quinta-feira, 10 de novembro de 2022

Crítica de Lula à reforma trabalhista repercute mal no meio empresarial

 Representantes da indústria e empresários defenderam a reforma e destacaram a importância de mantê-la

As críticas do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à reforma trabalhista repercutiram mal no meio empresarial. Lula afirmou que a legislação teria que ser rediscutida. Ele destacou que é a favor da modernização das leis trabalhistas, mas que o trabalhador não pode abrir mão de direitos.

O presidente não citou um ponto específico da reforma ou uma solução para o problema, mas a possibilidade de rediscutir o texto foi mal recebida. O presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), Fernando Valente Pimentel, por exemplo, destacou que a indústria defende a reforma de 2017.

Para Pimentel, o texto trouxe segurança jurídica e modernizou as leis trabalhistas, garantindo direitos constitucionais como salário mínimo, FGTS, e férias. "A reforma não pode ser boa para um lado e ruim para o outro. Ela preservou os direitos fundamentais e trouxe mais segurança jurídica ao mesmo tempo que se ajustou no âmbito das novas formas de trabalho, que vão continuar mudando", argumentou.

De acordo com o representante do setor têxtil, a reforma trabalhista é importante por conta das mudanças mundiais com as novas tecnologias, que geram novas necessidades e novos postos de trabalho que, antes, não existiam. Por outro lado, ele destacou a importância de avançar na proteção dos trabalhadores de aplicativos.

"É óbvio que temos que avançar na proteção daqueles que não tem a proteção e trabalham individualmente. Isso é um grande desafio para o Brasil e o mundo, e deve ser encarado por nós. O maior exemplo disso é o Ifood, o Uber. Temos que criar maneiras de dar a proteção social, trazendo a contribuição desses funcionários, diminuindo a vulnerabilidade de quem quer que seja no nosso país", destacou.

Retrocesso

Um dos empresários que repercutiu a fala do presidente eleito foi Fernando Homem de Mello, CEO da Vipex Transportes, empresa paulista do ramo de logística. Para ele, revogá-la, por exemplo, seria um retrocesso. "Manter a reforma é fundamental para a saúde do ambiente de negócios do país. Uma eventual revogação por parte do novo presidente eleito seria um retrocesso", disse.

Mello destacou que a reforma trouxe mudanças importantes para pequenas e médias empresas, como a normatização da contratação de profissionais autônomos. "É uma prática extremamente usual em empresas de logística e que trouxe a possibilidade do trabalho em regime de exclusividade e continuidade sem configurar uma relação de emprego", afirmou.

Mensagem errada

O jurista Washington Barbosa, mestre em direito, destacou que Lula passa uma mensagem errada ao fazer esse tipo de crítica em um momento em que o mercado "está esperando para ver como vai ser o posicionamento do governo, e está repercutindo esse tipo de falha".

Segundo Barbosa, a reforma teve pontos positivos e negativos, mas é importante destacar que a emenda constitucional valorizou a negociação coletiva, um pedido antigo dos movimentos sindicais. "Esse aspecto, especificamente, deveria ser elogiado. E o que se deve fazer no futuro, e agora, é fortalecer esses movimentos no sentido que possam oferecer negociações mais vantajosas", explicou.

Para o jurista, a fala também assusta empregadores dando a impressão de insegurança jurídica. "O efeito direto é reduzir os planejamentos, os planos de investimento para 2023 e, até, se há contratações esperadas, deixar de fazê-las ou desfazer contratos com base na reforma, com medo de que isso seja alterado proximamente", detalhou.


R7 e Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário