domingo, 20 de dezembro de 2020

Operação Acolhida traz 121 venezuelanos ao RS e reúne famílias

 Do grupo, 31 seguem para Caxias do Sul e Trindade do Sul para trabalhar de carteira assinada



Na babagem, o sonho de uma vida melhor: 121 venezuelanos voluntários da Operação Acolhida, do Governo federal, aterrissaram no Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre, neste sábado. A iniciativa, existente desde 2018, tem o objetivo de receber os imigrantes e refugiados da Venezuela, país assolado por crise política, social e humanitária. O projeto tem três pilares para estabelecer essa população no país: acolhimento, abrigamento e interiorização.

Do total, 71 serão interiorizados, ou seja, vêm pela modalidade ofertante de trabalho com carteira assinada, o Programa "Acolhe Brasil",do Serviço Jesuíta a Migrantes e Refugiados ( SJMR Brasil). Desses, 31 têm vaga de emprego garantida em duas plantas dos Frigoríficos da JBS, em Caxias do Sul e Trindade do Sul.

O venezuelano Juan Barreto, interiorizado há dois anos no Estado, foi esperar a mãe, Jude Cabrera, a irmã e o sobrinho de dois anos no aeroporto. Depois de 24 meses de distância física, as lágrimas tomaram conta do reencontro. “Estou muito feliz e emocionado porque minha família terá uma nova oportunidade de vida”, comemora. Os três seguem para Trindade do Sul. Nem a mãe nem a irmã quiseram gravar entrevista. Barreto, trabalhador numa empresa de produção de plástico em Sapucaia do Sul, agora quer tentar outro destino. “Ver se consigo um trabalho na mesma cidade para ficar perto delas”, comenta.

O coordenador do SJMR Porto Alegre, Lucas do Nascimento, disse que, além do trabalho, os imigrantes terão algumas vantagens nos três primeiros meses. “ Ficarão três meses alojados em um abrigo e receberão ajuda na alimentação até se organizarem”, explica. Nascimento conta que esse grupo foi o primeiro interiorizado pela SJMR Porto Alegre neste ano. Já o programa Acolhe Brasil recebeu na Região Sul até o momento 1202 refugiados. Em 2020, foram contabilizados 418  interiorizados na Região Sul, sendo 322 via trabalho, 214 contratados e 108 familiares.

O major do Exército Brasileiro do 3º Grupamento de Logística do Rio Grande do Sul que executou essa operação, Jaime Lima, disse que os imigrantes passaram por uma triagem em Roraima. “É o que chamamos de Fitness Four Travel (FFT) para ver se estão com aptidão para viajar e  permanecer no Brasil”, reforça.

Seis ônibus seguiram com os imigrantes para Caxias do Sul e Trindade do Sul, cidades onde irão residir e trabalhar. Por hora, os venezuelanos devem ficar em quarentena conforme protocolo sanitário de proteção à Covid-19.


Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário