AdsTerra

banner

quarta-feira, 3 de abril de 2024

O EMBARGO QUE DESTRUIU CUBA - 02.04.24

 Por Stephen Kanitz


 


“Cuba não conseguiu a prosperidade socialista devido a um embargo comercial imposto pelos Estados Unidos”


O que não é ensinado é que Fidel Castro expropria em 1960 , 384 grandes empresas, hotéis, bancos,  cassinos, exportadoras, fazendas de cigarros, a maioria americanas.


E mais 4.000 pequenas e médias empresas a maioria pousadas e restaurantes que atendiam o pungente turismo americano.


Criar uma encrenca dessas com seu maior parceiro comercial, com um mercado de 300 milhões de habitantes logo ao lado, foi um erro administrativo e econômico monstruoso.


Tudo por uma ideologia anti capitalista. O turismo cessou no dia seguinte.


As exportadoras não tinham mais para quem exportar nos Estados Unidos. Todos os vínculos comercias são literalmente destruídos, os diretores de vendas e compras americanos fogem de Cuba.


Só que Cuba não poderia mais vender aos  Estados Unidos por que os dólares seriam confiscadas para saldar a dívida Cubana com as expropriações de ativos americanos.


Americanos não podiam mais exportar para o governo cubano pelas mesmas razões.


A Lei de Reforma Agrária foi assinada em 17 de maio de 1959 nacionalizou quase 50% das terras, deixando 41% da superfície agricultável nas mãos do Estado e 31,6% nas mãos de pequenos agricultores.


E para piorar ainda a situação Fidel Castro aumenta todas as tarifas de importação vinda dos Estados Unidos, ou seja quem criou um embargo foi justamente Fidel Castro.


Algo que Taiwan numa situação parecida não fez.


Os Estados Unidos simplesmente retaliaram a expropriação de 80 bilhões de dólares pelos Cubanos.


A recusa dos Cubanos de pelo menos pagarem os 80 bilhões de dólares das empresas nacionalizadas, mesmo a prazo, foi o que travou as relações entre os dois países.


Cuba poderia ter se tornado uma Flórida 2, onde os próprios cubanos gerentes e administradores dessas empresas expropriadas que fugiram e tornaram Flórida o que ela é hoje.


O que não é divulgado, é que Cuba iria perder nos anos seguintes, todo o segundo escalão administrativo e qualificado dessas 4384 empresas estatizadas, que fogem para Flórida, e a fazem prosperar.


Muitos desses administradores, gerentes e proprietários de empresas se reassentaram em lugares como Miami, contribuindo para a forte comunidade cubano-americana que existe lá hoje.


Afirmar que Cuba é pobre devido ao “bloqueio”, é uma mentira fabricada.


Cuba sempre pode  comprar e exportar para a Rússia, França, Brasil, pagando 10% mais caro de frete.


Cubanos poderiam ganhar fortunas sendo CRM de empresas americanas.


Pelos  80 bilhões que Cuba recusou devolver preferiram ficar estagnados por 70 anos.


Pontocritico.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário