed afirma o mercado de trabalho continua "forte" e que a economia segue expansão moderada. Em entrevista coletiva, Powell evitou repetir que o corte de juros se trata de um "ajuste de meio de ciclo", expressão que causou alvoroço em julho, por sugerir que o Fed descartaria a possibilidade de uma sequência de redução de juros. Embora tenha salientado que as próximas decisões dependem dos indicadores econômicos, esquivando-se de comprometer com mais afrouxamento monetário, Powell deixou uma porta aberta para novos cortes. Ele afirmou que seria um erro tentar manter "o poder de fogo da política monetária" até que uma desaceleração ganhe impulso. Mais: que se economia se enfraquecer mais, o BC americano está preparado "para ser mais agressivo".

Para Vitor Péricles de Carvalho, estrategista da LAIC-HFM Gestão de Recursos, o tom do comunicado levemente mais hawkish e previsão de apenas mais uma redução de 0,25 ponto dos juros neste ano assuntaram um pouco os investidores, que esperam sinais mais claros sobre o grau de afrouxamento monetário. "Powell mostrou que o Fed está totalmente 'data dependent' e continuará com esse tom de ajuste pontual, de acordo com os indicadores", afirma Carvalho, ressaltando que a incerteza sobre o ritmo desaceleração da economia americana, em meio à guerra comercial com a China, é muito elevada.

Por aqui, a expectativa majoritária do mercado era que o Copom anunciasse nesta noite nova redução da taxa Selic em 0,50 ponto porcentual, para 5,50% ao ano - o que se confirmou à noite -, e deixasse a porta aberta para, pelo menos, mais uma redução. Uma ala relevante de economistas já trabalha com a possibilidade de Selic abaixo de 5% no fim do ano. Na expectativa de mais afrouxamento monetário, as ações de varejistas tiveram mais um pregão positivo.

Operadores destacam que a queda dos preços internacionais do petróleo e a baixa do minério de ferro levaram os papéis de Petrobras e Vale, respectivamente, a quedas superiores a 1%, o que limitou o fôlego do Ibovespa.

Dólar

A reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), que cortou os juros, mas sem consenso de todos os dirigentes, e as declarações do presidente da instituição, Jerome Powell, que não se comprometeu com mais reduções de juros pela frente, fortaleceram o dólar no mercado financeiro internacional e o reflexo aqui foi imediato. A moeda americana acelerou a alta e chegou a ser cotada a R$ 4,11 na máxima do dia, logo após a reunião. Em seguida, a valorização perdeu um pouco de força, mas a moeda acabou encerrando em alta de 0,65%, a R$ 4,1036.

As projeções dos dirigentes do Fed apontaram para mais um corte de juros este ano, mas não mostram novos recuos em 2020. Na entrevista à imprensa, Powell disse que o Fed é "dependente de indicadores" e que, se a economia americana diminuir o fôlego, cortes mais agressivos podem ser apropriados. O economista do TD Bank, James Marple, avalia que o fato de a decisão de cortes de juros não ter sido por unanimidade sinaliza o "elevado nível de incerteza" sobre a visão do Fed para a economia americana. Dois dirigentes defenderam manutenção da taxa de juros, enquanto outro queria um corte maior, de 0,50 ponto. A maioria optou por uma diminuição de 0,25 ponto. Por aqui, o Banco Central cortou a taxa em 0,50 ponto, para 5,5% ao ano.

Para o economista do Canadian Imperial Bank of Commerce (CIBC), Avery Shenfeld, o Fed fez um "corte de juros hawkish", ou seja, sem sinalizar movimentos mais duradouros pela frente e ainda com votos dissidentes. Já a declaração de Powell de que pode antecipar o aumento do balanço da instituição é um indício de que um novo programa de compras de ativos está a caminho, expectativa que vem crescendo em meio aos problemas de liquidez no mercado de títulos de curto prazo dos EUA.

Para os estrategistas do banco Credit Suisse, o Fed cortou juros, mas o conjunto de informações ficou aquém do que o mercado esperava, por isso o fortalecimento do dólar. "A reunião mostrou um Fed dividido, não convencido de que cortes adicionais são necessários", escrevem em relatório na tarde desta quarta-feira. Com isso, o dólar subiu forte ante divisas fortes, sobretudo o euro, e operou misto ante emergentes, caindo ante divisas como Rússia, África do Sul e Colômbia, e subindo no México.

Taxas de juros

A chamada "Super Quarta" terminou com os juros futuros estáveis ante os ajuste anteriores. As taxas passaram o dia oscilando entre a estabilidade e viés de baixa, inclusive após a divulgação do comunicado do Federal Reserve e durante a entrevista do presidente da instituição, Jerome Powell, eventos que não provocaram reação expressiva nos ativos de renda fixa local.

As taxas futuras de médio e longo prazo, que mostravam ligeira queda antes do Fed, chegaram a tocar pontualmente as máximas perto da estabilidade após a entrevista de Powell, a reboque da piora nos mercados de moedas emergentes e de um estresse nas T-Notes de curto prazo, mas nada significativo.

Já os juros curtos percorreram a sessão de lado, refletindo o compasso de espera pela sinalização do comunicado do Copom no começo da noite, uma vez que o consenso em torno do corte de 0,50 ponto porcentual da Selic seguiu intacto e se confirmou no início da noite. No fechamento da sessão regular, a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2020, que melhor reflete as apostas do mercado para as decisões do Copom em 2019, estava estável ante o ajuste de terça, a 5,185%. A do DI para janeiro de 2021 terminou em 5,220%, de 5,208%, e a do DI para janeiro de 2023 fechou em 6,27%, mesmo nível do ajuste anterior. O DI para janeiro de 2025 encerrou em 6,83%, de 6,841%.

Apesar da movimentação restrita das taxas, a liquidez foi elevada nos principais contratos, refletindo o ajuste de posições para as principais decisões de política monetária da semana nesta quarta-feira: Fed e Copom. O Fed endossou a aposta majoritária do mercado de queda de 0,25 ponto porcentual nos fed funds, para a faixa entre 1,75% e 2,0%, mas o comunicado mostrou falta de consenso entre os dirigentes para os próximos movimentos, o que trouxe algum incômodo. "O gráfico de pontos é 'surpreendente' e indica 'divisões claras' entre os dirigentes, diz o economista-chefe Pantheon Macro, Ian Shepherdson.

Na sequência do comunicado, veio a entrevista de Powell, durante a qual o rendimento da T-Note de dez anos chegou a acelerar o ritmo de alta e o dólar foi para as máximas, firmando-se acima dos R$ 4,10 no Brasil. Houve alguma pressão sobre a curva doméstica, que apagou o viés de baixa que predominava desde o começo da tarde.


Agência Estado e Correio do Povo

Ações abrem Semana do Trânsito em Novo Hamburgo (RS)

Publicado em 18 de set de 2019

A cidade também irá realizar nos próximos dias ações em escolas e palestras.
Leia mais notícias ► http://correiodopovo.com.br/
Facebook ► https://www.facebook.com/correiodopovo
Twitter ► https://twitter.com/correio_dopovo
Instagram ► https://instagram.com/correiodopovo/

Copom corta taxa Selic em 0,50 ponto porcentual, para 5,50% ao ano

Próxima reunião está marcada para os dias 29 e 30 de outubro de 2019

Próxima reunião está marcada para os dias 29 e 30 de outubro de 2019

Próxima reunião está marcada para os dias 29 e 30 de outubro de 2019 | Foto: Banco Central / Divulgação / CP

PUBLICIDADE

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu nesta quarta-feira reduzir a taxa básica de juros - a Selic - em 0,5 ponto percentual, com isso, a taxa cai de 6% para 5,5% ao ano. A decisão atendeu ao que era esperado no mercado financeiro. A última pesquisa do Banco Central mostrou que era expectativa do mercado que o Copom mantivesse o ciclo de redução na Selic e fizesse o corte.

Segundo o Copom, a decisão é compatível com a convergência da inflação para a meta. Este ano a meta de inflação é de 4,25%, sendo que a margem de tolerância é de 1,5 ponto porcentual (índice de 2,75% a 5,75%). O comitê disse que, pelo cenário atual, a trajetória de juros deve encerrar 2019 em 5% ao ano e permanecer nesse patamar até o final de 2020.

Em comunicado, o Copom reiterou a necessidade de avanços nas reformas estruturais da economia brasileira para que os juros permaneçam em níveis baixos por longo tempo. "O Copom avalia que o processo de reformas e ajustes necessários na economia brasileira tem avançado, mas enfatiza que perseverar nesse processo é essencial para a queda da taxa de juros estrutural e para a recuperação sustentável da economia", diz o comunicado.

Recuperação da economia

De acordo com boletim divulgado pelo Copom, o cenário econômico sugere uma retomada do processo de recuperação da economia brasileira, que deverá ocorrer em ritmo gradual e uma inflação na casa dos 3%. "As expectativas de inflação para 2019, 2020, 2021 e 2022 apuradas pela pesquisa Focus encontram-se em torno de 3,5%, 3,8%, 3,75% e 3,5%, respectivamente", informou o Copom. O Copom disse também que espera que o dólar termine o ano de 2019 valendo R$ 3,90 e que permaneça nesse patamar até o final de 2020.

A Selic é o principal instrumento do Banco Central para manter sob controle a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Ao reduzir os juros básicos, a tendência é diminuir os custos do crédito e incentivar a produção e o consumo. Para cortar a Selic, o Copom precisa estar seguro de que os preços estão sob controle e não correm risco de ficar acima da meta de inflação. A Selic, que serve de referência para os demais juros da economia, é a taxa média cobrada em negociações com títulos emitidos pelo Tesouro Nacional, registradas diariamente no Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic).

Histórico

Com a decisão desta terça-feira, a Selic está no menor nível desde o início da série histórica do Banco Central, em 1986. De outubro de 2012 a abril de 2013, a taxa foi mantida em 7,25% ao ano e passou a ser reajustada gradualmente até alcançar 14,25% ao ano em julho de 2015. Em outubro de 2016, o Copom voltou a reduzir os juros básicos da economia até que a taxa chegasse a 6,5% ao ano em março de 2018. Em julho, o Comitê decidiu baixar a taxa para 6% ao ano, menor patamar até então.  


Agência Brasil e Correio do Povo

Petrobras eleva preço da gasolina em 3,5% e do diesel em 4,2%

Consumidor pagará valor reajustado a partir desta quinta-feira

Consumidor pagará valor reajustado a partir desta quinta-feira

Consumidor pagará valor reajustado a partir desta quinta-feira | Foto: Guilherme Testa / CP Memória

PUBLICIDADE

A Petrobras anunciou, na noite desta quarta-feira, reajuste nos preços da gasolina e do óleo diesel. Os novos valores passam a valer nesta quinta-feira nas vendas de refinarias para distribuidoras. O litro da gasolina foi reajustado em 3,5% e o do diesel, em 4,2%. Para o consumidor final, porém, sobre esses valores, serão acrescidos encargos tributários e trabalhistas e as margens de lucro dos postos de combustíveis.

Na última segunda-feira, a Petrobras divulgou nota sobre o bombardeio de refinarias na Arábia Saudita, responsável pela produção de 5% do petróleo mundial, o que gerou uma imediata elevação dos preços dos combustíveis no mundo. A estatal informou, na ocasião, que continuaria monitorando os preços do petróleo e não faria um ajuste de forma imediata. O último reajuste da gasolina no Brasil havia sido em 5 de setembro e o do diesel, em 13 de setembro.

Em sua página na internet, a Petrobras explica como funcionam o mecanismo e as decisões de formação de preços dos combustíveis por ela vendidos. "Nossa política de preços para a gasolina e o diesel vendidos às distribuidoras tem como base o preço de paridade de importação, formado pelas cotações internacionais destes produtos mais os custos que importadores teriam, como transporte e taxas portuárias, por exemplo. A paridade é necessária porque o mercado brasileiro de combustíveis é aberto à livre concorrência, dando às distribuidoras a alternativa de importar os produtos", explica, em nota, a estatal.

Segundo a companhia, a gasolina e o diesel vendidos às distribuidoras são diferentes dos produtos no posto de combustíveis. São os combustíveis tipo A: gasolina antes da sua combinação com o etanol e diesel sem adição de biodiesel. "Os produtos vendidos nas bombas ao consumidor final são formados a partir do tipo A misturados a biocombustíveis." 


Agência Estado e Correio do Povo

Bolão de funcionários do PT fatura R$ 120 milhões na Mega

Publicado em 18 de set de 2019

Um bolão da Mega-Sena, registrado em Brasília, venceu o concurso 2.189. De acordo com a Caixa Econômica Federal, o prêmio superior a R$ 120 milhões será dividida entre 49 cotas. A aposta coletiva foi feita por funcionários da liderança do PT na Câmara dos Deputados.
Leia mais notícias ► http://correiodopovo.com.br/
Facebook ► https://www.facebook.com/correiodopovo
Twitter ► https://twitter.com/correio_dopovo
Instagram ► https://instagram.com/correiodopovo/
#MegaSena #PT #Loterias

Mercado é informado de cancelamento de operação do Banrisul

Apesar disso, até o início da manhã desta quinta-feira, o banco ainda não havia feito comunicado oficial

Por Flavia Bemfica

Governo do Estado é o controlador do Banrisul

Governo do Estado é o controlador do Banrisul | Foto: Alina Souza/ CP Memória

PUBLICIDADE

Após uma quarta-feira de muita tensão, o governo do Estado, controlador do Banrisul, não havia, até a manhã desta quinta-feira, anunciado sua decisão a respeito da operação de venda das ações ordinárias do banco. Duas possibilidades estavam na mesa: o cancelamento da operação ou a venda dos papeis por um valor cerca de 20% abaixo do projetado inicialmente. Nesta quarta, as ações ordinárias (ON) do banco fecharam a R$ 23,94 (queda de 0,66) e as preferenciais classe B (PNB) a R$ 23,73 (alta de 7,96).

No final da noite de quarta-feira, passou a ser veiculada a informação de que a operação seria cancelada. No início dessa quinta-feira, ainda não havia comunicado oficial por parte do banco.

A alta das preferenciais, somada à elevação dos protestos de representantes de diferentes espectros políticos (de oposicionistas a aliados) a respeito da venda aumentou a pressão para que o governo desistisse.  O Executivo pretende usar o dinheiro da venda dos papeis para quitar passivos e regularizar o pagamento da folha dos servidores. Mas não há garantia de que consiga, mesmo com os recursos, manter os salários em dia no médio prazo.

Entenda

Na terça-feira, primeira data definida para a precificação dos papeis e a definição dos compradores e seus respectivos lotes (o bookbuilding), o Executivo gaúcho já havia sido obrigado a alterar o cronograma da venda após o valor mínimo ofertado por ação ficar bem abaixo do esperado. A quarta foi marcada pela expectativa sobre se o governo, que não se manifesta sobre a operação, iria ou não insistir em levá-la a cabo. A possibilidade concreta de prejuízo, anunciada há meses por operadores do mercado financeiro, faz pesar ainda sobre o Executivo a possibilidade de desdobramentos sérios, entre eles novos questionamentos judiciais, como, por exemplo, uma ação por improbidade administrativa, e o acionamento de órgãos de controle.

“Não é possível que esta venda seja efetuada sem que se cumpra a legislação estadual, isso é uma vergonha para todos” aponta o administrador e acionista do banco Mateus Bandeira. Ele promete ingressar com uma nova ação, de reparação de danos, caso o preço seja inferior ou próximo ao valor patrimonial do papel. Bandeira presidiu o Banrisul durante a administração da ex-governadora Yeda Crusius, também do PSDB, e é favorável à privatização do banco, mas diverge do modelo de venda de ações adotado pelo governo Eduardo Leite (PSDB) por entender que gerará “milhões em prejuízo” ao Estado. “Vender participação acionária a esse preço (na faixa dos R$ 19,00) significa rasgar dinheiro. No ano passado o governo recebeu mais de R$ 300 milhões em dividendos sobre capital próprio”, completa.

Em julho, após o controlador anunciar sua intenção de vender ações até o limite da manutenção do controle acionário, o ex-dirigente ingressou com uma ação para suspender a venda. Seu principal argumento é o de que ela não atendia os requisitos necessários para a venda de patrimônio público e era desprovida de uma avaliação econômica que a sustentasse. Ele chegou a obter uma liminar, que acabou derrubada. A ação segue em tramitação, ainda sem julgamento do mérito.

Deputados do MDB, do PT, do Novo, do PDT, do PSL e do PSB confirmaram sua participação em um manifesto contra a venda das ações, marcado para o início da tarde desta quinta, na Assembleia Legislativa. “Vamos nos posicionar pela não venda. E, a depender do valor de venda, poderemos sim ingressar com ação de improbidade”, adiantou o deputado Sebastião Melo (MDB), um dos principais articuladores do movimento. O que une representantes de partidos de esquerda, centro e direita, e que têm visões opostas a respeito da privatização ou não do banco, é a possibilidade concreta de prejuízo do negócio, cujo alerta partiu de investidores e acionistas.

“Chamamos a atenção porque na prática falamos de uma operação que envolve um quarto do banco, sem avaliação econômico financeira. O mercado não substitui essa avaliação, o mercado é o momento. E, do outro lado da mesa, há investidores profissionais, qualificados, grandes institucionais. Eles não pagam ágio. Isso não existe”, assegura a gestora da Zenith Asset Management, Débora Morsch. Também favorável à privatização do banco, Débora foi uma das primeiras críticas às vendas fracionadas promovidas desde a administração de José Ivo Sartori (MDB).

Na audiência pública realizada na Assembleia Legislativa para tratar do tema, ela apresentou um estudo que aponta que as perdas decorrentes das três vendas somam R$ 207,5 milhões (R$ 128,6 milhões referentes a valorização posterior das ações vendidas e R$ 78,9 milhões em proventos distribuídos pelo banco desde então).  Na que é objeto de debate, conforme ela, a combinação entre o volume expressivo de ações, a venda a profissionais e a informação pública de que o governo precisa dos recursos acabou por derrubar ainda mais o preço. “Quando você coloca um lote grande para vender, em uma venda restrita, e todo mundo sabe que você precisa do dinheiro, o mercado vai fazer o quê? Pagar menos.”

O sinal vermelho para o governo acendeu pela primeira vez na tarde de terça-feira, data limite do bookbuilding e da fixação do preço por ação. A procura ficou abaixo do esperado, a maioria das ofertas recebidas precificava o papel em R$ 18,50 e os bancos coordenadores da operação indicavam que esse seria o preço de fechamento. A configuração abria margem para os questionamentos judiciais sobre uma venda por preço inferior ao chamado valor patrimonial da ação. Porque, se considerado o valor apontado no balanço do segundo semestre, este valor seria de R$ 18,38, mas a prévia do mês de setembro indica um valor de R$ 18,90. No final do dia, o controlador ainda aguardava por ofertas de investidores internacionais que pudessem elevar o valor, o que não aconteceu. Como consequência, a precificação não saiu.

A estratégia foi elevar o preço mínimo para R$ 19,00. Só que, com a elevação, não havia reservas suficientes e a alternativa foi diminuir o total de ações em oferta. Na madrugada, o banco divulgou novo fato relevante, baixando para 71.350.686 o número de ações à venda (com possibilidade de mudanças) e alterando todo o cronograma da operação. O bookbuilding, a fixação do preço por ação, e a reunião do Conselho Diretor do Programa de Reforma do Estado aprovando o preço foram transferidos para esta quarta. O início das negociações das ações, para a sexta-feira, dia 20. E a data de liquidação para a segunda-feira, 23. A movimentação acabou por gerar mais desgaste político, a desconfiança dos investidores e a possibilidade concreta de suspensão.


Correio do Povo

Athletico-PR vence o Inter no Beira-Rio e conquista a Copa do Brasil

Derrota por 2 a 1 frustrou estádio lotado e título inédito ficou com os paranaenses

Furacão levantou a taça no Beira-Rio

Furacão levantou a taça no Beira-Rio | Foto: Fabiano do Amaral

PUBLICIDADE

Para erguer pela segunda vez a taça de campeão da Copa do Brasil, o Inter precisava vencer o Athletico-PR. Tinha o apoio da torcida de quase 50 mil colorados que lotaram o Beira-Rio. Mas, sem D’Alessandro, que lesionado não teve condições de jogo, o grito das arquibancadas não foi suficiente para dobrar os paranaenses. A derrota por 2 a 1 deu o inédito título para o Athletico, que assim garante uma vaga na Copa Libertadores de 2020.

Agora, o discurso do foco total no Brasileirão. O Colorado volta a campo no domingo, às 11h, contra a Chapecoense.

Logo no primeiro minuto de jogo, Nico López teve uma chance clara para abrir o placar, mas o goleiro Santos fez a defesa. A jogada foi um aperitivo do que viria a seguir: um Inter, mesmo sentindo falta de D'Alessandro, seu articulador, atacando e lutando muito, mas enfrentando um adversário determinado a manter a vantagem trazida da Arena da Baixada.

Balde de água fria

Cada jogador do Athletico Paranaense que caía no campo por qualquer motivo, demorava longos minutos para se levantar. Aos 19, Patrick tentou de cabeça, mas a bola escorreu pela linha de fundo sem muito perigo. Em seguida, aos 23, Rony tramou jogada de ataque com Marco Rubem. Léo Citadini recebeu dentro da área e mandou para as redes, abrindo o placar enquanto os jogadores do Inter reclamavam que Wellington Martins estava caído na intermediária do campo protestando por uma falta que teria recebido.

A torcida murchou nas arquibancadas. Mas o time, mesmo que um pouco sem jeito, continuou forçando. Aos 30 minutos, o Inter empatou na base da insistência. Após uma cobrança de escanteio, os colorados chutaram de todas as formas. A bola chegou a bater no travessão, mas Nico López aproveitou a sobra e mandou para o gol, colocando igualdade no placar.

Nico Lopez marcou gol, mas não foi suficiente

Reação insuficiente

O empate acendeu o time e aumentou a pressão. O Inter circulou a área do Athletico, só que não chegou a criar oportunidades claras. A melhor foi aos 43, quando Nico fez nova jogada individual e concluiu para o gol. O goleiro Santos fez a defesa, enquanto Guerrero, melhor posicionado, reclamava que queria o passe que não veio.

No intervalo, Odair mudou o time. Reforçou o ataque com Sobis, abrindo mão de Patrick. O jogo seguiu complicado. Aos 8, Sobis cobrou falta com perigo. Dois minutos mais tarde, Nonato entrou na vaga de Bruno, que estava pendurado por um cartão amarelo, com Edenilson indo para a lateral.

Cuesta, na frente do gol, errou o arremate de cabeça aos 11 minutos. Foi mais uma grande oportunidade desperdiçada. O nervosismo começou a ser mais um adversário importante, que se manifestava dentro e fora de campo, e que foi se intensificando conforme o tempo escorria. Na mesma medida em que o Inter mostrava dificuldades para criar uma jogada de forma mais construída, o Athletico passava arriscar com mais perigo no ataque. Tanto é que, nos acréscimos da partida, após jogada de Marcelo Cirino, que entortou dois marcadores, Rony fez 2 a 1 e decretou o título rubro-negro.

Copa do Brasil - Final

Inter 1

Marcelo Lomba; Bruno (Nonato), Rodrigo Moledo, Víctor Cuesta e Uendel; Rodrigo Lindoso, Edenílson, Patrick (Rafael Sobis) e Nico López; Paolo Guerrero e Wellington Silva (Guilherme Parede). Técnico: Odair Hellmann.

Athletico-PR 2

Santos; Khellven (Madson), Robson Bambu, Léo Pereira e Márcio Azevedo; Wellington, Léo Cittadini (Lucho González), Bruno Guimarães e Nikão; Rony e Marco Ruben (Marcelo Cirino). Técnico: Tiago Nunes.

Gols: Léo Cittadini (23min/1ºT) e Rony (49min/2ºT), para o Athletico; Nico López (30min/1ºT), para o Inter.
Árbitro: Wilton Pereira de Sampaio (GO).
Cartões amarelos: Bruno, Nico López, Wellington, Marco Ruben, Rodrigo Moledo.
Renda: R$ 2.742.150,00.
Público: 44.804 pagantes (50.355 no total).
Local: Beira-Rio.


Correio do Povo



Mercado é informado de cancelamento de operação do Banrisul

Consumidor pagará valor reajustado a partir desta quinta-feira

GERAL

Petrobras eleva preço da gasolina em 3,5% e do diesel em 4,2%

Próxima reunião está marcada para os dias 29 e 30 de outubro de 2019

ECONOMIA

Copom corta taxa Selic em 0,50 ponto porcentual, para 5,50% ao ano

Declarações de presidente do Fed equilibraram índice nesta quarta-feira

ECONOMIA

Ibovespa fecha perto da estabilidade e dólar registra R$ 4,10

Contrato de concessão será de 25 anos

MERCADO PÚBLICO

Edital de concessão da gestão deve ser lançado em novembro

Porto Alegre deve ter temperatura máxima de 27ºC nesta quinta-feira

PREVISÃO DO TEMPO

Quinta-feira deve ter predomínio de sol no RS
Câmara restaura pontos polêmicos e aprova mudança em regras eleitorais

LOTERIAS

Bolão de funcionários do PT fatura prêmio de R$ 120 milhões da Mega

Alcolumbre disse, nesta terça, que

POLÍTICA

Alcolumbre defende fundo eleitoral maior nas eleições do ano que vem

Odair Hellmann reconheceu pontos fortes do Athletico-PR e pediu foco no Brasileirão

Odair destaca luta e apoio do torcedor, mas admite: "Não foi o nosso dia"

Guerrero não conseguiu resolver desta vez

INTER

Desilusão toma conta dos colorados após o apito final

INTER

Medeiros elogia Athletico-PR e lamenta derrota do Inter: "Coisa do futebol"

Arena do Grêmio terá casa cheia contra o Flamengo

Ingressos para Grêmio x Flamengo estão esgotados

Matheus Henrique compartilhou foto ao lado de Pepê e Jean Pyerre

Jogadores do Grêmio provocam Inter após derrota colorada na Copa do Brasil

Derrota complica missão do Corinthians de ir à final da Sul-Americana

Corinthians perde para Del Valle em casa e se complica na Sul-Americana

Ex-piloto de F1 é grande atração da prova de abertura na Austrália

PITLANE

Barrichello volta às fórmulas, com os carrões V8 da S5000 australiana

FABIANA M. MACHADO

Seja protagonista da sua relação com o dinheiro

CULTURA

Filme 'O Diabo veste Prada' vai virar musical

Polícia reforça patrulhamento em busca de dois suspeitos de crimes, em Cachoeirinha

POLÍCIA

Polícia faz buscas por suspeito de homicídio, em Cachoeirinha

Novo dispositivo terá diferentes formatos e preço inicial de 129 dólares

JORNAL COM TECNOLOGIA

Facebook lança nova tela inteligente e de menor preço

Powell afirmou que ainda há

ECONOMIA

Fed reduz novamente taxa de juros americana em 0,25 ponto

Uber e Lyft disseram que mudança

MUNDO

Califórnia sanciona lei que torna motoristas de Uber e Lyft funcionários

Tempestade chega a ventos máximos de 195 quilômetros por hora

MUNDO

Bermudas se prepara para chegada do furacão Humberto, de categoria 3

Secretário de Estado americano Mike Pompeo visitou a Arábia Saudita

MUNDO

Secretário dos EUA chama ataque com drones como "ato de guerra" do Irã

Rapper Orochi vai cantar hits como

ARTE & AGENDA

Rapper Orochi participa do Baile da Olimpo em Porto Alegre

Carla Diaz interpretará Suzane Von Richthofen no cinema

ARTE & AGENDA

Caso Suzane Von Richthofen ganhará dois filmes com diferentes pontos de vista

Mestres e bailarinos da Argentina irão promover shows e aulas de tango em Porto Alegre

ARTE & AGENDA

Porto Alegre recebe aulas e shows de tango argentino

Robin Wright e Cary Elwes protagonizam

ARTE & AGENDA

Possível refilmagem de "A Princesa Prometida" gera protestos no Twitter

JediCon RS 2019 ocorre em outubro em Porto Alegre

ARTE & AGENDA

JediCon RS inicia venda de ingressos para edição 2019

Condessa de Carnarvon irá escolher duas pessoas para passarem uma noite no Highclere Castle

ARTE & AGENDA

Castelo de "Downton Abbey" entra em site de reserva de hospedagem