sexta-feira, 24 de julho de 2020

Confira o calendário para desbloquear seu auxílio emergencial

 por Ana Paula Branco
Captura de Tela 2020-07-24 a?s 14.38.39.png


Milhares de contas estão bloqueadas por indício de fraudes
A partir desta quinta-feira (23), beneficiários do auxílio emergencial que tiveram contas bloqueadas preventivamente por inconsistência cadastral poderão realizar o envio de documentos por meio do Caixa Tem para realizar o desbloqueio.
Após análise da documentação, a Caixa promete fazer o desbloqueio em até 24 horas. Segundo o banco estatal, o aplicativo apresentará as orientações necessárias que o beneficiário deverá seguir.
Agências da Caixa na periferia da capital continuam a ter longas filas de trabalhadores em busca do auxílio emergencial. Na noite de segunda (4), pessoas se organizavam em torno da agência M' Boi Mirim, na zona sul Zanone Fraissat/Folhapress  
Já no caso de contas bloqueadas por indícios de fraudes, os usuários serão informados por meio do aplicativo Caixa Tem sobre a necessidade de ir a uma agência, com um documento de identidade com foto e válido, de acordo com calendário escalonado por mês de aniversário, confira abaixo. 
Segundo a Caixa, o objetivo é evitar filas nas agências e aglomerações.
NascimentoData para os desbloqueios
Janeiro/Fevereiro/MarçoA partir de 23 e 24 de julho
Abril/MaioA partir de 27 a 31 de julho
Junho/JulhoA partir de 3 a 7 de agosto
Agosto/Setembro/OutubroA partir de 10 a 14 de agosto
Novembro/DezembroA partir de 17 a 21 de agosto
Combate a fraudes
A Caixa afirma que atua de forma conjunta com os órgãos de segurança pública para mitigar riscos de fraudes e garantir nível adequado de segurança no pagamento do auxílio emergencial e demais benefícios sociais.
"A CAIXA reforça que o aplicativo Caixa Tem possui múltiplos mecanismos integrados de segurança, mantendo-se inviolável e seguro. O baixo percentual de fraudes observado deve-se à engenharia social, em que são utilizadas informações, documentos e acessos dos próprios clientes", afirma o banco em nota.
Fonte: Folha Online - 23/07/2020 e SOS Consumidor

Nenhum comentário:

Postar um comentário