domingo, 19 de julho de 2020

Desemprego deve bater recorde no 3º trimestre e atingir 15 milhões

De acordo com a consultoria IDados, 14,5% dos brasileiros ficarão sem ocupação nos próximos meses, índice jamais alcançado no país

Pelos efeitos da crise, 15 milhões de pessoas podem ficar sem emprego

Em alta desde os primeiros casos de Covid-19 no país, o desemprego só deve atingir o pico no trimestre encerrado em setembro, quando alcançará 14,5%. As projeções são da consultoria IDados a partir da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, do IBGE, e consideram cenário que inclui a quebradeira nas empresas provocada pela pandemia e a maior procura por trabalho.
Entre julho e setembro deste ano, 15 milhões de trabalhadores podem ficar sem ocupação, pelos efeitos da crise. A estimativa considera tanto os trabalhos formais quanto os informais e, se confirmada, significaria uma taxa de desocupação recorde. Até agora, o maior porcentual registrado pela pesquisa foi de 13,7%, ou 14 milhões de brasileiros. O patamar foi observado em março de 2017, logo após a última recessão. 
O economista Bruno Ottoni, pesquisador da IDados, lembra que o mercado de trabalho tem um comportamento mais lento do que o restante da economia. "Nesta crise, vamos ver esse efeito de volta dos trabalhadores no terceiro trimestre, quando as cidades reabrindo e as pessoas que ficaram desempregadas voltarem a buscar trabalho. O problema é que as vagas vão demorar a aparecer."
No caso da vendedora Maria da Guia dos Santos, de 50 anos, os últimos meses não têm sido nada fáceis. Trabalhando por toda a vida em uma feira de artesanatos na orla do Rio de Janeiro, ela se viu sem poder trabalhar. "A gente lutou por anos para legalizar a feira, tudo parecia bem. Então, apareceu essa doença maldita e o que a gente conquistou foi reduzido a pó."

Efeitos da quarentena

O mercado de trabalho tem sentido os efeitos da quarentena. No trimestre até maio, o país teve pela primeira vez um número maior de desempregados do que empregados, entre os brasileiros em idade para trabalhar. Além disso, como uma reportagem do Estadão apontou, o desemprego não tem crescido tanto porque vem sendo atenuado por quedas significativas da taxa de participação - as pessoas deixam de procurar emprego por causa da pandemia e param de aparecer nas estatísticas de desocupação, fazendo o desemprego parecer menor.
"A taxa de desocupação funciona como um efeito 'nariz na porta', a pessoa é considerada desocupada se ela pôde procurar um emprego e não encontrou", diz o economista sênior da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), Fabio Bentes.
Uma estimativa do Itaú Unibanco apontava que no trimestre até abril, quando as medidas de isolamento social foram mais duras, o desemprego teria chegado a 16%, se os trabalhadores pudessem ter procurado por uma vaga, bem acima dos 12,6% registrados. Só que a saída das pessoas da força de trabalho deve se esgotar este mês, o que fará com que mais gente volte a procurar trabalho.

Recuperação lenta

Mais de 2 milhões de pessoas, que em sua maioria haviam deixado de procurar emprego por causa da pandemia, devem voltar a buscar uma colocação agora. "A questão é que os novos empregos que serão gerados mesmo com o início da recuperação da economia não virão em um ritmo suficiente para evitar o aumento do desemprego ao longo deste trimestre", diz Ottoni.
A estimativa da consultoria é que a taxa de desocupação termine o quarto trimestre em 13,4% - mais baixa do que no terceiro trimestre, mas bem acima do desemprego registrado no mesmo período do ano passado, quando ficou em 11%.
Na fila do supermercado, o autônomo César Pereira, de 50 anos, não tinha expectativas de trabalhar tão cedo. Ele só fazia contas: com a pandemia e as corridas de aplicativo escassas, as compras do mês seriam magras, o almoço de Páscoa ficou para o ano que vem e o presente que compraria dia das mães viraria uma lembrancinha. "Sem poder trabalhar, a gente até esquece de comemorar essas pequenas coisas. Você acaba mesmo só pensando em como chegar ao dia seguinte."
Na visão dos economistas, o desemprego deve começar a cair no fim deste ano e ao longo de 2021 por meio de ocupações precárias como a de César. Sem poder retornar ao mercado formal, muitos brasileiros que perderam o emprego agora vão buscar uma recolocação com serviços via aplicativos. E quem já era informal deve levar mais tempo para se formalizar.
"Diante de tantas incertezas, é possível antever que o processo de recuperação do País vai ser bem complicado. As famílias vão sair da pandemia mais endividadas e tendo de lidar com um desemprego em alta. As empresas nacionais estarão mal e o mercado externo, se recuperando. É difícil pensar em uma recuperação sem investimento público, mas o governo não parece estar disposto a fazer isso", diz o professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) João Romero.
Agência Estado e Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário