terça-feira, 8 de outubro de 2019

Janot autografa livro e se recusa a falar sobre plano para matar Gilmar

Hoje só falo do livro', disse ao ser questionado na chegada da livraria na capital paulista

Por Estadão Conteúdo

BRASIL - Brasília - BSB - PA - 14/09/2017 - PA - O Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot particip da sessão plenária do Supremo Tribunal Federal (STF). Foto de Jorge William /Agência O Globo

Rodrigo Janot: o ex-procurador-geral da República (Jorge William/Agência O Globo)

O ex-procurador Geral da República Rodrigo Janot chegou com 20 minutos de atraso para o lançamento de seu livro “Nada Menos Que Tudo”. Cercado por seguranças, desceu de uma caminhonete preta com vidros escuros, se recusou a responder perguntas dos jornalistas que aguardavam desde ante das 18 horas.

O livro de Janot promete revelações sobre grandes nomes da política brasileira. Mas poucas pessoas se dirigiram à livraria, que tinha mais jornalistas que clientes, apesar da expectativa de uma movimentação grande. Nenhuma autoridade compareceu para a prestigiar aquele que um dia ficou famoso por ter criado a “Lista do Janot”, com mais de 100 políticos que, supostamente, receberam propinas de empreiteiras envolvidas na Lava Jato.

“Hoje só falo do livro”, disse ao ser questionado na chegada sobre o porquê de ter afirmado que esteve perto de matar o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes.

Em maio de 2017, quando chefiava Ministério Público Federal (MPF), Janot pediu o impedimento do ministro Gilmar Mendes na análise de um habeas corpus de Eike Batista sob o argumento de que a mulher do ministro, Guiomar Mendes, atuava no escritório Sérgio Bermudes, que advogava para o empresário.

Veja também

Ao se defender em ofício, Gilmar Mendes, à época presidente do STF, afirmou que a filha de Janot – Letícia Ladeira Monteiro de Barros – advogava para a empreiteira OAS em processo no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Segundo o ministro, a filha do ex-PGR poderia na época “ser credora por honorários advocatícios de pessoas jurídicas envolvidas na Lava Jato”.

“Foi logo depois que eu apresentei a sessão (…) de suspeição dele no caso do Eike. Aí ele inventou uma história que a minha filha advogava na parte penal para uma empresa da Lava Jato. Minha filha nunca advogou na área penal… e aí eu saí do sério”, afirmou o ex-procurador-geral em entrevista recente.

A revelação de Janot fez com que o ministro do STF Alexandre de Moraes determinasse, no dia 27 do mês passado, que ele não se aproximasse a menos de 200 metros de membros da Suprema Corte.

Ironicamente, nesta noite de segunda-feira, Janot e Gilmar Mendes ficaram separados por um tempo por uma distância de cerca de 6,3 quilômetros. Enquanto o ex-PGR autografa seus livros, o ministro dava entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura.


Estadão Conteúdo e Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário