sábado, 17 de julho de 2021

Após manobra, sessão que votaria PEC do voto impresso é encerrada

 Reunião da comissão durou pouco mais de uma hora e terminou em bate boca entre deputados



Com pouco mais de uma hora, a sessão da Comissão Especial que tem como objetivo discutir a PEC 135/19, que prevê a implementação da voto impresso, encerrou sem resultado na tarde desta sexta-feira. O colegiado foi convocado, de forma extraordinária, para que fosse votado o relatório final, de autoria do deputado Felipe Barros (PSL). No entanto, em função de um pedido do relator ao presidente da comissão,  deputado Paulo Eduardo Martins (PSC - PR), para que tivesse mais tempo de realizar alterações no documento final, a sessão foi encerrada, com bate boca entre os deputados, e o texto acabou não indo a votação. 

No início dos trabalhos, a deputada Caroline De Toni protocolou um requeriento - rejeitado pela maioria dos partidos - pedindo que a votação fosse adiada. Segundo ela, era preciso mais tempo para que o relator pudesse fazer "as alterações necessárias". O autor da convocação, deputado Hildo Rocha (MDB-MA), contudo, rebateu que, se aprovado, a proposta que altera a Constituição ser alterada precisaria ir para votação em plenário já em agosto, pois "faltaria tempo" para que o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) pudesse discutir acerca da realização das próximas eleições, em 2022. "Não podemos deixar o TSE a mercê da nossa decisão", disse. 

O movimento faz parte de uma articulação dos parlamentares favoráveis ao projeto para que o texto não seja votado. Isto porque, recentemente, ocorreram trocas dentro da Comissão e deputados que, inicialmente seriam a favor da PEC, teriam ou saído ou trocado de voto. As alterações foram criticadas pela deputada bolsonarista Bia Kicis (PSL-RJ), autora da PEC. Segundo ela, as mudanças deslegitimariam a atuação da Comissão. "Não é correto, por interferência de um outro Poder, uma Comissão mudar sua composição", afirmou a deputada, se referindo a possível interferência do poder Judiciário. 

A manifestação prolongada da deputada gerou reação por parte de parlamentares da oposição, que pediam ordem e alegavam uma fala "fora do regimento". O mesmo ocorreu com a extensa fala do relator do projeto que, apesar de informar que estaria se manfiestando a pedido de tréplica, a mesma já teria ocorrido em outra ocasião. Desta forma, ele estaria falando "sem poder". A atitude gerou revolta durante a sessão e parlamentares, diversas vezes, discuram. A deputada Fernanda Melchionna (PSol-RS), pedia questão de ordem. "Você (Felipe Barros) está enrolando para adiar a votação. Aqui não é suas redes socais, aqui tem regimento. Ninguém aqui é moleque, tá no sistema que o senhor já usou a tréplica", protestou. 

Apesar das reclamações, o presidente da comissão foi de encontro com o pedido do relator e encerrou a sessão, dando mais tempo para que as modificações pudessem ser feitas.  A atitude gerou reação dentro do plenário e um deputado chegou a acusar o presidente de "picareta". Vice líder do PSol na Câmara, Melchionna alegou que a "base governista deu um golpe". "Além de todo o autoritarismo e desrespeito aos parlamentares, a extrema-direita fez uma molecagem sem tamanho. Eles sabiam que iam perder e resolveram acabar a deliberação no tapetão. O PSol e a oposição na Congresso Nacional já estudam como reverter esta situação absurda", alegou.

Correio do Povo


Bahia oficializa transferência de Thaciano para clube da Turquia


Inter anuncia renovação do goleiro Daniel até 2023


Paulinho tem proposta do futebol europeu e fica mais longe do Grêmio


Comitê de enfrentamento ressalta importância dos cuidados com a pandemia no RS

Nenhum comentário:

Postar um comentário