quarta-feira, 11 de maio de 2022

No Brasil, quase 165 milhões de pessoas estão totalmente imunizadas contra a covid

 


Os dados do consórcio de veículos de imprensa desta terça-feira (10) mostram que quase 165 milhões (164.787.605) de brasileiros estão totalmente imunizados ao tomar a segunda dose ou a dose única de vacinas contra a covid, doença causada pelo coronavírus. Este número representa 76,71% da população total do País. O reforço foi aplicado em 88.553.917 pessoas, o que corresponde a 41,22%.

A população vacinável (com 5 anos de idade ou mais) que recebeu apenas a 1ª “picada” é de 88,7% e a parcela com o esquema completo é de 82,33%. A dose de reforço foi administrada em 54,74% da população adulta (18 anos ou mais).

No total, 11.962.577 doses foram aplicadas em crianças, que estão parcialmente imunizadas. Este número representa quase 58,35% da população nessa faixa etária que tomou a primeira dose. Ainda neste grupo, 5.847.819 estão totalmente imunizadas, o que corresponde a 28,53%.

Recursos para vacinas

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça uma medida provisória (MP) que abre crédito extraordinário de R$ 6,41 bilhões para a compra de vacinas contra covid. A matéria segue para o Senado.

O texto foi aprovado pelos parlamentares sem modificações à proposta enviada pelo Poder Executivo em dezembro do ano passado. Na ocasião, o Ministério da Economia informou que R$ 3,6 bilhões servirão para a produção e o fornecimento de 120 milhões de doses de vacina pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). O Fundo Nacional de Saúde (FNS) terá R$ 2,81 bilhões para comprar imunizantes de fornecedores privados.

De acordo com a relatora, deputada Soraya Manato (PTB-ES), dos R$ 6,4 bilhões liberados, R$ 1,95 bilhão foi empenhado já em 2021. Em 2022, até o momento, R$ 2,92 bilhões foram empenhados.

Ao editar a medida, o governo ressaltou que o planejamento da vacinação contra a covid em 2022 previa disponibilização de 339 milhões de doses do imunizante. Segundo a justificativa da MP, ao todo, cerca 220 milhões de doses seriam viabilizadas com os recursos.

Casos e óbitos

O Brasil registrou nesta terça mais 195 mortes pela covid nas últimas 24 horas, totalizando 664.443 desde o início da pandemia. Com isso, a média móvel nos últimos 7 dias é de 97. Em comparação à média de 14 dias atrás, a variação foi de -2%, indicando tendência de estabilidade.

O País também registrou 20.589 novos diagnósticos da doença no último dia, completando 30.590.994 casos conhecidos desde março de 2020. Dessa forma, a média móvel de casos nos últimos 7 dias foi de 16.053, variação de +29% em relação a duas semanas atrás. Em seu pior momento, a média móvel superou a marca de 188 mil casos conhecidos diários, no dia 31 de janeiro deste ano.

A “média móvel de 7 dias” faz uma média entre o número do dia e dos seis anteriores. Ela é comparada com média de duas semanas atrás para indicar se há tendência de alta, estabilidade ou queda dos casos ou das mortes.

O cálculo é um recurso estatístico para conseguir enxergar a tendência dos dados abafando o ruído” causado pelos finais de semana, quando a notificação de mortes se reduz por escassez de funcionários em plantão.

O Sul

Nenhum comentário:

Postar um comentário