quinta-feira, 11 de agosto de 2022

Taiwan organiza novas manobras militares após ameaças da China

 Projéteis e sinalizadores foram disparados como parte de um treinamento de defesa



O exército de Taiwan executou nesta quinta-feira novas manobras com munição real depois que a China, que prossegue com as ameaças de tomar o controle da ilha, encerrou seus maiores exercícios ao redor do território. Lou Woei-jye, porta-voz do Oitavo Corpo do Exército de Taiwan, disse que suas forças dispararam projéteis e sinalizadores como parte de um treinamento de defesa na manhã de quinta-feira.

O exercício, na área mais ao sul da ilha, Pingtung, teve duração de uma hora. Na terça-feira, uma ação similar aconteceu no mesmo local. A China reagiu com grande irritação à viagem a Taiwan da presidente da Câmara de Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, a principal autoridade americana a visitar a ilha de governo autônomo em décadas.

O exército chinês respondeu com vários dias de exercícios marítimos e aéreos ao redor de Taiwan, o que deixou a tensão em seu nível mais elevado em anos. Taiwan acusou a China de usar a visita de Pelosi como pretexto para treinar uma possível invasão da ilha. O exército da ilha minimizou a importância de suas manobras e afirmou que os exercícios estavam programados há muito tempo, antes dos organizados pela China. "Temos dois objetivos com as manobras: o primeiro é certificar as condições adequadas de artilharia e sua manutenção. O segundo é confirmar os resultados do ano passado", disse Lou.

Preparativos de guerra

O exercício desta quinta-feira aconteceu depois que a China anunciou o fim de suas manobras, com a afirmação de que as forças do país "concluíram com êxito várias tarefas" no Estreito de Taiwan. No mesmo anúncio, a China disse que "continuará com o treinamento militar e os se preparando para a guerra".

Em um livro branco publicado na quarta-feira pelo Escritório de Assuntos de Taiwan do Conselho de Estado chinês, os autores afirmam que Pequim "não renunciará ao uso da força" e se reserva "a opção de tomar todas as medidas necessárias". "Estamos preparados para criar um vasto espaço para a reunificação pacífica, mas não deixaremos espaço para atividades separatistas de nenhuma forma", destaca o documento.

A edição anterior do livro branco sobre Taiwan foi publicada pela China no ano 2000. O ministério taiwanês das Relações Exteriores se pronunciou nesta quinta-feira contra o modelo "um país, dois sistemas" que Pequim propõe para a ilha. "Todo pronunciamento chinês vai absolutamente contra o status quo (entre China e Taiwan) e sua realidade", declarou a porta-voz do ministério, Joanne Ou. "A China utiliza a visita de (...) Nancy Pelosi como desculpa para destruir o status quo e aproveita a oportunidade para gerar problemas, tentando criar um nova normal para intimidar o povo taiwanês", acrescentou.

Ao mesmo tempo, o Escritório de Assuntos Taiwaneses do Partido Comunista de China afirmou nesta quinta-feira em um comunicado que as "ações rebeldes (de Taipé) são um tapa na cara e não podem deter a tendência histórica de reunificação" com a China continental. Em Washington, Nancy Pelosi defendeu na quarta-feira sua visita ao afirmar que está "muito orgulhosa" de sua delegação e que a China utilizou sua presença como "pretexto" para iniciar os exercícios militares. "Não permitiremos que a China isole Taiwan", declarou Pelosi.

Taiwan organiza com frequência exercícios militares nos quais simula a defesa contra uma invasão chinesa e, em julho, treinou repelir um ataque marítimo em uma "operação conjunta de interceptação". Depois que os militares chineses anunciaram o fim de suas manobras, o exército taiwanês afirmou que "ajustaria como deslocamos nossas forças (...) sem baixar a guarda".

Desde a década de 1990, a ilha passou de uma autocracia para uma democracia vibrante e desenvolveu uma identidade taiwanesa particular. As relações entre as duas partes pioraram desde 2016, quando chegou ao poder a atual presidente Tsai Ing-wen, cujo Partido Progressista Democrático não considera Taiwan como parte da China.

AFP e Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário