quinta-feira, 12 de setembro de 2019

O PT ainda não percebeu que o Brasil vai além do “Lula livre”, diz Rodrigo de Almeida

Não participou de evento contra Bolsonaro

Reage como um rei ofendido quando criticado

Menos soberba e + humildade lhe faria bem

Precisa mostrar que não pensa somente em si

PT pode ter a maior e mais relevante base social e tem o maior líder popular brasileiro da segunda metade do século XX. No entanto, é também o petismo o maior alvo de resistência, crítica e ataque de grande parte do eleitoradoRicardo Stuckert/Instituto Lula

RODRIGO DE ALMEIDA
12.set.2019 (quinta-feira) - 6h00
atualizado: 12.set.2019 (quinta-feira) - 7h34

O PT voltou a ser questionado e parte de sua cúpula reagiu com a empáfia habitual, quando, na semana passada, esteve ausente no evento que lançou um manifesto e um projeto de defesa da democracia e reorganização da oposição ao governo Jair Bolsonaro. Batizado de “Direitos Já! – Fórum pela Democracia”, trata-se de um movimento cujo propósito maior é formar uma frente ampla de defesa da democracia contra os ataques promovidos por Bolsonaro aos direitos e às instituições democráticas.

Não foram poucos aqueles que notaram – e criticaram – a ausência do PT, ou de pelo menos de alguns de seus líderes. Houve aqueles que foram além e criticaram o cacoete da hegemonia petista, que falou mais alto ao fazer o partido se recusar a participar de um movimento que não tenha a liberdade do ex-presidente Lula como bandeira principal, nem tenha o PT como o seu principal condutor.

A crítica é merecida. Mas precisa ser relativizada.

A construção de uma frente ampla como a da semana passada pode ser vista como uma defesa da democracia e uma contestação forte à erosão dos direitos no país. De fato, é. Neste caso, é inexplicável, injustificável e indefensável a ausência do PT – ou, no mínimo, a ausência física de alguns dos seus líderes, como Fernando Haddad. Pode ter havido mil razões pessoais para não estar presente – Haddad escolheu uma prosaica – mas nenhuma delas pode ser porque o evento não foi organizado pelo partido, porque teve o dedo do PSDB e/ou de Ciro, ou por outro motivo qualquer dessa natureza.

O que está em jogo é o retrocesso da democracia atualmente em curso no país, assim como a união de cabeças divergentes na convergência em defesa de direitos fundamentais.

Como disse há duas semanas – antes, portanto, do evento da semana passada – o advogado Beto Vasconcelos, ex-secretário Nacional de Justiça no governo Lula, é possível construir um momento histórico de confluência entre liberais e progressistas, semelhante ao que moveu atores sociais nas Diretas Já. Em entrevista ao jornal Valor Econômico, ele afirmou: “Progressistas e liberais conservadores precisarão compreender melhor e se aceitar melhor. O Brasil tem uma base conservadora relevante, e os progressistas liberais precisam entender seus respectivos valores e encontrar alguns pontos de convergência”.

Beto Vasconcelos não citou o PT, nem pretendeu analisar partidos, mas acrescento aqui: petistas têm dificuldade crônica de se entender com os que lhes parecem claramente divergentes. O PT lida bem com as dissonâncias que vêm do PSOL, algumas do PDT, do PSB e do PCdoB. Mas quando a divergência é mais profunda, trata ora com desconfiança, ora com menosprezo.

Com a convicção do purismo de seus propósitos (que deve ser questionada) e com a soberba do tamanho e relevância de sua base social (que precisa ser reconhecida), petistas se veem como imperadores ofendidos quando criticados, sacrossantos injustiçados quando não instalados no altar. Como me disse um amigo – bastante ligado ao PT – petistas reconhecem que Deus criou o mundo em sete dias; mas foi o PT quem criou Deus.

Segundo o insuspeito Noam Chomsky, o PT está desacreditado e não conseguiu se reerguer, “parte por motivos certos, parte por má propaganda e campanhas ultrajantes nas redes sociais das quais não se recuperou”. Isso levou, segundo ele avalia, com razão, a uma apatia da oposição.

O PT pode ter a maior e mais relevante base social, tem o maior líder popular brasileiro da segunda metade do século XX, e um potencial eleitoral gigantesco, mesmo debaixo dos próprios erros e dos ataques fulminantes que vem recebendo há muitos anos. No entanto, é também o petismo o maior alvo de resistência, crítica e ataque de grande parte do eleitorado, e é por isso que seu papel de protagonismo numa frente ampla de centro-esquerda precisa ser relativizado. Menos soberba, menos empáfia e mais humildade lhes fariam bem.

A esquerda em geral pensa que Jair Bolsonaro já está no segundo turno porque tem o apoio consolidado de um terço do eleitorado. Também pensa assim a direita liberal, parte dela hoje na oposição aos ataques que o presidente e seus aliados mais empedernidos vêm promovendo à democracia. O equívoco, entre um e outro, é ter, neste momento, plena convicção de que Bolsonaro não será reeleito em 2022, por não ser capaz de ultrapassar um terço do eleitorado. Segundo tal visão, o presidente é o candidato ideal a ser batido no segundo turno.

Se Bolsonaro tem um terço do eleitorado, há quem tenha o apoio do terço que rejeita o presidente a qualquer custo? Sim, e é a esquerda. E por isso que o PT vem radicalizando o discurso e insistindo no “Lula Livre”. Tenta assim fazer justiça ao seu grande líder popular, preso num processo suspeita, mas tenta também dar unidade a essa parte do eleitorado, a fim de torná-la mais aguerrida e fiel. Preparam-se assim para o embate de 2022.

Com a frente ampla, a oposição em geral a Bolsonaro – incluindo a esquerda – pode estar começando a sair da letargia dos últimos meses. Mas o ideal, neste momento, é que tal frente em defesa da democracia busque evitar a liderança deste ou daquele nome – Ciro Gomes, Flávio Dino ou, se estivesse presente, Fernando Haddad. Pensar em nomes para isso, a esta altura, é o melhor atalho para o fracasso.

E é neste ponto que a crítica ao PT pela ausência do lançamento do manifesto deve ser relativizada. OK, o movimento é fundamental na luta contra o avanço do bolsonarismo na erosão dos direitos, mas ninguém é tolo o suficiente para imaginar que Ciro e outros não vejam aí uma oportunidade de liderar as vozes contra Bolsonaro e o bolsonarismo. Ou seja, petistas sabem que, na esquerda, a agenda é contra o governo mas também, no limite, contra o PT.

Com sabedoria, altruísmo e prudência, no entanto, o PT pode embarcar nessa e proteger-se ao mesmo tempo. Mais do que nunca, precisa mostrar ao Brasil que não pensa somente em si e em “Lula livre”. O país espera muito mais do que isso, e o partido, por cegueira ou por incompetência de sua cúpula (Gleisi Hoffmann à frente), deixou-se mergulhar nessa armadilha. Abraçar hoje quem deseja sua derrota é um preço a se pagar pelos erros cometidos e pelo combate às ameaças reais sobre a democracia brasileira.

A campanha #LulaLivre é mais do que legítima. Como legítima é a convicção, entre petistas, de que o ex-presidente é um preso político – ou, para muitos outros, alguém perseguido pela Lava Jato e preso por força de um processo viciado, ilegal e, portanto, injusto. As conversas criminosas de Sergio Moro com o procurador Deltan Dallagnol enodoaram a Lava Jato e fragilizaram a condenação imposta a Lula pelo apartamento tríplex do Guarujá. Se não é fato grave um juiz, numa rede de papos, cobrar do Ministério Público a realização de operações, oferecer uma testemunha a um procurador, propor estratégias para uma das partes envolvidas no caso que ele próprio iria julgar, fica impossível saber o que é fato grave na Justiça do país.

Não importa, em consequência, se Lula cometeu um crime – ou dez. Não importa se cometeram crimes ele, Eduardo Cunha, Sérgio Cabral, Geddel Vieira Lima ou qualquer um dos muitos maganos condenados por obra e graça da Lava Jato, peixes grandes, médios ou pequenos, criminosos ou não. Se o Brasil ainda é um país de direitos elementares, é legítima a luta para que os processos nos quais a Lava Jato meteu a mão sejam revistos. As mensagens interceptadas não só deram um tom bananeiro à credibilidade da operação como mudaram o eixo do debate nacional em torno de seus propósitos.

Não por outra razão muita gente do PT argumenta que a defesa de Lula é fundamental não só para o PT, mas para a democracia, para a política, e para o Estado de Direito. Têm razão. Mas derrapam ao responder assim às críticas que recebem de que o PT padece de hegemonismo, cegueira e submissão irrestrita aos interesses da defesa de Lula. Não lhes questiono o “Lula Livre”, e sim a visão limitada que considera esta a principal luta a ser travada pelos brasileiros que acreditam na democracia e na preservação dos direitos mais essenciais. Mesmo com a Vaza Jato.

Autores

Rodrigo de Almeida

Rodrigo de Almeida

Rodrigo de Almeida, 43 anos, é jornalista e cientista político. Foi diretor de jornalismo do iG e secretário de Imprensa de Dilma. É autor de "À sombra do poder: bastidores da crise que derrubou Dilma Rousseff". Escreve para o Poder360 semanalmente, às quintas-feiras.

Poder 360

Nenhum comentário:

Postar um comentário