quarta-feira, 23 de dezembro de 2020

PIOR DO QUE PRESENTE GREGO É PRESENTE GAÚCHO

 



CAVALO DE TRÓIA

Quando alguém recebe um presente cujo conteúdo traz algum prejuízo, a expressão mais utilizada é que a vítima foi alvo de um PRESENTE GREGO. Esta expressão popular, como se sabe, tem origem na Guerra de Tróia, quando os gregos deixaram um CAVALO DE MADEIRA junto ao portão da cidadela de Tróia e seus ingênuos moradores entenderam que se tratava de um presente.


HISTÓRICO DA MAJORAÇÃO DO ICMS NO RS

Antes de tudo, para que não paire qualquer dúvida, vale lembrar o que aconteceu lá em 2015 (CINCO ANOS ATRÁS), quando os ingênuos gaúchos foram vítimas da CRUEL MAJORAÇÃO DO ICMS sobre COMBUSTÍVEIS, ENERGIA E COMUNICAÇÃO, na certeza de que esta estupidez valeria apenas por 3 anos (2016, 2017 e 2018). Pois, no final de 2018, às vésperas de deixar o cargo, o então governador José Ivo Sartori, enviou à Assembleia Legislativa do RS um projeto solicitando a manutenção da criminosa MAJORAÇÃO DE ICMS por mais dois anos (2019 e 2020). Mais: naquela triste ocasião, o governador eleito, Eduardo Leite, quase que aos berros jurou de pés juntos e olhando para o céu que seria a última vez que o povo gaúcho pagaria uma alíquota mais elevada de ICMS de COMBUSTÍVIES, ENERGIA E COMUNICAÇÃO. 


INGÊNUO POVO GAÚCHO

Pois, ontem, depois de tantas idas e vindas, aproveitando a chegada do Natal, o governador Eduardo Leite, diferente do que aconteceu em TRÓIA, quando os troianos não imaginavam que dezenas de soldados gregos estavam dentro do enorme CAVALO DE MADEIRA , os gaúchos, por sua vez, e principalmente seus representantes -deputados- sabiam muito bem o que continha na perversa embalagem natalina. Todos sabiam que lá estava a MÁSCARA QUE O GOVERNADOR EDUARDO LEITE usou para encantar o ingênuo povo do RS, que acreditou, piamente, que a partir de 1° de janeiro de 2021, as alíquotas de gasolina, álcool, energia e comunicações, que estão majoradas em 30% desde 2015, passariam, enfim, para 25%. Mais: a alíquota básica, que está em 18%, também voltaria a 17%.


CRUEL EMBRIAGUEZ

Nesta comparação que faço entre o CAVALO DE TRÓIA e o CAVALO GAÚCHO, pelo que representa em termos de danos para quem investe e consome no empobrecido RS, não tenho a menor dúvida de que o CAVALO DE TRÓIA seria um presente muito menos danoso para os pobres e ingênuos gaúchos. No RS, definitivamente, os governantes simplesmente não têm VERGONHA e muito menos PALAVRA. Mentem com uma naturalidade impressionante. E a maioria dos deputados, como se viu ontem, se deixou levar pela cruel embriaguez ao aprovar a continuidade da estúpida MAJORAÇÃO DO ICMS por mais um ano.    


OS MAIS E OS MENOS OTIMISTAS

Ora, muito mais certo do que acontece com o sol, que nasce e se põe todos os dias, é preciso que todos os MAIS OTIMISTAS tenham em mente que no final de 2021 a Assembleia Legislativa do RS vai empurrar goela abaixo do povo gaúcho uma nova lei mantendo a MAJORAÇÃO DO ICMS. Digo MAIS OTIMISTAS porque os MENOS OTIMISTAS estão mais propensos em acreditar que alíquotas mais pesadas serão aprovadas para resolver o único problema do Estado do RS: pagar, apenas e tão somente, a gorda FOLHA DE SALÁRIOS DOS PRIVLEGIADOS SEVIDORRES PÚBLICOS, notadamente dos APOSENTADOS. Que tal?


LIVRO



    O cientista político Francisco Ferraz acaba de publicar um livro pela Amazon. Eis aí a introdução:               


 


                FATOS E PERSONAGENS DA HISTÓRIA POLÍTICA


 


Este livro é composto de artigos sobre temas políticos diversos que possuem em comum sua singularidade, sua   importância e relativo desconhecimento.


Os temas abordados são os mais variados. Desde uma revisão dos sistemas totalitários – fascismo, nazismo e comunismo – expondo os limites doentios de declarações e frases com que Mussolini, Hitler e Stalin pronunciavam sobre seus povos, bem como as expressões de culto à personalidade à outrance ditadas pelo pavor, pelo medo da perseguição, mas também por uma admiração devota ou por um amor sentido ou teatralizado.


Também há capítulos que contêm a narrativa de alguns filmes que ilustram episódios de origem histórica como Os fantasmas de Goya  (inquisição espanhola); e a Carga da Brigada Ligeira - que narra a última ocasião em que a famosa Brigada Ligeira foi usada (Guerra da Criméia).


A brigada ligeira era a elite da cavalaria. Somente os mais hábeis cavaleiros e os mais rápidos cavalos dela faziam parte. Sua missão era atacar canhões com espadas e armas de fogo leves e capturá-los como símbolo de vitória. Era uma batalha entre canhões e espadas; peças fixas e cavaleiros em alta mobilidade; munição pesada que destroçava animais e guerreiros e animais em extrema velocidade que avançavam em direção à artilharia. Canhões eram lentos para recarregar e eram úteis quando atiravam à distância. A carga da brigada ligeira era suicida para a maioria dos cavaleiros que eram destroçados pelos canhões e para os seus artilheiros quando a cavalaria chegava próxima deles com a espada desembainhada.


Os canhões procuravam atingir o máximo de cavaleiros à distância, enquanto podiam atirar seus projéteis; os cavaleiros precisavam com o máximo de velocidade chegar próximo aos canhões que perdiam sua função num combate corpo a corpo, onde a espada tornava-se a arma letal.


O capítulo sobre, A que depois de morta foi rainha se refere à expressão tão usada em Portugal e no Brasil sobre Inês de Castro: “Agora é tarde, Inês é morta”. É a história de um amor que termina não na morte de Inês, e sim na remoção de seu cadáver, no trono em que foi posta, no traje de rainha que a vestiu, na coroa a que tinha direito e na macabra cena dos nobres ajoelhando-se e beijando a mão da morta, imposta pelo rei seu viúvo como gesto de submissão à rainha...como se estivesse viva.


No capítulo sobre os Intermináveis aplausos a Stalin, é descrita a situação tragicômica dos aplausos a Stalin que nenhum membro do público atrevia-se parar de aplaudir. Presente ou ausente Stalin era o alvo do aplauso que, uma vez iniciado ninguém se atrevia a parar de aplaudir (sempre haveria alguém para denunciá-lo!). Usando a ardorosa narrativa de personagens russos - entre eles, Solzenitsyn e Pasternak - esta situação de frequente ocorrência na União Soviética é descrita até o seu desenlace.


Tinha-se como certo que o mais longo aplauso(6 minutos) fora dado a Pavarotti. Descobriu-se mais tarde que foi Stalin quem recebeu o mais longo aplauso (11 minutos). O texto traz também o endereço no you tube para você acompanhar a gravação deste aplauso que durou 11 minutos.


Outra situação peculiar é a Orquestra Fabril. No auge do entusiasmo revolucionário na União Soviética (1917/1918) surgiu um movimento para substituir a música clássica por uma outra de origem e características proletárias. Não mais Mozart, Beethoven, Bach, Tchaicovsky a revolução exigia a música proletária. Mas não com os instrumentos burgueses como violinos, piano, cello, flautas, fagotes.


Os novos instrumentos musicais tinham que ser aqueles usados pelos proletários para trabalhar: martelos, apitos, gemidos de máquinas, sirenas de fábricas; também não cabia fazer toda esta mudança e pôr um maestro de fraque a regê-la. O regente então ficava no teto do mais alto prédio das redondezas e, com duas bandeiras (uma em cada mão) regia a melodiosa composição.


Não durou muito este lance de criação revolucionária.


Também o livro contém dois capítulos mais longos. A narrativa do período de terror anarquista que se espalha na Europa no início do século XX, antes da I Guerra Mundial –Anarquismo a propaganda pelo ato e, a Caça às Bruxas, como arquétipo de manipulação do poder totalitário nas ditaduras e autoritarismos.


A análise mostra a similaridade da técnica medieval de caça às bruxas e seus métodos com a polícia política e o poder judiciário em governos totalitários.


Por fim, num momento em que tanto se discute a universidade no Brasil, o discurso de Unamuno em defesa da universidade de Salamanca (em que era reitor)  e da Espanha, enfrentando o General Millan-Astray, franquista, fascista extremado, brutal e sádico cujo lema era Viva la Muerte.


Uma última observação. É óbvio que uma variedade de temas como esta resulta de escolhas individuais do autor. Espero que a sua leitura agrade seus leitores.


Pontocritico.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário