terça-feira, 8 de outubro de 2019

PAX LUSITANA!

(Mathias Alencastro - Folha de S.Paulo, 06) Teve de tudo nas eleições portuguesas: a passagem de um furacão pelos Açores, a morte de Diogo Freitas do Amaral, um dos fundadores do regime democrático, uma acusação grave contra um ex-ministro da Defesa, e uma tentativa de agressão da candidata de direita Assunção Cristas.
E, apesar disso, se comparada à brasileira, a campanha pareceu um passeio no parque numa tarde de domingo.
A Pax Lusitana, ou a resiliência da coesão social, do respeito às instituições, e das formações sociais-democratas em Portugal no contexto de uma Europa em estado de implosão iminente, é objeto de fascínio.
Explicações para esse fenômeno vão da coesão territorial —Portugal possui as mesmas fronteiras europeias desde 1297— à estabilidade social —a integração dos imigrantes dos países de língua portuguesa é um caso de sucesso—, passando pela memória recente —o pesadelo fascista só terminou em 1974.
Talvez ainda mais importante, os portugueses continuam recorrendo aos meios tradicionais —televisão, rádio e jornais— como fonte de informação política. O papel irrelevante das redes sociais, e a consequente ausência de fake news, é, sem dúvida, um dado essencial para entender a qualidade da democracia portuguesa.
No entanto, os resultados da eleição deste domingo (6) apontam para uma pista inteiramente nova: o dinamismo da esquerda. Os eleitores plebiscitaram a geringonça, a coalizão inédita entre três formações da esquerda que governa o país desde 2015.
Juntas, elas conquistaram mais de 50% dos votos. A temida direita populista, representada pelo Chega!, de André Ventura, ficou abaixo dos 2%.
A campanha mostrou a espantosa versatilidade da geringonça. Os socialistas colocaram na linha da frente Mário Centeno, o ministro da Fazenda admirado pela União Europeia, que chegou a ser cogitado para diretor do FMI.
Notável gestor das contas públicas, Centeno é simplesmente o político mais popular entre os eleitores conservadores.
Espécie de PSOL local, o Bloco de Esquerda desempenha na perfeição o papel de rebelde anti-sistema, arregimentando os jovens das zonas periurbanas. Forte o suficiente para pautar o debate nacional, o Bloco ainda é fraco demais para a aderir à tese do sorpasso —segundo a qual os partidos tradicionais da centro-esquerda devem ser atropelados.
Idealizada pelo Podemos, essa doutrina aventureira tem comprometido a governabilidade na Espanha.
Inesperados campeões do pragmatismo, os comunistas, sempre aliados aos verdes, souberam manter o seu eleitorado cativo, que em outros países europeus forma o núcleo duro dos movimentos populistas.
Capazes de exaltar os revolucionários norte-coreanos de manhã e aprovar uma medida exigida pelos tecnocratas da União Europeia à tarde, eles também são conhecidos como excelentes administradores municipais nas regiões mais humildes do Centro-Sul.
Com os resultados deste domingo, a geringonça vai necessariamente evoluir. Próximos da maioria absoluta, os socialistas vão entrar no próximo Parlamento de salto alto.
Mais cedo ou mais tarde, o Bloco de Esquerda, nova terceira força política nacional, vai tentar voos mais altos e romper com o governo. Nada disso afetará a imagem de Portugal como uma terra tranquila e alegre, onde a esquerda é forte e o populismo não prospera.


Ex-Blog do Cesar Maia



Bancos não acompanham Selic e juros do empréstimo pessoal caem 0,3% em outubro, diz Procon

Taxa média para o produto caiu 0,02 ponto percentual no mês, para 6,19% ao mês. Números para o cheque especial não mudaram e taxa ficou em ...
Leia mais

Você quer aposentadoria do INSS pela regra antiga? Veja como conseguir o benefício
A Reforma da Previdência não pode retirar direitos conquistados antes da mudança na legislação Em sua última ...
Leia mais

Companhia aérea indenizará por descaso com passageiros idosos
Passageiros tinham mais de 80 anos de idade. A juíza Luciana Biagio Laquimia, da 17ª Vara Cível da Capital, condenou companhia aérea ...
Leia mais

STF anula cobrança automática de contribuições a sindicatos imposta em dissídio coletivo
Decisão tomada pelo ministro Ricardo Lewandowski vale para uma categoria e tem caráter liminar O ministro Ricardo Lewandowski, do STF (Supremo ...
Leia mais

Analfabetismo financeiro
De acordo com estudo, de cada três adultos brasileiros, dois são analfabetos financeiros Temos que tomar decisões financeiras o tempo ...
Leia mais

Supermercado é condenado a indenizar cliente atingido por placa de publicidade
O juiz substituto do 2º Juizado Especial Cível de Águas Claras condenou o supermercado Forte Comercial de Alimentos LTDA a indenizar um cliente que foi atingido ...
Leia mais

Comércio espera maior alta nas vendas do Dia das Crianças em 6 anos
Maior alta nas vendas deve vir em brinquedos e eletroeletrônicos; livrarias e papelarias devem ver queda de 4,1%, segundo dados da CNC.
Leia mais

CNJ lança plataforma integrada ao PJe para soluções dos conflitos de consumo
"A ideia é fazer com que o final de todo litígio não seja necessariamente uma sentença, mas uma solução. Significa substituir a cultura ...
Leia mais

Ataque de espionagem explora falha no Android que deveria ter sido eliminada há dois anos
Falha chegou a ser corrigida no código base do Android, mas correção foi 'esquecida' em certas versões do sistema operacional.
Leia mais

Consumidora que enfrentou calor do verão sem água em casa será indenizada na Capital
Uma moradora de Florianópolis, que sofreu com a falta injustificada do fornecimento de água durante a alta temporada será indenizada em R$ 5 mil pela companhia ...
Leia mais

Nenhum comentário:

Postar um comentário