sexta-feira, 12 de agosto de 2022

INIMIGOS CELESTIAIS - 12.08.22

 Por Alex Pipkin


 


    O maior feudo de todos da elite podre tupiniquim, o poder Judiciário, sistematicamente, tem demonstrado a sua farsa e sua conspiração humanista, em defesa da “democracia e do Estado de Direito”, entre outras causas progressistas.


    O poder Judiciário, na figura de seu órgão supremo, por meio de sua ditadura da toga e de iniciativas contra as liberdades individuais, em especial, as liberdades de expressão e de pensamento, deseja criar, na narrativa e nos discursos, um mundo mais igualitário e justo para os brasileiros, mas (tá na moda!) continuar vivendo num olimpo exclusivo e diferenciado, muito distinto daquilo que proclama para os reles mortais.


    Os semideuses togados do STF, aprovaram por unanimidade aumento de 18% a eles próprios e aos servidores.


    Já não bastasse vinhos finos premiados e lagostas, desejam mais e mais, e mais penduricalhos e outras benesses.


    Que país é esse? Num ato de pura insensibilidade, querem um aumento de 18% em seus rendimentos nababescos, totalizando R$ 46,3 mil. A pergunta que não quer calar é, quem ganha um aumento de 18% na esfera privada?


    Na verdade, esse aumento irá produzir um efeito cascata absurdo, com reajustes generalizados. Importante frisar que o salário mínimo no país é pouco mais de R$ 1.200.


    Esses ministros da capa preta, que não saem da bolha dourada, bondosamente, foram grandes incentivadores e avalistas dos lockdowns implementados por governadores e prefeitos, e que destruíram as economias, os empregos e quebraram milhares de empresas e de negócios.


    Não importa, eles estavam no isolamento de suas casas, regados a vinhos e lagostas, na cidade, no campo ou nas praias.


    Para o povaréu o desemprego e a fome, para eles a fartura econômica. Da boca para fora são celestiais!


    A crise, que crise? Mesmo que os criadores de riqueza, as pessoas e as empresas estejam em mercados problemáticos, e são esses que por meio do empreendedorismo e da inovação geram desenvolvimento econômico, os agentes estatais não querem nem saber; “eu quero o meu!”.


    A turma oligárquica de cleptomaníacos quer que o pobre se exploda, desejam um “novo mundo humanista” constituído de escravos, sem direito a pensar e dizer, e por vezes, sem poder trabalhar, porém, que carregue nas costas, e pare alguns momentos para encher as taças desses com vinhos premiados, trabalhando diuturnamente para sustentar essa elite escravagista. Nos nobres discursos, a narrativa é de defesa dos interesses das mulheres, dos negros e dos LGBTQIA+, o papel aceita tudo!


    Legislam com primaz ativismo, expandido conceitos e definições para estigmatizar e condenar todos aqueles que se opõem às suas narrativas.


    Da boca para fora, não são somente ferrenhos defensores do ativismo “woke”; do alto dos ares-condicionados de seus prédios e de seus gabinetes palacianos, proclamam o estrangulamento "ambientalista" do setor de energia, mesmo que em terras-verdes amarelas inexista infraestrutura e recursos, e ainda que muitas empresas pagadoras de impostos fechem às portas.


    Neste lindo e nobre novo mundo da enfatizada democracia e do Estado de Direito, o objetivo real é o aumento da classe de escravos nacionais e, é claro, essa classe de togados, enquanto quer a servidão popular, deseja incrementar o seu paraíso celestial em terra firme. Simples.


Pontocritico.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário