sábado, 12 de setembro de 2020

Confira as mudanças que o Piratini fará na Reforma Tributária

Governo do Estado formata 'emendão' para evitar derrota do pacote na Assembleia Legislativa

Governador Eduardo Leite, o líder do governo, Frederico Antunes, e o chefe da Casa Civil, Otomar Vivian (em vídeo), fazem as articulações sobre os projetos de reforma

O final de semana será decisivo para o desfecho da Reforma Tributária. Neste sábado, o governador Eduardo Leite (PSDB) realiza os dois últimos encontros regionais e presenciais, em Bagé e Pelotas. O domingo será dedicado à construção de “emendão” para evitar a necessidade de novo cumprimento da tramitação.
A Secretaria da Fazenda será a responsável pela construção do texto, que terá como base manifestações de deputados, respaldadas por entidades, como Fecomércio, Fiergs, Farsul, Fetag e Famurs. Um dos cuidados na elaboração das alternativas, que visa viabilizar os votos necessários à aprovação, é o de preservar ao máximo a compensação estimada para evitar o rombo de R$ 2,8 bilhões no Tesouro com o fim da majoração das alíquotas do ICMS, em dezembro.
Entre as alterações em análise, como adiantado há mais de uma semana pela coluna, estão a redução de itens da cesta básica que deixarão de ser isentos, retirando, por exemplo, leite, carne, ovos e hortifrutigranjeiros. Outro ponto em que deve haver recuo é o da forma proposta de cobrança do IPVA. Alíquotas progressivas podem substituir o aumento linear de 0,5% (a proposta do governo aumenta de 3% para 3,5%).
A idade dos veículos taxados também deve ser alterada. Segundo o projeto original do Executivo, apenas carros com mais de 40 anos deixariam de ser cobrados. Atualmente, são isentos os veículos a partir de 20 anos. A alternativa em estudo seria passar o prazo para 30 anos. No caso dos incentivos fiscais, seriam preservados os de insumos da produção primaria. O Simples gaúcho teria mantida a primeira faixa. 

Articulações

O governador Eduardo Leite, o chefe da Casa Civil, Otomar Vivian (por vídeo), e o líder do governo na Assembleia, Frederico Antunes (PP), estão traçando as articulações para aprovar a reforma tributária no Legislativo. Com as mudanças em mãos, a ideia é realizar uma nova leva de reuniões para a apresentação das mudanças a entidades e bancadas aliadas e oposição, se houver interesse.
A intenção é saber se as alterações são suficientes para resolver os problemas apontados. Até aqui, o aproveitamento da gestão Leite foi de 100% na Assembleia, com recuos e flexibilizações para viabilizar o índice. Os textos que integram a reforma, no entanto, serão o maior desafio do governo na Assembleia. 

Contrapartidas são exigidas

Além das modificações na reforma tributária, basicamente no projeto 184 (um dos três), que é o texto que engloba as questões polêmicas, as negociações do governo estão envolvendo outras contrapartidas, que passam por alterações também nos gastos da máquina pública. O Executivo está se comprometendo em enfrentar o tema da Reforma da Previdência dos militares, que ficou pendente em 2019, quando a dos civis foi aprovada.
As reivindicações passam ainda por estabelecimento de teto de gastos e da vinculação dos duodécimos dos demais poderes à receita real. Os dois temas já estão em discussão na Assembleia. No caso dos duodécimos, em estágio avançado. A PEC aguarda parecer na CCJ. 

Correio do Povo


Instabilidade permanece sobre o RS neste sábado


Justiça concede mais dez testemunhas para Marchezan em processo de impeachment


Grêmio anuncia contratação do lateral-esquerdo Diogo Barbosa


Bolsonaro pode bloquear usuários nas redes sociais, opina Aras


Fux divulga pauta de julgamentos do STF para últimos meses de 2020


Oito partidos realizam convenções neste sábado em Porto Alegre


PGR afirma que investigação contra Serra não tem relação com mandato


Volskwagen pretende cortar 5 mil postos de trabalho e oferece PDV



EUA e Israel ficam isolados na ONU durante votação sobre Covid-19


Congresso peruano inicia impeachment do presidente Vizcarra




Nenhum comentário:

Postar um comentário