terça-feira, 24 de agosto de 2021

Menos de 9% das mulheres conseguem receber auxílio emergencial gaúcho

 Projeção inicial era de atender 8,1 mil chefes de família, mas, na prática, ajuda não atingiu 700


Sancionado em abril deste ano, o auxílio emergencial gaúcho beneficiou até agora 695 mulheres chefes de famílias em situação de vulnerabilidade, das 1.122 aptas pelo cadastramento. Porém, na proposta original, o Executivo estimava beneficiar 8.161 mulheres. Assim, efetivamente menos de 9% do público alvo total foram contemplados. O dado foi citado nesta segunda-feira pela coordenadora do departamento de Assistência Social da Secretaria da Igualdade, Cidadania, Direitos Humanos e Assistência Social, Ana Duarte, durante audiência pública da Comissão de Economia da Assembleia. 

Ao grupo, ela defendeu a readaptação da lei para enfrentar as dificuldades burocráticas para o cumprimento do dispositivo legal. A informação associada ao fato de que outros grupos que também seriam beneficiados enfrentam dificuldades para o cadastramento, gerou críticas por parte dos deputados. 

O presidente da comissão, Zé Nunes (PT), considerou o resultado do programa uma tragédia e cobrou mais transparência na apresentação dos dados no cumprimento da lei. Colega de bancada, Valdeci Oliveira afirmou que em maio fez um pedido de informações para o governo, solicitando a quantidade de famílias e empresas beneficiadas, sem receber nenhum retorno até agora. 

O deputado Elton Weber (PSB) propôs uma audiência com a secretária Regina Becker para resolver os problemas burocráticos e de adequação da norma legal. O deputado Faisal Karam (PSDB), partido do governador Eduardo Leite, questionou as razões que levaram o projeto a não atingir as metas. Um dos encaminhamentos da comissão foi o pedido de esclarecimentos por parte do Executivo. 

A bancada do Novo também havia solicitado dados do programa. Segundo Giuseppe Riesgo, a aceitação foi baixa, pois o desenho do programa foi inadequado. “O governo definiu um público alvo adequado, mas impôs tantas restrições de acesso ao benefício que a operacionalização do programa ficou inviável”, pontuou o deputado.


Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário