sábado, 3 de outubro de 2020

Facebook acusa filme "O Dilema das Redes" de sensacionalismo

Documentário mostra o perigo do uso das redes sociais e os impactos das plataformas na sociedade

Facebook listou sete erros do documentário e se defendeu de cada um deles

O documentário O Dilema das Redes, da Netflix, vem repercutindo bastante nas últimas semanas, mostrando o perigo do uso das redes sociais e os impactos das plataformas na sociedade. Frente à discussão, o Facebook resolveu se posicionar: em resposta ao filme, a rede social publicou em seu site nesta sexta-feira uma carta em que acusa o filme de ser sensacionalista e oferecer "uma visão distorcida de como as redes sociais funcionam".
Na publicação, o Facebook lista sete erros do documentário - e se defende de cada um deles. Entre as questões mencionadas, a empresa diz que não criou seus produtos para serem viciantes, e sim para criar valor, e também afirma que seus algoritmos não são "maus" e que eles funcionam para a plataforma continuar relevante e útil.
Além disso, o Facebook diz que fez mudanças na empresa para proteger mais efetivamente a privacidade das pessoas. A rede social também pontua que tem investido para garantir a integridade de eleições e para combater desinformação e conteúdos nocivos na plataforma. "Reconhecemos que cometemos erros em 2016. No entanto, o filme não considera o que temos feito desde então para construir fortes defesas a fim de impedir as pessoas de usarem o Facebook para interferir em eleições", diz a empresa.

Na carta, o Facebook inclui também críticas à construção do documentário. "Os criadores do filme não reconhecem - criticamente ou não - os esforços já realizados pelas empresas para resolver muitas das questões levantadas. Em vez disso, eles apresentam comentários de quem não está do lado de dentro há muitos anos", afirma.
O documentário O Dilema das Redes detalha como as redes sociais usam algoritmos para fazer com que os usuários permaneçam na plataforma e mostra como empresas de tecnologia influenciam eleições e afetam índices de depressão e suicídio. Alguns usuários chegaram a excluir contas nas redes sociais depois de assistir ao filme.

Agência Estado e Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário