terça-feira, 10 de novembro de 2020

Impugnação da chapa de Fortunati complica o mapa eleitoral em Porto Alegre

 Cabe recurso ainda ao Tribunal Superior Eleitoral


Mais um imbróglio jurídico entrou em cena na disputa em Porto Alegre pelo Paço Municipal. Por seis votos a zero, portanto, unanimidade, o Tribunal Regional Eleitoral indeferiu a candidatura de André Cecchini, vice na chapa de José Fortunati (PTB). Ainda cabe recurso ao Tribunal Superior Eleitoral, mas, no caso de manutenção do cenário, a chapa será impugnada. O entendimento é o de que Cecchini não tem o tempo de filiação obrigatório estabelecido pela Justiça Eleitoral.

Mesmo com a possibilidade de recurso, uma situação com este conteúdo, há poucos dias do primeiro turno da eleição, se impõe como um desafio à candidatura. Com Manuela D'Ávila (PCdoB) liderando as pesquisas de intenções de voto, Fortunati, Nelson Marchezan Júnior (PSDB) e Sebastião Melo (MDB), que aparecem tecnicamente empatados, brigam, voto a voto, para garantir lugar na segunda etapa da disputa. As estratégias de campanha, inclusive, estão sendo alteradas nesta reta final, visando garantir a vaga para a próxima e última fase. 

À coluna, na noite desta segunda-feira, Fortunati afirmou que o jurídico da coligação “está vendo as alternativas de recursos e aguardando o acórdão para entender o voto do relator, pois tínhamos o registro garantido em 1ª instância”. Ele afirmou que uma decisão deve ser tomada nos próximos dias, mas reconheceu, que, no momento, nada pode ser descartado, nem mesmo o eventual recuo da candidatura.

Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário