domingo, 18 de julho de 2021

Europa se mobiliza diante de tempestades que deixaram mais de 150 mortos

 Alemanha foi o país mais atingido pelo fenômeno climático extremo


Alemanha e Bélgica começaram neste sábado a gigantesca tarefa de limpeza e reconstrução das áreas devastadas por temporais que causaram pelo menos 157 mortes nos últimos dias Europa. O continente contabiliza um prejuízo de milhões de dólares, enquanto os serviços de resgate tentam encontrar dezenas de desaparecidos.

Na Alemanha, o país mais atingido por esse fenômeno climático extremo, as chuvas provocaram 133 mortes. "Mas teme-se que o número de vítimas aumente", disse um porta-voz da polícia na cidade de Koblenz, estado da Renânia-Palatinado, um dos mais afetados pela tragédia. Só neste estado há 90 mortos, "cerca de 618 feridos" e cerca de 60 desaparecidos, segundo autoridades.

Somam-se 43 mortes registradas na Renânia do Norte-Vestfália, outro dos estados alemães atingido pela tempestade, para onde foram enviados 19 mil socorristas.

Aos poucos, os moradores que tiveram que sair de suas casas ameaçadas pela água. Muitos encontram um cenário desolador: paredes arrancadas pela força da corrente, árvores que caíram, veículos arrastados, estradas e pontes afundadas ou corte de energia.

"Há 48 horas vivemos um pesadelo. Damos voltas e voltas e não podemos fazer nada", disse Cornelia Schlösser à AFP, observando o péssimo estado da padaria da família na cidade de Schuld, afetada pelas enchentes. "Em questão de minutos, uma onda entrou na casa", acrescenta.

Buscas por desaparecidos

Nessas regiões do oeste da Alemanha, por onde corre o Reno, as enchentes se deveram principalmente aos pequenos rios. Eles saíram de seu canal devido às fortes chuvas e invadiram áreas habitadas, construídas em áreas inadequadas. É necessário drenar a água, avaliar os edifícios danificados, alguns dos quais terão de ser demolidos, restaurar a eletricidade, gás e telefone, além de abrigar quem perdeu tudo.

Danos nas redes de comunicação, que tornam muitas pessoas inacessíveis, também complicam a tarefa de estabelecer um balanço confiável de pessoas desaparecidas.

E as autoridades continuam em alerta. No distrito de Heinsberg, na Renânia do Norte-Vestfália, os muros de contenção de uma barragem cederam na noite de sexta-feira e 700 pessoas tiveram que ser evacuadas. O governo informou ainda que trabalha na criação de um fundo especial de ajuda já que as perdas com as cheias devem alcançar bilhões de euros.

A solidariedade também é organizada entre os cidadãos e há convocatórias para doações em todo o país, além do apoio prometido de grandes empresas, como a montadora de automóveis Volkswagen.

"Esperamos encontrar mais vítimas", disse Carolin Weitzl, prefeita de Erfstadt, perto de Colônia, onde um deslizamento de terra destruiu várias casas. O governador do estado da Renânia do Norte-Vestfália, Armin Laschet, garantiu que a catástrofe tem "uma magnitude histórica".


AFP e Correio do Povo


Países europeus multiplicam medidas para conter surto de Covid-19


Acidente com avião da TAM: 14 anos de uma dor que não passa


Hulk faz dois e Atlético-MG vence Corinthians de virada na Neo Química Arena


Milan oficializa contratação do atacante francês Olivier Giroud


Com gol aos 53 minutos, Ceará derrota Athletico-PR no Castelão


Detectado primeiro caso de Covid-19 na Vila Olímpica dos Jogos de Tóquio



Alemanha abandona o campo em amistoso com Honduras após caso de racismo


Grêmio aguarda abertura da janela para anunciar “reforços pontuais”


Fernando Reis, do levantamento de peso, é suspenso provisoriamente por doping


Goleiro Brenno testa positivo para Covid-19 e fica na Sérvia



Felipão fala em “reconstrução do Grêmio” após vitória


Nenhum comentário:

Postar um comentário