sábado, 10 de dezembro de 2022

Parque Farroupilha: “Não faremos coisas que o TCE acha que é errado”, diz secretária sobre concessão

 Ana Pellini afirma que as intervenções propostas não prejudicam as características do Parque Farroupilha

Felipe Samuel

A secretária municipal de Parcerias, Ana Pellini, explica que o pedido de auditoria do MPC visa esclarecer se as denúncias são procedentes e garante que está ansiosa para apresentar ao TCE parecer técnico da Comissão de Análise Urbanística e Gerenciamento (Cauge). No que diz respeito à construção do estacionamento subterrâneo próximo do auditório Araújo Vianna, Ana afirma que um parecer da comissão concluiu que as intervenções propostas não prejudicam as características do parque consideradas fundamentais.  

Conforme a Cauge, as intervenções agregam maior fluidez no trânsito, com consequente melhoria na segurança e maior atratividade turística. Ana reconhece, no entanto, que o parecer não significa licença para realizar a obra. “Não vamos fazer coisas que o TCE acha que é errado”, ressalta, acrescentando que esses projetos precisam de licenciamento do município. “Pode fazer um estacionamento subterrâneo que seja um inferno, que traga repercussão, ou pode usar tecnologia que seja adequada”, destaca.

Pellini reforça que o processo de concessão deve passar por nova fase de consulta pública, o que permite que a comunidade apresente sugestões e críticas ao projeto. “A consulta pública trouxe bastante coisa que a gente entendeu que tem que ser melhorada, não tem por que a gente não reconhecer que tinham coisas que estavam pouco claras ou que não estavam previstas, que a gente não se deu conta e vai fazer e dar uma segunda versão”, admite. “Teremos que fazer uma nova consulta pública para construir uma alternativa que seja aceita por todos”, completa.

Sobre os questionamentos do MPC quanto ao Calçadão do Lami, Ana afirma que quando se faz concessão é usual que se faça uma contrapartida social para que a comunidade se beneficie ainda mais. “No Lami não está prevista nenhuma receita para o concessionário. Está previsto o compromisso que ele terá de melhorar as condições de lá, que não são ruins, mas podem ficar muito melhor, como casas de salva-vidas boas, quiosques para fazer churrasco, ducha para tomar banho”, frisa.

De acordo com a secretária, o concessionário teria que gastar R$ 2 milhões inicialmente para reformar e depois manter aquela área sem cobrar nada de ninguém. “O Lami é uma contrapartida social”, completa. Ela cita o exemplo da concessão do auditório Araújo Vianna, que prevê a reforma do teatro Túlio Piva.

Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário