terça-feira, 13 de setembro de 2022

Rosa Weber toma posse como nova presidente do STF

 Ela fica no cargo até 2 de outubro do ano que vem, quando se aposenta compulsoriamente por atingir 75 anos de idade


ministra Rosa Weber tomou posse como presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) na tarde desta segunda-feira (12). A magistrada assume o comando da corte pelos próximos 13 meses. Ela deveria ficar dois anos na gestão. No entanto, terá de deixar o posto em razão da idade. A ministra completa 75 anos em 2 de outubro de 2023, idade máxima para ocupar uma das cadeiras do tribunal.

A cerimônia de posse começou às 17 horas e contou com a presença de autoridades dos três poderes, entre elas o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, e da Câmara, Arthur Lira. O presidente Jair Bolsonaro (PL) foi convidado, mas decidiu não comparecer.

Os convites foram enviados pela internet ou correspondência. A ministra optou por não entregar pessoalmente para os convidados. O procurador-geral da República, Augusto Aras e a vice, Lindôra Araújo, compareceram à cerimônia. O corregedor-geral da Justiça Eleitoral, ministro Benedito Gonçalves, também esteve no local.

Alguns ministros do Executivo estiveram presentes, assim como o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB). Primeira mulher a assumir a presidência da Corte, a ministra aposentada Ellen Gracie também participou da cerimônia.

Confira sete curiosidades sobre a ministra Rosa Weber:

1 — Rosa Maria Pires Weber é nascida em Porto Alegre. Torcedora do Sport Club Internacional, ela tem 73 anos e nasceu em 2 de outubro de 1948.

2 — É filha do médico José Júlio Martins Weber e da pecuarista Zilah Bastos Pires. Foi casada com o procurador aposentado do estado do Rio Grande do Sul Telmo Candiota da Rosa Filho, com quem tem dois filhos.

3 — Foi aprovada em primeiro lugar no vestibular para o curso de Ciências Jurídicas e Sociais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGRS) em 1967. É fluente em francês. Concluiu o curso superior como primeira aluna da turma e foi laureada na formatura.

4 — Seu primeiro emprego foi como auxiliar de Protocolo da Inspetoria Seccional do Ministério da Educação em Porto Alegre, em 1968. Depois, ela foi assistente superior da Secretaria da Administração do Estado do Rio Grande do Sul (1974 e 1975) e inspetora da Delegacia Regional do Trabalho do Estado do Rio Grande do Sul (1975 e 1976). Rosa entrou para a magistratura em 1976, como juíza do trabalho substituta. Ela passou no concurso para o Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-4), com sede em Porto Alegre.

5 — Tornou-se ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) depois de ser indicada pela presidente Dilma Rousseff e ter o nome aprovado em sabatina no Senado por 57 votos favoráveis, 14 contrários e uma abstenção.

6 — Foi a primeira juíza do trabalho de carreira e a terceira mulher a ocupar o cargo de ministra do STF — depois de Ellen Gracie Northfleet e Cármen Lúcia Antunes Rocha, ambas também ex-presidentes da Corte.

7 — Foi presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de 2018 a 2020. Comandou as últimas eleições gerais brasileiras.


R7 e Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário