sexta-feira, 9 de agosto de 2019

MAIS CIDADE, MENOS VIOLÊNCIA!

(Sergio Magalhães, urbanista – O Globo, 03) Uma das mais impressionantes realizações do povo brasileiro é a produção de moradia urbana. Se o crescimento demográfico do país foi gigantesco, o crescimento do número de moradias foi ainda maior.
A partir de meados do século XX, o Brasil multiplicou sua população urbana em 15 vezes, único no mundo segundo importantes estudiosos. Já o número de moradias multiplicou-se 30 vezes. Mas, dos 70 milhões de unidades, quatro quintos foram produzidos sem financiamento.
Sem financiamento, o povo constrói suas casas com muito sacrifício e parcos recursos. (Você já imaginou o que implica erguer a casa sem financiamento, sem herança e sem acertar na loteria?) Por óbvio, a família não pode produzir as infraestruturas sanitárias, elétricas, de mobilidade e os serviços públicos, ação que é própria do coletivo e dos governos — que tampouco os produziram. Logo, em grandes parcelas urbanas, tem-se moradia, mas não se tem cidade.
Ainda assim, consolidou-se no país um extraordinário sistema urbano onde se incluem 20 metrópoles e duas megacidades.
Porém, ainda que a população não venha a crescer, como se prevê, o Brasil construirá mais 40 milhões de moradias nesta geração. Na regularidade, se houver financiamento; na precariedade se ele não existir.
É neste contexto que manter recursos do FGTS dedicados à moradia, como anunciou o governo, é muito importante. O Fundo é fonte essencial de financiamento — ainda que não deva ser o único. Mas como? Insistindo na construção de conjuntos residenciais do tipo Minha Casa Minha Vida (MCMV)? Insistindo em modelo falido desde os tempos do BNH? É hora de rever este caminho.
Nos últimos dez anos, em que foi priorizada a construção de moradias via grandes conjuntos residenciais, tipo MCMV, o déficit habitacional se manteve, e as famílias continuaram construindo somente às suas custas. Porque pouco se investiu em urbanização, bairros populares continuam sem infraestrutura e sem serviço —e sem Estado.
Como habitação é casa + cidade, uma política habitacional que reconheça a realidade brasileira precisa contemplar um tripé programático:
1) produzir moradias;
2) urbanizar as áreas onde o povo construiu e não tem redes e serviços;
3) melhorar as moradias existentes, tirando-as da insalubridade e da precariedade.
A urbanização é tarefa em que o país já teve boa experiência. Os resultados são imediatos em saúde pública, em qualidade de vida e em redução da violência.
Já o crédito para a família melhorar a casa e deixar a insalubridade exige um choque na burocracia financeira. Mas temos bons exemplos com excelentes resultados e lei que dá base para um trabalho conjunto de assistência técnica.
Estas duas últimas modalidades que compõem o tripé são enorme estímulo à indústria de materiais de construção e à mão de obra, reduzindo o desemprego.
Ademais, se as famílias dispuserem de crédito fácil e barato, como as empreiteiras dos grandes conjuntos residenciais do MCMV dispuseram, imaginem!, poderão construir ou comprar moradia na regularidade, onde lhes for mais conveniente. Teremos cidades mais equilibradas, investimentos distribuídos — mais emprego, desenvolvimento econômico e social. Urbanizar bairros populares e financiar a moradia é mais cidade, mais Estado, menos violência.


Ex-Blog do Cesar Maia


Com alta nas contas de luz, inflação de julho é de 0,19%
IPCA divulgado pelo IBGE nesta quinta (8) mostra variação de 2,42% em 2019 Julho ...
Leia mais

Governo federal estuda corrigir faixa de isenção do Imposto de Renda pela inflação
Medida seria uma recompensa ao fim das deduções de gastos com saúde e educação   Rio - O governo ...
Leia mais

Concessionária deve substituir veículo que vendeu com defeito e pagar indenização para cliente
Uma consumidora que comprou veículo com defeito conseguiu na Justiça o direito de receber novo carro. Além disso, será indenizada em R$ 10 mil por danos ...
Leia mais

BC diz que governo prepara medidas para redução de spread bancário
Presidente do BC citou dados do Banco Mundial sobre as dificuldades de recuperação de crédito no Brasil em relação a outros países O ...
Leia mais

Plano de saúde deve custear fertilização in vitro para tratamento de criança com doença genética
A 6ª Turma Cível do TJDFT confirmou sentença da 2ª Vara Cível de Samambaia, que condenou plano de saúde a custear procedimento de fertilização ...
Leia mais

Falha no WhatsApp pode permitir que hackers alterem mensagens
O problema de segurança foi identificado pela empresa de Check Point; o WhatsApp nega a existência da vulnerabilidade   A ...
Leia mais

Uber anuncia prejuízo de US$ 5,2 bilhões e seu ritmo mais baixo de crescimento
Maioria dessa perda está relacionada a remuneração em ações paga pela Uber a seus empregados depois da oferta pública inicial A ...
Leia mais

Nenhum comentário:

Postar um comentário