terça-feira, 27 de outubro de 2020

Furacão Zeta está a poucas horas de tocar o solo no Caribe mexicano

 Ventos podem ser de até 130km/h

O furacão Zeta, de categoria 1, estava, na noite desta segunda-feira (26), a poucas horas de tocar o solo no Caribe mexicano, gerando risco de tempestades perigosas e ondas elevadas em toda a península de Yucatán, atingida dias atrás pelo ciclone Delta.

O Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC) informou em um boletim atualizado que Zeta está a 70 km sul-sudeste da ilha mexicana de Cozumel e se deslocava na direção noroeste a 19 km/h, com ventos máximos sustentados de 130 km/h.

"Espera-se que Zeta toque o solo em algumas horas, com condições de furacão, e uma maré de tempestade [inundações] perigosa", informou o NHC em seu boletim das 21h de Brasília.

O furacão deve entrar no território mexicano entre as localidades de Akumal e Tulum, perto do parque Xel-Ha, detalhou o governador de Quintana Roo, Carlos Joaquín.

Embora as chuvas e os ventos mais fortes vão atingir a região centro-norte do estado, o impacto se estenderia por toda a região. "Terá um impacto em praticamente todo o estado", acrescentou Joaquín em vídeo postado nas redes sociais do governo.

A autoridade mexicana da água, Conagua, estima que nesta segunda as precipitações na região variem entre 150 e 250 mm, e os ventos, entre 120 e 150 km/h, com ondas entre 4 e 7 metros de altura.

O instituto prevê que a tempestade vá perder força à medida que avançar sobre a Península de Yucatán - onde se situam os populares balneários de Cancún, Riviera Maya e Tulum - esta noite e a manhã de terça-feira.

Mas posteriormente, ganhará força à medida que se deslocar sobre as águas do Golfo do México.

O estado de Quintana Roo, onde estão os balneários do Caribe mexicano, declarou alerta laranja e ordenou a suspensão das atividades de trabalho. Além disso, as autoridades pediram aos moradores e turistas que se refugiem em casa ou em seus hotéis. O transporte marítimo de carga e de passageiros foi suspenso no norte do estado.

O governo também habilitou vários abrigos para quem não se sentir seguro em casa.

"Melhor prevenir"

Em Cancún, alguns banhistas desfrutavam das últimas horas de praia antes da chegada da tempestade.

Mayra Sánchez, estudante espanhola de 26 anos, disse estar despreocupada com o Zeta, ao afirmar que conhecidos seus lhe disseram que não ganharia força.

"Amigos meus me disseram que não é preciso se preocupar, temos que aproveitar cada instante deste lugar maravilhoso, embora não possamos entrar no mar", disse à AFP.

No centro da cidade, no entanto, os moradores compravam provisões, além de madeira e fita isolante para proteger as janelas. Nos postos de gasolina, carros faziam fila para abastecer.

"A gente se previne com o que dizem. É melhor prevenir porque daquela vez com o [furacão de categoria 5] Wilma, sofremos muito sem água, sem luz, sem ter o que comer", contou Lucía Castro, mexicana residente há 19 anos em Cancún, lembrando do furacão que castigou o balneário em 2005.

Na madrugada de 7 de outubro, o furacão Delta tocou o solo perto de Cancún com categoria 2 (de 5) da escala Saffir-Simpson, sem deixar vítimas, apenas danos materiais.

A passagem de furacões e tempestades representa um novo golpe para estes balneários, que viram cair dramaticamente a chegada de visitantes pela pandemia de covid-19. O turismo representa mais de 8% do PIB do México.

A temporada de furacões 2020 no Atlântico registra recorde de atividade, visto que Zeta já é a 28ª tempestade. Esgotados os nomes previstos para estes fenômenos, os meteorologistas começaram a identificá-los com letras do alfabeto grego.



AFP e Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário