terça-feira, 19 de maio de 2020

China acusa Trump de "fugir de suas obrigações" na OMS

Presidente dos EUA ameaçou congelar o financiamento para essa agência da ONU por tempo indeterminado

Trump ameaçou cortar financiamento para OMS por tempo indeterminado

Trump ameaçou cortar financiamento para OMS por tempo indeterminado | Foto: AFP / CP

PUBLICIDADE

O governo chinês acusou o presidente Donald Trump nesta terça-feira (19) de usar a China para "fugir de suas obrigações" para com a Organização Mundial da Saúde (OMS), depois que o presidente ameaçou congelar o financiamento para essa agência da ONU por tempo indeterminado.

Trump disse ainda que vai retirar os Estados Unidos da OMS, se a organização não demonstrar sua independência em relação a Pequim.

O porta-voz do Ministério chinês das Relações Exteriores, Zhao Lijian, acusou Washington de querer "difamar a China" e "fugir de suas obrigações internacionais" para com a organização. "A carta aberta do líder americano (...) está cheia de insinuações, de "provavelmente" e "talvez", e tenta usar métodos enganosos para enganar o público, e alcançar os objetivos de desacreditar os esforços antivírus da China e fugir à responsabilidade pela resposta insuficiente dos EUA", disse Zhao.

"Os Estados Unidos tentam usar a China como tema para fugir da responsabilidade e negociar suas obrigações internacionais com a OMS. É um erro de cálculo, e os Estados Unidos escolheram o alvo errado", afirmou.

Trump acusa a China, onde o vírus surgiu no final de dezembro, de ter omitido o alcance da pandemia. Além da devastação econômica, a crise deixou cerca de 317 mil mortos em todo mundo e infectou mais de 4,8 milhões.

Os Estados Unidos somam 1,5 milhão de infectados e mais de 90 mil mortos. Se a OMS "não se comprometer a fazer melhoras substanciais nos próximos 30 dias, tornarei meu congelamento temporário dos fundos dos EUA (...) permanente e vou reconsiderar nossa participação na organização", escreveu Trump em uma carta endereçada ao diretor-geral da agência da ONU, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

"Está claro que os reiterados passos em falso seus e de sua organização para responder à pandemia têm sido extremamente custosos para o mundo. A única forma de avançar, para a Organização Mundial da Saúde, é se ela puder realmente demonstrar independência da China", acrescentou. Horas antes, o presidente dos EUA já havia acusado a OMS de ser "um fantoche da China".



AFP e Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário