quinta-feira, 23 de julho de 2020

Pilotos da British Airways votam acordo para cortar 270 empregos e reduzir salários

Seus salários serão financiados por cortes na remuneração de seus colegas: eles teriam uma redução inicial de 20%, estreitando-se para 8% abaixo dos níveis atuais em dois anos.

A companhia aérea procurou demitir até 12 mil funcionários, incluindo 1.255 pilotos, quando a pandemia de coronavírus interrompeu os vôos internacionais.

O sindicato de pilotos da British Airways anunciou um acordo com a diretoria da empresa que envolverá a demissão de 270 pilotos e uma redução de 20% nos salários. O texto ainda não foi aprovado pelos membros da British Airline Pilots Association (Balpa), que têm até 30 de julho para votar. "Depois de quase três meses de negociações sobre a proposta da British Airways de demitir 1.255 pilotos e alterar os termos e condições contratuais (...) Balpa abriu consultas entre seus 4.300 pilotos", afirma um comunicado divulgado na quarta-feira.
A companhia aérea, subsidiária do grupo IAG, anunciou em abril que planejava demitir 12 mil pessoas, um quarto de sua equipe. Os pilotos devem votar até a próxima quinta-feira em um pacote que inclua acordos voluntários de redundância e trabalho em meio período, e um “estoque” de pilotos com remuneração reduzida que serão reempregados pela BA se e quando a demanda aumentar. Seus salários serão financiados por cortes na remuneração de seus colegas: os pilotos teriam uma redução inicial de 20%, estreitando-se para 8% abaixo dos níveis atuais em dois anos.
"Apesar dessas medidas, os pilotos estão arrasados com a perspectiva de 270 demissões diretas", acrescentou o sindicato. O sindicato disse que o acordo, após três meses de negociações, evitou as propostas de "incêndio e recontratação" que afetam a tripulação de cabine e o pessoal de terra que foram amplamente condenados pelos deputados de todas as partes.

Brian Strutton, secretário geral de Balpa, disse: “É extremamente decepcionante que durante nossas extensas negociações a British Airways não aceite o pacote completo de mitigações que propusemos, o que teria evitado a perda de empregos e sem nenhum custo". O transporte aéreo é um dos setores mais atingidos pela nova pandemia de coronavírus e pelas medidas de distanciamento, que subitamente interromperam os deslocamentos e, em particular, as viagens aéreas.

AFP e Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário