domingo, 11 de agosto de 2019

Manifestantes pró-democracia mantêm pressão e mobilização em Hong Kong

Mobilizações contra projeto de lei de extradição completaram dois meses nessa sexta

Ativistas pediam

Ativistas pediam "salvem Hong Kong da tirania" em frente à delegacia | Foto: Anthony Wallace / AFP / CP

PUBLICIDADE

Ativistas pró-democracia de Hong Kong mantiveram a pressão neste sábado, com uma marcha não autorizada, enquanto os protestos no aeroporto internacional continuaram a alertar os visitantes sobre o objetivo do movimento que entra em seu seu terceiro mês.

Centenas de manifestantes, que levaram seus filhos, se reuniram na tarde de sábado, hora local, no distrito de Tai Po dos Novos Territórios (norte) para uma marcha não autorizada. Muitos deles vestidos de preto e usando máscaras ou máscaras de gás pediam "salvem Hong Kong da tirania" em frente a uma delegacia protegida pela polícia usando equipamento antidistúrbios.

Na véspera, chefe de governo de Hong Kong, Carrie Lam, advertiu que as manifestações pró-democracia dos últimos dois meses estão provocando uma tormenta econômica na cidade, mas descartou concessões aos ativistas. "No que se refere a uma solução política, não acho que tenhamos que fazer concessões para silenciar os manifestantes violentos", declarou Carrie em uma entrevista coletiva convocada após se reunir com líderes empresariais.

Na sexta, completaram-se dois meses do início das mobilizações, deflagradas por um grande protesto contra um projeto de lei de extradição. A pauta do movimento acabou se ampliando e passou a incluir demandas por mais justiça e democracia.

Hong Kong vive sua maior crise política desde que foi devolvida por Londres à China, em 1997. As manifestações quase diárias causam cada vez mais confrontos entre grupos radicais e a polícia.

O polêmico projeto de lei foi suspenso, mas os manifestantes continuam reivindicando sua retirada definitiva. Também pedem a renúncia de Lam e a designação de um sucessor por meio do sufrágio universal, em vez de nomeações feitas por Pequim. Além disso, exigem uma investigação sobre a violência policial e sobre abusos da Justiça, diante das centenas de detenções das últimas semanas.


AFP e Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário