quarta-feira, 2 de novembro de 2022

Brasil pode reduzir até 36% de emissões de metano até 2030

 Universo Pecuária trouxe Fórum sobre sustentabilidade


O Brasil tem capacidade para reduzir em 36% suas emissões de metano até 2030, em relação aos níveis de 2020. Isso é o que mostrou estudo do Observatório do Clima apresentado pela gerente executiva do Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável (GTPS), Luiza Bruscato, em sua palestra no Fórum da Pecuária Sustentável, evento que abriu a feira de negócios Universo Pecuária, que começou nesta terça-feira em Lavras do Sul e continua até domingo. Autoridades também estiveram presentes na abertura, entre elas o secretário da Agricultura, Domingos Velho Lopes, e a secretária do Meio Ambiente, Marjorie Kaufmann.

Para reduzir as emissões de metano e tornar a pecuária mais sustentável, Bruscato indica que a principal ação é a recuperação de pastagens degradadas, além do aumento da produtividade com a diminuição da idade de abate, melhora nas taxas de digestibilidade do animal com melhoramento genético dos capins e dos animais e investimento em sistemas integrados. Entre as tendências mencionadas em sua palestra estão a preocupação com as mudanças climáticas, o uso de bioinsumos, a rastreabilidade do animal e a integração lavoura-pecuária. “Já temos uma das produções mais sustentáveis do mundo, que a gente ainda não consegue mensurar”, destaca a gerente. Assim, para ela, o principal desafio é quantificar essa contribuição e mostrar isso para o mundo.

“Fazer com que a informação chegue a todos os produtores é o primeiro desafio, o segundo é que eles consigam implementar essas novas tecnologias de digitalização do campo”, ressalta a gerente executiva. Segundo ela, aplicando tecnologias e práticas sustentáveis o produtor pode ter um aumento de produtividade. “Ele vai gastar num primeiro momento mas vai receber todo o seu investimento de volta”, diz Bruscato. Ela afirma, ainda, que o Universo Pecuária oferece uma oportunidade de mostrar que a sustentabilidade já acontece há muito tempo, especialmente no Rio Grande do Sul, e de fazer com que o produtor entenda o valor disso.

O GTPS existe há 15 anos e está mudando seu nome para Mesa Brasileira Sustentável. Entre as suas contribuições está um guia de indicadores da pecuária sustentável, que, segundo Bruscato, oferece ao produtor una fotografia do nível de sustentabilidade de sua propriedade. Os integrantes do grupo pretendem fazer com que esse guia se transforme num protocolo de referência para práticas sustentáveis.


Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário