terça-feira, 12 de novembro de 2019

Dicas práticas para começar 2020 longe das dívidas

por Mayk Souza

Final de ano chegando, temporada de Black Friday, férias e as famosas festas de confraternização. Como conseguir aproveitar tudo e ainda manter o planejamento financeiro para iniciar o ano sem nenhuma dívida? É importante seguir uma série de cuidados para alcançar esse objetivo.

Especialistas recomendam que aplicando algumas dicas de educação financeira é possível entender quais são os bons investimentos para fazer o dinheiro render mais a cada mês e seguir sem dívidas.

Além disso, para quem já está endividado, algumas empresas costumam fazer feirões no final do ano para negociar pendências e chegam a oferecer descontos imperdíveis para que o consumidor comece o ano com pé direito.

O consumidor que está com o CPF bloqueado por alguma restrição de crédito e pode aproveitar o 13º salário para participar da mega negociação promovida pelo Serasa até o dia 1 de dezembro. De acordo com a empresa, os descontos podem chegar até 80% do valor da dívida no Feirão Limpa Nome.

Compras e Black Friday

As grandes liquidações de final de ano podem atrapalhar ou iludir quem fez um amplo controle financeiro nos últimos meses. Algumas medidas são recomendadas para não cair na cilada dos grandes descontos.

O maior erro do consumidor é comprar algo apenas por ter valor reduzido, sem avaliar se aquele item será mesmo útil em seu dia.

Para evitar que isso aconteça, a recomendação é fazer uma lista com todos os produtos que deseja comprar e também os nomes das pessoas a quem deseja presentear. O consumidor precisa checar os valores médios atuais e deve estipular um limite máximo para efetivar cada compra para evitar sobrecarregar as contas mensais.

O desconto é real? Veja na na planilha qual era a média de preço daquele produto. Se não tiver um histórico, alguns sites fazem isso por você. Assim terá a certeza se o item realmente está com um bom preço.

A Black Friday está chegando e pode ser um ótimo momento para fazer aquelas comprinhas especiais, mas é preciso ter atenção, a campanha também ganhou a terrível fama de “tudo pela metade do dobro’ por causa de ofertas enganosas.

Veja também as lojas que oferecem descontos maiores para pagamento por boleto que podem chegar a 10%. Essa é uma grande vantagem para quem tem dinheiro guardado.

A Black Friday 2019 ocorre no dia 29 de novembro, em lojas físicas e virtuais, e deve movimentar grandes vendas em diversos segmentos. O Procon alerta para que os consumidores tenham cuidado com ofertas milagrosas e evitem sites suspeitos.

É possível economizar nas férias e viagens

É também comum aproveitar o verão e o recesso escolar para aquela viagem dos sonhos, mas isso não precisa comprometer as economias do trabalhador.

A primeira dica é o planejamento, item importante para uma vida financeira saudável. O consumidor deve escolher um destino dentro das suas possibilidades, definir os valores que poderá pagar e começar a programar as férias.

Ele deve aproveitar a fase de planejamento para avaliar os passeios oferecidos e se algum concede desconto para compra antecipada. Toda economia é válida!

Durante a viagem, é importante fazer anotações dos gastos e assim ter um controle melhor sobre as suas despesas. Existem bons aplicativos que ajudam nessa tarefa.

É importante reservar uma parte do dinheiro para os passeios, refeições e é claro para as bugigangas. O consumidor precisa ter muita atenção para não ultrapassar sua meta.

É aconselhável reservar 10% do valor pretendido para gastar na viagem para alguma emergência, mas só utilizar se realmente for necessário. Esse será um excelente sinal de que o planejamento financeiro está funcionando!

Ao tomar todos esses cuidados, o consumidor chegará em 2020 com a vida financeira saudável.


SOS Consumidor

Giro Veja: Reforma da Previdência promulgada e deputados do PSL 'banidos' por Bolsonaro

Publicado em 12 de nov. de 2019

#VEJA #GiroVEJA

Imagem Folheados - Ofertas de arrasar!

Novidades - Imagem Folheados

Brincos Pingentes Anéis Gargantilhas Pulseiras Tornozeleiras + Categorias

Dezenas de produtos em promoção para você! Aproveite o descontão de até 50% (tempo limitado)!


Cód.: BS3040
Brinco folheado a ouro c/ adereço de chapa pontilhada

de R$ 12,40
por R$ 6,20

Quero + detalhes!

Cód.: P513
Pulseira folheada a ouro com pedras de vidro lapidado em forma de gota

de R$ 18,80
por R$ 9,40

Quero + detalhes!


Cód.: BS3018
Brinco Gota folheado a ouro c/ Micro Zircônias

de R$ 18,90
por R$ 11,35

Quero + detalhes!

Cód.: AN0582
Anel folheado a ouro com aro anatômico e 3 pedras de vidro ovais

de R$ 11,25
por R$ 6,75

Quero + detalhes!


Cód.: BS3015
Brinco folheado a ouro c/ detalhes circulares e Micro Zircônias

de R$ 18,40
por R$ 11,95

Quero + detalhes!

Cód.: G1474
Gargantilha ponto de luz folheada a ouro c/ pedra acrílica em forma de gota

de R$ 15,45
por R$ 7,72

Quero + detalhes!


Cód.: AN0588
Anel folheado a ouro com pedra de vidro na cor rosa

de R$ 11,75
por R$ 7,65

Quero + detalhes!

Cód.: P508
Pulseira folheada a ouro com pingentes de coração com resina

de R$ 11,85
por R$ 9,45

Quero + detalhes!

Conheça mais ofertas em nosso site >>

“É por medo político de Lula”, diz Gleisi sobre PEC da prisão em 2ª instância

No Twitter, Gleisi Hoffmann afirmou que há uma “sanha desembestada” para a aprovação de uma PEC que autorize a prisão em segunda instância.

Segundo a presidente do PT, é tudo por medo de Lula.

“Essa sanha desembestada para aprovar proposta inconstitucional no Congresso, permitindo prisão em segunda instância, é por medo político de Lula. Essa turma que está articulando a aprovação nunca foi interessada em combater impunidade. Como Moro, tem um só objetivo: acabar com Lula”, tuitou Gleisi.

O Antagonista

Quase 90% dos brasileiros pretendem usar 13º salário para quitar dívidas, mostra Anefac

xdinheiro2.jpg.pagespeed.ic_.ALqYTyAf_L-696x464.jpg

Com tantos brasileiros usando o dinheiro para pagar dívidas, os presentes deste fim de ano devem ficar magros.

Quase 90% dos brasileiros pretendem usar o 13º salário para quitar dívidas. Segundo uma pequisa da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), 87% dos entrevistados darão este destino aos recursos – uma fatia um pouco maior que no ano passado, quando esse percentual ficou em 86%.

"Isto demonstra que a redução da atividade econômica, desemprego maior, taxas de juros elevadas aumentaram o endividamento dos consumidores", aponta a entidade em nota. Há dez anos, a fatia dos entrevistados que pretendiam usar o 13º para pagar dívidas era de 64%.

Com tantos brasileiros usando o dinheiro para pagar dívidas, os presentes deste fim de ano devem ficar magros. Só 5% dos entrevistados disseram que pretendem usar parte do 13º para comprar presentes. Outros 2% pretendem usar o dinheiro para pagar as despesas de começo de ano, enquanto outros 2% pretendem poupar parte do que sobrará.

A Anefac aponta ainda que 1% quer usar parte dos recursos para compra e reforma da casa, e que 3% já receberam parte ou todo o 13º ao longo do ano, ou fizeram empréstimos em antecipação. Dívidas e presentes

Entre as dívidas que os brasileiros pretendem pagar com o 13º, as principais são aquelas com cheque especial (45%), cartão de crédito (49%) e financiamento bancário em atraso (3%).

Já os principais presentes que devem receber os recursos são roupas (64%), bens diversos (55%), celulares (53%) e brinquedos (36%).

A pesquisa foi realizada junto a 1.130 consumidores de todas as classes sociais durante o mês de outubro.

Fonte: G1 - 11/11/2019 e SOS Consumidor



Bolsonaro cogita Moro de vice em 2022

Jair Bolsonaro tem dito a interlocutores que pensa em ter Sergio Moro como vice numa chapa de reeleição, em 2022... [leia mais]

Janaina: todas as mudanças podem ser feitas na "Constituição vigente"

No Twitter, Janaina Paschoal acaba de se manifestar de forma "radicalmente contrária" a uma nova Constituinte... [leia mais]

Congresso mudar regra da 2ª instância afrontaria o STF, diz Marco Aurélio

Marco Aurélio Mello afirmou hoje que uma eventual aprovação pelo Congresso de mudança na regra das prisões de... [leia mais]

Morales promete seguir na política

Pouco depois de chegar à Cidade do México e dizer que o presidente Andrés Manuel López Obrador salvou... [leia mais]


Bolsonaro receberá sugestões de logomarca para novo partido

Advogados e deputados ligados a Jair Bolsonaro apresentarão ao presidente hoje sugestões de logomarca e slogan... [leia mais]

'Vamos no caminho do Chávez?', diz Maia sobre nova Constituinte

À Crusoé, Rodrigo Maia rechaçou a ideia lançada mais cedo por Davi Alcolumbre de uma nova Constituinte... [leia mais]

Filho de Datena é nomeado para novo cargo no Senado

Filho do apresentador José Luiz Datena, o publicitário José Luiz Datena Júnior foi nomeado nesta terça-feira assessor... [leia mais]


ÁUDIO - "Estão falando que o primeiro que vai [preso] em segunda instância é o nosso presidente Rodrigo"

O Antagonista obteve um áudio enviado pelo deputado federal Carlos Henrique Gaguim, do DEM de Tocantins, ao... [leia mais]

Tebet diz que Toffoli "deu a senha" para o Congresso sobre 2ª instância

Simone Tebet afirmou hoje que o presidente do STF, Dias Toffoli, "deu a senha, a chave" para o Congresso mudar... [leia mais]

"É por medo político de Lula", diz Gleisi sobre PEC da prisão em 2ª instância

No Twitter, Gleisi Hoffmann afirmou que há uma "sanha desembestada" para a aprovação de uma PEC que... [leia mais]

A DEGOLA NA BABEL DO SÉCULO XXI!

(Paulo Sternick - O Globo, 11) Deus —na metáfora bíblica —não podia imaginar que a estratégia de confundir as línguas não daria certo na atualidade. Criaram tradutores “on-line” e os humanos já poderiam chegar ao céu pelas torres da tecnologia. Verdade? Não. A Babel do século XXI se sofisticou — e ficou paradoxal. Pois hoje é possível se comunicar a qualquer momento, em diferentes línguas, e nas redes sociais. Porém, quanto mais o fazem, mais ficam confusos, atordoados e intolerantes: não chegaram ao céu, mas não estão longe do inferno. Deus é cruel? Não! Ele “ofereceu” excelentes pensadores para tirá-los dessa.
Marshall McLuhan batizou nosso mundo de “aldeia global”. O nome é instigante, e incoerente: aldeia é muito pequena, global é enorme, e com muita gente! A internet, enfim, as redes sociais nos jogaram de volta ao mundo tribal. Estamos todos muito próximos com nossas diferenças. Não percebemos o quanto isso nos pressiona e nos deixa agastados. Aos poucos, a privacidade foi sendo atacada, e fomos soterrados —em câmera lenta — pela enxurrada de contatos e informações. O mundo tribal não é amistoso. McLuhan avisou: um dos principais esportes de um povo da aldeia —em tempo integral —é degolar uns aos outros.
Se as distâncias foram rompidas, e o tempo quase acabou, muita intimidade aumentou a dose de intolerância e incivilidade. O próprio Freud apontara o “narcisismo das pequenas diferenças”. E na esteira de Schopenhauer, usou ainda a metáfora do porco-espinho: na carência, os seres se aproximam, porém, muito perto, se espetam. E o buraco e a falta que os humanos sentem —mais ainda nesta era de incertezas agudas —os levam à procura de uma sutura: as redes sociais, e todas as telas, se somam aos tóxicos que vendem o adiamento do sofrimento.
“Precisamos de contatos menos abrasivos, um pouco mais de distância entre o eixo e a roda. Quando estão juntos demais, perdem o espírito lúdico. Não se brinca mais” — comenta Marshall McLuhan. Ele, porém, não viveu a tempo de conhecer os efeitos da ascensão de Donald Trump ou Jair Bolsonaro. Mal previu que no Brasil até humorista seria linchado em redes sociais. Porém, a evocação do lúdico é estratégica no atual cenário, onde a ternura não vem calibrando a dureza. O desmanche da polarização e do radicalismo, deixando de corresponder aos que se aproveitam do jogo, é das tarefas políticas mais importantes do momento.
O “New York Times” citou pesquisa científica: desde a Guerra Civil americana não se verifica tanta divisão e polarização nos Estados Unidos. Aqui no Brasil, nem precisa sondar: há nível inusitado de radicalismo nas discussões. A política tem razões que a razão desconhece, mas também serve para expressão de ressentimento e intolerância oriundas de fontes subjetivas. Porém, a própria realidade carrega conflitos e contradições que opõem os sujeitos numa arena pronta para embates extremos. Até porque líderes escolhidos são afunilados em polos opostos da obtusidade ideológica. Na aldeia global, o meio que junta todos é a mensagem para se desentender. E ofuscar o assunto real.
Desse jeito, há inaudito ataque ao pensamento. A crise econômica não computa nos seus estragos a deterioração moral e psicológica da nação. A mente primitiva passa a pautar o tom e se infiltra até no debate entre economistas. Perturbações do pensamento econômico — oprimido entre a adesão a escolas ortodoxas e assombrações de um passado estereotipado —dificultam tomada de posições mais inteligentes e oportunas, que seriam aptas a ajudar a destravar o crescimento. A austeridade também ataca o pensar, e confirma ser a economia uma ciência realmente triste.
Por fim, ganha “likes” o discurso de que não há mais esperança de que o futuro possa trazer respostas aos impasses do presente. A mentalidade pessimista — ou será realista? — põe na agenda questão assustadora: há realmente progresso humano, além da ciência e da tecnologia? Enfim, melhor pensar que podemos encontrar a paz, se possível for esquecer a paz que no céu sempre buscamos.


Ex-Blog do Cesar Maia



Birôs e bancos começam a trocar informações do cadastro positivo nesta segunda-feira

Notificações virão por email, SMS ou carta e devem acontecer até o final do ano Birôs e bancos começaram a troca ...
Leia mais

Quase 90% dos brasileiros pretendem usar 13º salário para quitar dívidas, mostra Anefac
Com tantos brasileiros usando o dinheiro para pagar dívidas, os presentes deste fim de ano devem ficar magros.
Leia mais

Dicas práticas para começar 2020 longe das dívidas
Final de ano chegando, temporada de Black Friday, férias e as famosas festas de confraternização. Como conseguir aproveitar tudo ...
Leia mais

Empresa indenizará consumidora surpreendida com corpo estranho em molho de tomate
Uma consumidora será indenizada em R$ 5 mil, acrescidos de juros e correção monetária, após localizar um corpo estranho dentro de um pacote de ...
Leia mais

Governo passa a cobrar INSS de quem recebe seguro-desemprego
Arrecadação será usada para compensar novo programa de emprego para jovens Para viabilizar o novo ...
Leia mais

INSS libera R$ 78 milhões para 4,9 mil aposentados
Valores já estão disponíveis para quem ganhou ação contra o instituto em setembro Rio - Os aposentados e ...
Leia mais

Veja como STJ tem julgado o dever de informação ao consumidor
Segundo a doutrina, a obrigação legal de informação no Código de Defesa do Consumidor tem amplo espectro, pois não se limita ao contrato, ...
Leia mais

Parque de diversões é condenado a indenizar criança vítima de discriminação
O Parque de Diversões Nicolândia terá que indenizar uma criança com Síndrome de Down por tê-la discriminado. A decisão é do ...
Leia mais

Governo exclui pessoas acima de 55 anos de novo programa de empregos
Modelo será limitado a jovens de 18 a 29 anos contratados por até um 1,5 salário mínimo O presidente ...
Leia mais

Supermercado é condenado por falsa acusação de furto e injúrias raciais na Capital
Um supermercado de Florianópolis, localizado no norte da Ilha, deverá indenizar três clientes injustamente acusados de furto e hostilizados com injúrias ...
Leia mais

Giro Veja: O novo partido do presidente Bolsonaro

Stream ao vivo realizado há 23 horas

#VEJA #GiroVEJA

Carla Carlin e o espaço na moda gaúcha

fernanda

Marca autoral de Caxias do Sul destaca-se na produção de roupas femininas. Te inspira nessa história. Clica aqui.

Leia mais

Estão abertas as inscrições para a Hannover Messe 2020

web summit

Leia mais

soveral

Sebrae RS divulga Mapa da Economia Criativa de Porto Alegre

Leia mais

Serviços de alimentação recebem selo de segurança alimentar

alimentos

Leia mais

Artigo

equipes

Almôndega de inseto, bebida de cannabis, hambúrguer de vegetais: você está preparado?

Anuga 2019 - No segmento de proteínas alternativas, muitas startups invadiram a feira apostando nos produtos desenvolvidos a partir de insetos comestíveis. Clique aqui.

Vídeo

VOICES - Captação de Investimento

eduardo

Vem entender quais são os principais passos para levantar capital em uma empresa. O Eduardo Goerl, fundador da ARPAC, conta um pouco sobre a história da empresa e sobre quais foram as etapas fundamentais para levantar o capital necessário na conquista de seus objetivos. Quer saber mais? Dá o play e fica por dentro de tudo!

Lavadora de Roupas Consul CWH12 ABANA - 12kg Cesto Inox 16 Programas de Lavagem 110V

Lavadora de Roupas Consul CWH12 ABANA - 12kg Cesto Inox 16 Programas de Lavagem

A lavadora de roupas Consul CWH12AB irá facilitar o seu dia a dia e ajudar você a economizar.Com 12Kg de capacidade de roupa seca, tem 450W de potência, porta/tampa de vidro, gabinete metálico e cesto de inox com base de plástico.Tem ainda, 4 níveis de água e 16 programas de lavagem como:- Dosagem Extra Fácil: Suas roupas ficam bem lavadas e você ainda tem uma economia de até 70% de sabão em pó. - Ciclo Edredom: Até o seu edredom fica bem lavado.- Dual Dispenser: Com o novo formato do dispenser, abastecer e limpar ficou muito mais fácil. E ainda, dilui o sabão e o amaciante antes de entrar em contato com a roupa, evitando manchas.- Nível Fácil: Evita o desperdício e garante a lavagem ideal. Você coloca as roupas na máquina, vê em que nível elas chegam na régua dentro do cesto, e usa o mesmo nível para dosagem de sabão e água.- Lavagem Econômica: Pode reaproveitar a água usada na lavadora para outros usos na sua casa.- Enxague Duplo: Remove ainda mais resíduos de sabão que o enxágue comum para garantir que suas roupas fiquem ainda mais limpas.- Função Mais Secas: Centrifuga mais as roupas diminuindo o tempo delas no varal, além de trazer mais facilidade na hora de tirá-las da máquina- Ciclo Rápido: Lavagem ideal para roupas pouco sujas, e ainda economiza energia e tempo.


Link: https://www.magazinevoce.com.br/magazinelucioborges/p/lavadora-de-roupas-consul-cwh12-abana-12kg-cesto-inox-16-programas-de-lavagem/3428547/

Eis o texto do pensador Percival Puggina - ALMA TOTALITÁRIA NA DEMOCRACIA BRASILEIRA - :

No Brasil, por força do modelo institucional presidencialista, o presidente é considerado pelo eleitor como um todo-poderoso. Parcela significativa da sociedade espera que ele detenha aquele poder absoluto capaz de resolver absolutamente tudo. De preferência sem marola e sem mexer em coisa alguma.

Não é por outra razão que tantos são contra privatizações. O brasileiro ama seu patrão estatal e está convencido de que o Estado é o único generoso num mundo de ganância privada. Nessa perspectiva, o Estado zelaria pelo social, ao passo que as organizações privadas cuidariam do individual. Por mais que a realidade o conteste, os cidadãos brasileiros (ou a maior parte deles) acreditam que o que transcorre fora do setor público é periférico e inspira suspeitas.
Totalitária, igualmente, é a visão que o STF tem de seu poder, numa situação que se agrava quando os ministros se veem como Poder Moderador da República, função que sequer existe em nosso modelo institucional e, se um dia for criado, não será composto por magistrados.
Tais pontos de vista conduzem a uma centralização sob a qual nos fomos “adestrando”, aprendendo a esperar do Estado e a pagar, numa boa, pelo que dele não se recebe. Preferimos o calote a sacudir o jugo.
Também é nitidamente totalitária a crescente atribuição de ações ao Estado, impulsionadas pelos governos, notadamente pelos governos da União. Qualquer criança poderia entender, numa aula de OSPB, que quanto mais centralizada for a atuação do setor público, menor o espaço para a democracia e para a participação dos cidadãos. Centralização é antônimo de democratização. No entanto, em nosso país, vivemos sob o fetiche da unicidade.
Observe, leitor, o exame do ENEM. É o sonho de toda mente totalitária! Um exame nacional, com força suficiente para determinar a direção em que deve andar a visão de história, a compreensão dos fenômenos sociais, o vocabulário adequado à expressão das ideias, bem como para pautar leituras e redações. Não satisfeito o apetite pelo poder, essa alma totalitária cria e edita em 600 páginas uma tal Base Nacional Comum Curricular para viger nos quatro pontos cardeais da diversidade nacional.
Trata-se, na verdade, de uma paixão por qualquer programa ou criação que leve o adjetivo único, ou nacional, ou comum, ou federal. Na esteira aberta pelo SUS já temos o Sistema Único de Assistência Social, o Sistema Único de Segurança Pública. Procure no Google por “programa nacional de” e você vai se surpreender com a variedade da oferta existente.
Saudável, por isso mesmo, a visão adotada pelo governo Bolsonaro, em óbvia inspiração do ministro Paulo Guedes, e expressa no conjunto de projetos recém-encaminhados ao Congresso Nacional. Enquanto buscam sanear as finanças e reduzir a dependência dos entes federados em relação à União, esses projetos cumprem importante papel democratizador exorcizando a alma totalitária de nossa frágil e mal costurada democracia.


Pontocritico.com

FRASE DO DIA–12.11.2019

Governos tendem a não resolver os problemas, apenas reorganizá-los.

Ronald Reagan

O que a esquerda não conta sobre a ditadura militar

A Ditadura Militar instalada no Brasil em 1964 faz parte dos livros de história, mas também do debate político diário no Brasil. E até hoje é um tópico hipersensível tanto para esquerda como para a direita.

A Gazeta do Povo evidentemente não apoia qualquer tipo de governo que não preza a democracia. Em suas convicções, o jornal deixa claro que "A democracia é a única forma de governo que respeita plenamente a dignidade humana e permite aos seus cidadãos desenvolver ao máximo as suas potencialidades." Em várias reportagens, revelou como o período ditatorial fez mal ao país, deixando um legado de hiperinflação, corrupção, crime e violência urbana. Houve casos escabrosos, com os quais nenhum ser humano pode compactuar, como a tortura de crianças, de opositores políticos, e até o sequestro de bebês. Também mostrou como nem todos os que se opuseram à ditadura eram comunistas. E a prisão e tortura de uma freira , sem provas. Sendo bem claro: a ditadura militar brasileira não deve ser comemorada.

Ou seja, por aqui nunca se passou pano para o autoritarismo. Por isso mesmo, é preciso abordar algo que raramente ou quase nunca é mostrado com a devida ênfase: a esquerda que combateu a ditadura militar brasileira não queria democracia. O grande objetivo era implantar outra ditadura, de inspiração comunista.

Embora os guerrilheiros sejam retratados frequentemente como heróis românticos, jovens que buscavam a liberdade, o regime pelo qual lutavam no Brasil já havia matado milhões ao redor do mundo, seja nos gulags soviéticos, nos campos chineses, na ilha-prisão cubana, na monarquia comunista da Coreia do Norte, e na carnificina cambojana.

Não estamos falando de teorias da conspiração. São relatos dos militantes de esquerda que pegaram em armas naquela época. “O objetivo imediato era derrubar a ditadura militar. O objetivo de longo prazo era estabelecer uma área libertada, de caráter comunista”, conta Renato Tapajós, cineasta e escritor que participou de um desses grupos armados, a Ala Vermelha do Partido Comunista do Brasil.

A meta era a ditadura do proletariado. A ideia de consolidar uma democracia só surgiu depois de 1979, com a anistia”, afirma a historiadora Beatriz Kushnir. “A ditadura do proletariado iria instaurar uma sociedade em que a pirâmide social fosse invertida.”

Um dos maiores facínoras do período era Carlos Marighella , que ganhou uma hagiografia cinematográfica dirigida por Wagner Moura. Ele até hoje é tratado como herói por alguns setores da esquerda, mesmo que tenha defendido a luta armada mesmo antes do endurecimento do regime militar. Marighella escreveu o infame 'Mini Manual do Guerrilheiro Urbano', no qual propunha execuções (de “um espião norte-americano, um agente da ditadura, um torturador da polícia, ou uma personalidade fascista do governo”, etc.), sequestros (para trocar por guerrilheiros presos) e, finalmente, o terrorismo, mesmo que deixasse vítimas civis pelo caminho — o que de fato aconteceu. Em entrevista a uma revista francesa, Marighella chegou a dizer que o Brasil se tornaria um novo Vietnã, “dezenas de vezes maior”.

Marighella ainda foi o criador da Aliança Libertadora Nacional, um grupo armado cujo objetivo era justamente o de instaurar um “governo popular revolucionário” no Brasil. O que Marighella pregava era tão violento que ele conseguiu ser expulso do PCB (Partido Comunista Brasileiro). Nem os próprios membros do grupo eram poupados da sanha assassina: militantes considerados traidores ou dissidentes eram executados nos chamados “justiçamentos.

Os justiçamentos, aliás, dão um bom vislumbre do que seria o Brasil sob domínio comunista. Em países como a União Soviética e a China, era comum que membros da elite do Partido Comunista fossem eliminados quando caíam em desgraça, mesmo que fossem inocentes. Entre os vários grupos armados da esquerda no Brasil, a mesma prática foi utilizada, já que ideologias genocidas têm muito em comum.

Uma das vítimas foi o estudante de sociologia Márcio Leite de Toledo, de 26 anos. Toledo foi enviado a Cuba para treinamento de guerrilha e voltou ao Brasil clandestinamente. Após o retorno, na mesma época em que comandantes da ALN foram capturados pelos órgãos de segurança do regime militar, Toledo passou a discordar das táticas da organização. Como resposta, o comando da ALN considerou Toledo perigoso para a organização e um grupo de quatro guerrilheiros decidiu pela execução dele.

A organização não fez segredo do homicídio e anunciou em um comunicado: “A Ação Libertadora Nacional (ALN) executou, dia 23 de março de 1971, Márcio Leite Toledo. Esta execução teve o fim de resguardar a organização. Uma organização revolucionária, em guerra declarada, não pode permitir a quem tenha uma série de informações, como as que ele possuía, vacilações desta espécie, muito menos uma defecção deste grau em suas fileiras”.

Outro caso semelhante envolveu Francisco Jacques Moreira de Alvarenga, da Resistência Armada Nacionalista (RAN). Alvarenga foi executado com quatro tiros por um comando da ALN em 28 de junho de 1973, na sala dos professores do colégio Veiga de Almeida, no bairro carioca da Tijuca, onde dava aula de história.

São mortes que caíram no esquecimento, porque mostram a face mais cruel e covarde da esquerda brasileira, e não se encaixam na versão épica e heróica que muitos tentam criar da guerrilha armada. Esses assassinatos a sangue frio não entraram na conta da Comissão da Verdade, criada pela presidente Dilma Rousseff para apurar as mortes durante o regime militar.

É possível afirmar que os justiçamentos e a morte de inocentes estão no DNA do comunismo brasileiro. Já em 1936, a jovem menina Elza foi sufocada e morta baseada numa tênue desconfiança que outros membros do Partido Comunista tinham a seu respeito. Seu corpo foi escondido no quintal da casa. Luiz Carlos Prestes — o "Cavaleiro da Esperança" — foi condenado pela morte da jovem (foi ele que ordenou a execução), mas poucos anos depois anistiado.

Olga Benário (esposa de Prestes, judia alemã, deportada para a Alemanha nazista, morta na câmara de gás) foi também vítima de injustiças, desta vez por parte do regime fascista de Getúlio Vargas, que a entregou aos nazistas. Mas enquanto a história de Olga ganhou atenção mundial, foi objeto de filmes com orçamentos milionários, a de Elza segue no oblívio. Nem a imprensa, nem mesmo militantes (de direita ou de esquerda) comentam sua história.

Outra vítima cuja história não inspirou filmes, seriados ou livros é a do jovem soldado Mário Kozel Filho, que se estivesse vivo teria completado 70 anos em julho deste ano. Sua vida foi roubada por guerrilheiros de esquerda aos 19 anos, em 26 de junho de 1968. Uma caminhonete lotada de explosivos foi acelerada em direção ao Quartel General do 2º Exército, em São Paulo. Kozel teve o corpo despedaçado pela explosão.

Os pais de Kozel, um jovem de origem simples, só passaram a ter direito a uma pensão em 2003, no irrisório valor de R$ 330. Foi atualizado para R$ 1.140 em 2005. Mas o casal só foi informado em 2007, pela imprensa, a respeito dos valores. Em comparação, desde 1993 a viúva do guerrilheiro Carlos Lamarca recebe uma pensão de R$ 9.963,98, posteriormente atualizada para R$ 12.152,61. Lamarca era integrante do grupo que realizou o atentado, a Vanguarda Popular Revolucionária (VPR).

Atenciosamente,

Jones Rossi, editor de Ideias

Ponto Crítico

Ponto Crítico

AGORA TUDO FICA PARA 2020

cid:image003.jpg@01D59950.5F30E150

XIX - 022/19 - 12/ 11/ 2019

MELHORAR? JAMAIS!

Dias atrás escrevi um editorial explicando que as vontades do PODER EXECUTIVO são, invariavelmente, diferentes das vontades do PODER LEGISLATIVO. Vejam que quando o Executivo propõe medidas que podem produzir crescimento e desenvolvimento econômico, o Legislativo, mesmo nos raros momentos que manifesta boa vontade, trata sempre de piorar alguma coisa. Melhorar? Jamais!

Anúncio Ponto Crítico

CASO EXEMPLAR

A REFORMA DA PREVIDÊNCIA, para ficar com o caso mais recente, é exemplar. Melhorar o projeto, no sentido de ampliar a economia de R$ 1,26 Trilhão, nem pensar. O resultado, como se sabe, foi um corte significativo, na ordem de 40%. E mesmo com o tamanho da mutilação ainda ficamos imensamente agradecidos ao Legislativo.

Anúncio Ponto Crítico

A ORDEM É MANTER O CORPO DOENTE

Partindo desta clara premissa, volto a afirmar: a maioria dos deputados e senadores, mesmo sabendo que o Brasil sofre de várias doenças gravíssimas, que levaram a uma paralisação brutal da economia, não admite, em hipótese alguma, tratamento que, comprovadamente, produz cura. A ordem, pasmem, é manter o corpo sempre doente.

Anúncio Ponto Crítico

PROMULGAÇÃO DA REFORMA DA PREVIDÊNCIA

A propósito, hoje pela manhã a REFORMA DA PREVIDÊNCIA foi promulgada pelos presidentes da Câmara e do Senado. Em  sessão solene os chefes do Poder Legislativo fizeram pronunciamentos do tipo que leva os ingênuos a acreditar que o prazo de nove meses foi curto e que o problema previdenciário está, enfim, resolvido.

Anúncio Ponto Crítico

CORREDORES POLONESES

Pois, passada esta fase, que durou praticamente o ano todo, agora chegou a hora de encarar a REFORMA TRIBUTÁRIA e a REFORMA ADMINISTRATIVA. E, como se sabe, se tudo der certo e à contento,  ambas as PECs passarão pelos CORREDORES POLONESES onde, inevitavelmente, serão desfiguradas antes de serem votadas em plenário. Isto, obviamente, só lá em meados de 2020.

Anúncio Ponto Crítico

VELHA PERGUNTA

Enquanto isso alguns jornalistas, que pouco ou nada sabem, fazem sempre a mesma pergunta aos seus interlocutores: - Por que a economia e o emprego seguem em ritmo de baixa recuperação? A resposta, nem sempre obtida é mais do que simples: - Porque o Legislativo não admite o emprego de remédios com capacidade de cura. No máximo, só admite que o paciente respire.

Anúncio Ponto Crítico

MARKET PLACE

cid:image009.png@01D59950.5F30E150

ESPAÇO PENSAR+ -

Eis o texto do pensador Percival Puggina - ALMA TOTALITÁRIA NA DEMOCRACIA BRASILEIRA - :

No Brasil, por força do modelo institucional presidencialista, o presidente é considerado pelo eleitor como um todo-poderoso. Parcela significativa da sociedade espera que ele detenha aquele poder absoluto capaz de resolver absolutamente tudo. De preferência sem marola e sem mexer em coisa alguma.

Não é por outra razão que tantos são contra privatizações. O brasileiro ama seu patrão estatal e está convencido de que o Estado é o único generoso num mundo de ganância privada. Nessa perspectiva, o Estado zelaria pelo social, ao passo que as organizações privadas cuidariam do individual. Por mais que a realidade o conteste, os cidadãos brasileiros (ou a maior parte deles) acreditam que o que transcorre fora do setor público é periférico e inspira suspeitas.
Totalitária, igualmente, é a visão que o STF tem de seu poder, numa situação que se agrava quando os ministros se veem como Poder Moderador da República, função que sequer existe em nosso modelo institucional e, se um dia for criado, não será composto por magistrados.
Tais pontos de vista conduzem a uma centralização sob a qual nos fomos “adestrando”, aprendendo a esperar do Estado e a pagar, numa boa, pelo que dele não se recebe. Preferimos o calote a sacudir o jugo.
Também é nitidamente totalitária a crescente atribuição de ações ao Estado, impulsionadas pelos governos, notadamente pelos governos da União. Qualquer criança poderia entender, numa aula de OSPB, que quanto mais centralizada for a atuação do setor público, menor o espaço para a democracia e para a participação dos cidadãos. Centralização é antônimo de democratização. No entanto, em nosso país, vivemos sob o fetiche da unicidade.
Observe, leitor, o exame do ENEM. É o sonho de toda mente totalitária! Um exame nacional, com força suficiente para determinar a direção em que deve andar a visão de história, a compreensão dos fenômenos sociais, o vocabulário adequado à expressão das ideias, bem como para pautar leituras e redações. Não satisfeito o apetite pelo poder, essa alma totalitária cria e edita em 600 páginas uma tal Base Nacional Comum Curricular para viger nos quatro pontos cardeais da diversidade nacional.
Trata-se, na verdade, de uma paixão por qualquer programa ou criação que leve o adjetivo único, ou nacional, ou comum, ou federal. Na esteira aberta pelo SUS já temos o Sistema Único de Assistência Social, o Sistema Único de Segurança Pública. Procure no Google por “programa nacional de” e você vai se surpreender com a variedade da oferta existente.
Saudável, por isso mesmo, a visão adotada pelo governo Bolsonaro, em óbvia inspiração do ministro Paulo Guedes, e expressa no conjunto de projetos recém-encaminhados ao Congresso Nacional. Enquanto buscam sanear as finanças e reduzir a dependência dos entes federados em relação à União, esses projetos cumprem importante papel democratizador exorcizando a alma totalitária de nossa frágil e mal costurada democracia.

cid:image009.png@01D59950.5F30E150

ANTECIPE SEU NATAL -

Um grupo de lojas do Moinhos Shopping promove, no dia 13 de novembro, evento que irá oportunizar a compra antecipada de presentes de Natal de forma especial. O evento denominado “Antecipe seu Natal”,  ocorrerá em frente as lojas físicas participantes no mall do shopping, onde as lojas irão expor produtos em destaque para a data. Além de conhecer mais de perto o mix das lojas, os clientes ainda poderão degustar coquetéis que estarão sendo preparados e servidos no local. Para acompanhar o clima natalino, canções com o tema embalam o evento. A ação acontece no mall do shopping, entre às 16h e 20h, e é aberta ao público.

cid:image009.png@01D59950.5F30E150

NATAL -

O Natal dos shoppings da AIRAZ Administradora receberá este ano R$ 7,5 milhões em investimentos para decoração dos empreendimentos e promoção de ações de relacionamento com os clientes.
Os shoppings Bourbon serão decorados com as temáticas Fábrica de Brinquedos e Reino do Papai Noel, utilizando cenários tecnológicos, projeções digitais e jogos interativos. A rede sorteará 260 cartões carregados com R$ 5 mil cada para compras em suas lojas. Já o Moinhos Shopping inova em sua decoração deste ano com um Natal Tropical inspirado em elementos da natureza, e sorteia dois prêmios de R$ 100 mil cada, também para serem utilizados nas operações do empreendimento. Somente para os prêmios entregues nas promoções de relacionamento com os clientes será investido R$ 1,5 milhão.
Todas as decorações serão apresentadas ao público no dia 18 de novembro, enquanto as promoções começam no dia 02 de dezembro. Participam Moinhos Shopping; Bourbon Wallig, Ipiranga, Country e Assis Brasil, em Porto Alegre; shoppings Bourbon localizados em São Leopoldo, Novo Hamburgo e Caxias do Sul; além de Bourbon Canoas e Porto Alegre CenterLar, além do Bourbon São Paulo.

FRASE DO DIA

Governos tendem a não resolver os problemas, apenas reorganizá-los.

Ronald Reagan

MBL pede prisão preventiva de Lula e Dirceu ao MPF


folha.uol.com.br

MBL pede prisão preventiva de Lula e Dirceu ao MPF - 12/11/2019 - Mônica Bergamo - Folha

Requerimento aponta incitação ao crime, ao terrorismo e atentado à Lei de Segurança Nacional nos discursos após saída da prisão

Leia mais