terça-feira, 16 de junho de 2020

Transporte público não é fator de risco na pandemia, afirma ATP

Entidade divulgou protocolo de medidas para garantir embarque seguro de passageiros

Álcool gel nas entradas e saídas dos ônibus é uma das medidas

A Associação dos Transportadores de Passageiros de Porto Alegre (ATPPOA) informou nesta terça-feira que, desde o início da pandemia de coronavírus, nenhum colaborador foi afastado por atestado de Covid-19. A entidade, baseada em uma pesquisa realizada com parte dos funcionários das empresas e sustentada por outros estudos que vêm ocorrendo no Brasil e no mundo, acredita que, ao contrário do que se dizia no início de março, o transporte coletivo não representa um risco considerável de infecção. Foi divulgado, ainda, um protocolo de 14 medidas para garantir o embarque seguro de passageiros.
Em uma pesquisa feita com o Sest/Senat, a Associação testou 5% da população ativa – 72% cobradores e 28% motoristas -, que, desde início da pandemia, atenderam individualmente, em média, 14 mil pessoas. Foram 90 testes realizados e zero casos de coronavírus detectados. Até o dia 12 de junho, também não houve afastamentos por atestado de Covid-19. “Esse resultado, na verdade, representa somente uma questão: que todos os estudos, pesquisas e evidências que o mundo vem nos apresentando durante a pandemia não têm nada a ver com o que foi apresentado antes, ou seja, o transporte publico como local de risco”, afirmou o engenheiro de Transporte da ATP, Antônio Augusto Lovatto.
Ele citou, por exemplo, uma pesquisa feita com 1,3 mil pessoas com coronavírus e divulgada no início de maio pelo governador de Nova York, Andrew Cuomo, que mostrava que 66% dos infectados no estado estavam em casa e somente 4% no transporte coletivo. Houve ainda um trabalho elaborado pela CityLab, que, entre maio e junho, não encontrou presença de Covid-19 nos transportes da França e do Japão. Outro estudo mencionado foi o de prevalência do vírus conduzido pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), que em maio informou que há um infectado para cada 500 habitantes.
A ATP ainda explicou todas as medidas que fazem porte do seu protocolo de embarque seguro, que foram ajustadas ao longo da pandemia. Elas envolvem a ventilação de todos os ônibus com vidros abertos, a higienização completa dos coletivos, utilizando produtos de limpeza hospitalar, nas garagens e no Centro de Porto Alegre. Também ocorreu a obrigatoriedade do uso de máscaras, a disponibilização de álcool gel, a aplicação de vacina trivalente para todos os colaboradores no mês de abril, a medição de temperaturas nas garagens e a testagem para Covid-19.
Do ponto de vista da tecnologia, a Associação informou que passou a estimular o uso do cartão TRI, a recarga expressa - disponível em até 30 minutos - e o uso do GPS, que permite que a pessoa saiba o horário de se dirigir à parada e evite aglomerações. O protocolo envolve ainda a fiscalização e auditorias realizadas pela EPTC, a elaboração de um manual de prevenção da Covid-19 e campanhas de prevenção.
Outra medida tomada pela ATP, ainda no início da pandemia, foi afastar pessoas com mais de 60 anos, diabéticos e gestantes. Nos primeiros 30 dias, houve entre 20 e 40 afastamentos, por precaução, de funcionários com sintomas respiratórios, como rinite, sinusite ou pneumonia. “Até o momento, é um cenário de muita tranquilidade com relação aos trabalhadores que atuam na operação dentro dos ônibus”, disse o médico do trabalho Ricardo Moreira Martins. Durante os três meses de pandemia, foram transportados 12,3 milhões de passageiros, 40% do público no mesmo período no ano passado. Ao todo, 700 ônibus estiveram em operação, 50% do total no período em 2019.

Correio do Povo

Mesmo com parte do comércio fechado, Centro de Porto Alegre registra aglomerações
Sem medidas recomendadas, pandemia pode levar mais tempo na América Latina, diz Opas
Três Passos, Caxias do Sul e Palmeira das Missões registram mortes por Covid-19
POLÍTICA
Sara Winter pede "liberdade imediata" ao Supremo


Nenhum comentário:

Postar um comentário