terça-feira, 20 de julho de 2021

Vinte e uma exigências - História virtual

 As Vinte e uma exigências foram um conjunto de exigências feitas pelo Império do Japão do primeiro-ministro Okuma Shigenobu enviadas ao governo nominal da República da China em 18 de janeiro de 1915, resultando em dois tratados com o Japão em 25 de maio de 1915.

As exigências incluíam a necessidade de um controle japonês da província de ShandongManchúriaMongólia Interior, da costa sul da China e do estuário do Yangtze. Foi também exigido que a China comprasse metade do armamento militar do Japão.

A adoção de tais requisitos por Yuan Shikai, após um ultimato do Japão, levou a violentos protestos da população chinesa. Com a apresentação dos 21 créditos sobre o Japão, o governo chinês tentou garantir a hegemonia da China. Entretanto, a concessão parcial de Yuan Shikai destacou a fraqueza da China, que não foi escondida do Japão.

Em 1919, embora a China tenha combatido no campo dos Aliados durante a Primeira Guerra Mundial, os japoneses passaram a exigir a anexação de esferas de influências da Alemanha na China, e também queriam direitos econômicos especiais para os cidadãos japoneses que viviam em partes da China.[1]

O governo de Duan Qirui estava pronto para assinar acordos, quando a notícia se espalhou. Manifestações de massa eclodiram na China levando a violentos protestos da população chinesa (VerMovimento do Quatro de Maio). O governo cedeu à pressão popular. A pressão das nações ocidentais forçou o Japão a limitar suas aplicações.

Essas exigências levaram a um grave boicote de produtos japoneses na China.


Referências


  1.  Spence, "The New Republic.", pg 281
Fontes
  • Spence, Jonathan D. "The New Republic." In "The Search for Modern China". pg 281. New York, NY: W.W. Norton & Company, 1999
  • Hsu, Immanual C. Y. "The Rise of Modern China". pages 494 and 502. Oxford University Press, 1983
  • «firstworldwar.com»


Bibliografia



Wikipédia

Nenhum comentário:

Postar um comentário