quinta-feira, 10 de dezembro de 2020

Carta aberta ao governador Dória

 

Caro governador saiba que o bom governante não precisa impor seu domínio sobre as pessoas, porquanto a liberdade individual é um sentimento oposto ao desejo de mando, pois os dominadores são aqueles que não conseguem sentirem-se valorizados como pessoa, a não ser quando estão dominando e impondo sua vontade aos outros. Assim, não têm consciência de seus atos não percebem que não são tão grandes como imaginam e muito menos tão pequenos quanto pensam, nem admiráveis quanto gostariam de ser, pois resgatam e vivenciam a ideia que se constituem na principal autoridade em seu mundo íntimo, e não no mundo dos outros.
O administrador calculista, tal e qual V.S.a que chegou ao poder gerado por circunstâncias momentâneas, mas que visa pódios mais elevados e demonstra ser dominado pela ambição do comando e da autoridade desmedida, vale-se do oportunismo alimentado pela vaidade desmesurada e presunçosa e que se acredita genial, apto a cargos mais elevados.
Por outro lado entenda que um líder natural e verdadeiro não mente e não aceita que outros mintam para compartilhar de suas ideias, o que não condiz com seu discurso, pois aquele (o líder natural) dispõe de um manancial expressivo de conhecimentos, de experiências autênticas e reais subsidiadas e revestidas pelo carisma pessoal, demonstrando sempre transparência, organização e equilíbrio na capacidade de comando.
Logo não o vejo como um líder nato original, ou seja, não o é em si mesmo; copia outros administradores autoritários, visto que não teme seguir caminhos tortuosos ou até criminosos já percorridos por outrem, pois não dispõe de capacidade para elaborar concepções novas e encontrar soluções inéditas e legítimas para problemas ou situações aflitivas, como a que o país vive.
Concluindo observo que em tempo algum fizeste algo para os seus governados de forma incondicional e desinteressada. Tuas ações sempre foram e ainda são condicionais, fundamentadas no apego exclusivo aos seus próprios interesses escusos, buscando situações prazerosas que possam te proporcionar e não ao povo que deveria ser a razão maior, mas que muito pelo contrario geram raiva, repugnância e aversão à sua pessoa.


Plínio P. Carvalho


Fonte: https://www.facebook.com/story.php?story_fbid=10216079554056432&id=1677131654&notif_t=close_friend_comment&notif_id=1607552860651928&ref=m_notif

Nenhum comentário:

Postar um comentário