quinta-feira, 19 de novembro de 2020

COI diz que ajudará a distribuir vacina a atletas de países com menor acesso

 Jogos Olímpicos de Tóquio-2020 foram adiados para 2021 por conta da pandemia


O Comitê Olímpico Internacional (COI) afirmou nesta quarta-feira que planeja apoiar a distribuição da futura vacina contra a Covid-19 em atletas de países que tenham menor acesso ao medicamento, assim que ele estiver disponível, para fazer com que os Jogos Olímpicos de Tóquio-2020, adiados para 2021 por causa da pandemia do novo coronavírus, "sejam seguros para todos".

A ideia da entidade foi revelada pelo australiano John Coates, membro do COI que preside a Comissão de Coordenação dos Jogos de Tóquio, durante uma reunião realizada na capital do Japão com representantes do Comitê Organizador Local.

"Se a vacina virar uma realidade, o COI criará um sistema para apoiar os países que tenham menor acesso (ao medicamento). O objetivo é fazer com que a vacina seja acessível para o maior número de atletas possível. Queremos fazer os Jogos Olímpicos seguros para todo mundo", disse Coates ao final do encontro em Tóquio.

O Comitê Olímpico Internacional (COI) afirmou nesta quarta-feira que planeja apoiar a distribuição da futura vacina contra a Covid-19 em atletas de países que tenham menor acesso ao medicamento, assim que ele estiver disponível, para fazer com que os Jogos Olímpicos de Tóquio-2020, adiados para 2021 por causa da pandemia do novo coronavírus, "sejam seguros para todos".

A ideia da entidade foi revelada pelo australiano John Coates, membro do COI que preside a Comissão de Coordenação dos Jogos de Tóquio, durante uma reunião realizada na capital do Japão com representantes do Comitê Organizador Local.

"Se a vacina virar uma realidade, o COI criará um sistema para apoiar os países que tenham menor acesso (ao medicamento). O objetivo é fazer com que a vacina seja acessível para o maior número de atletas possível. Queremos fazer os Jogos Olímpicos seguros para todo mundo", disse Coates ao final do encontro em Tóquio.


Agência Estado e Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário