terça-feira, 6 de setembro de 2022

Barroso marca julgamento do piso nacional da enfermagem para sexta-feira

 Tema será apreciado no plenário virtual da Corte e divide profissionais, empresas e o setor político



O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), marcou para a próxima sexta-feira (9) o início do julgamento sobre o piso nacional da enfermagem. Os demais integrantes do plenário vão avaliar se mantém ou não a decisão dele que suspendeu a lei que consolidou o piso salarial.

Em decisão tomada no domingo (4), o ministro atendeu ao pedido da Confederação Nacional de Saúde, Hospitais e Estabelecimentos e Serviços (CNSaúde), que questionou a constitucionalidade da lei 14.434/2022 e alega que há risco de demissões em massa, pois o setor privado não teria condições de arcar com os novos salários.

Além disso, a entidade aponta que poderia correr o risco do fechamento de leitos pelo país, por falta de profissionais e prejuízos às finanças dos municípios. Já o Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) afirma que o impacto econômico da lei do piso da categoria foi discutido com diversas entidades no Congresso e que um relatório sobre as fontes de custeio e detalhes sobre o planejamento para realizar os pagamentos sem gerar danos foi apresentado durante a tramitação da proposta.

O piso de R$ 4.750 para os enfermeiros, com 70% desse valor para os técnicos de enfermagem e 50% para os auxiliares de enfermagem e parteiras, foi aprovado pelo Congresso e sancionado no mês passado pelo presidente Jair Bolsonaro.

A liminar de Barroso irritou congressistas, inclusive o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD), que pediram que a votação do parlamento que aprovou a criação da lei do piso para a categoria seja respeitada.

O magistrado deu 60 dias para que entidades públicas e privadas que gerem hospitais e serviços de saúde se manifestem. Mas decidiu levar o tema ao plenário virtual antes disso.

R7 e Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário