AdsTerra

banner

sexta-feira, 15 de março de 2024

Antiviral contra dengue começará a ser testado em animais no próximo mês

 Universidade americana e instituto brasileiro de pesquisa anunciaram início dos testes pré-clínicos

Atualmente, não existe um tratamento específico para a doença 

A Universidade de Stanford (EUA) e a Ciência Pioneira, iniciativa sem fins lucrativos de apoio à pesquisa científica no Brasil vinculada ao Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR), anunciaram o início dos testes pré-clínicos de um antiviral para combater o vírus da dengue.

Atualmente, não existe um tratamento específico para a doença, que causa transtornos no Brasil todos os anos. Mas, em 2024, a dengue chega a proporções consideradas inéditas: até o momento, já temos mais de 1,6 milhão de casos registrados no Brasil.

Victor Gueddes, pesquisador de pós-doutorado em genética e fellow da Ciência Pioneira revela que esse estudo é uma extensão de pesquisas voltadas ao desenvolvimento de antivirais para hepatite. Posteriormente, os mesmos compostos foram testados para outros vírus, incluindo arbovírus como dengue, zika e chikungunya - e mostraram resultados positivos em testes realizados em células de laboratório.

Sob a liderança de Jeffrey S. Glenn, professor de imunologia e microbiologia em Stanford, Gueddes antecipa que o próximo estágio avaliará a eficácia do antiviral em camundongos. Os testes estão previstos para começar em abril, com o suporte da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Embora a expectativa seja de que os primeiros resultados estejam disponíveis no início do segundo semestre deste ano, Gueddes reconhece que um dos principais desafios enfrentados durante o desenvolvimento é encontrar uma molécula que não só seja eficaz contra os quatro sorotipos da dengue, mas também seja bem tolerada pelos modelos animais.

Vacina x antiviral

Conforme explicado pelo pesquisador, as vacinas têm como objetivo fundamental treinar o sistema imunológico para desenvolver respostas eficazes contra o vírus, constituindo uma medida preventiva que requer uma janela de imunização, ou seja, um tempo necessário para que o corpo produza os anticorpos necessários.

Em relação à vacina Qdenga, aprovada para uso no Brasil e incorporada ao SUS, é imprescindível a administração de duas doses com um intervalo de três meses para assegurar uma imunização eficaz. Mas, devido à baixa disponibilidade de doses na rede pública no momento, ficou definido que as vacinas contemplarão crianças e adolescentes de 10 a 14 anos de um número também reduzido de cidades - serão 521 municípios.

Cabe destacar ainda que a vacinação ocorre em meio a um aumento explosivo de casos de dengue antes do período esperado. A soma desses fatores faz especialistas apontarem que, agora, a vacina dificilmente vai apresentar um impacto significativo de saúde pública, no sentido de a vacinação ajudar a suprimir o avanço da doença, o que só pode ser esperado para o futuro.

Já em relação aos antivirais, o efeito é mais imediato, combatendo diretamente o vírus. Hoje, o tratamento da dengue depende basicamente de hidratação intensa. Daí a importância de termos remédios específicos contra a doença. Gueddes só ressalta que a eficácia de um medicamento fica restrita ao período de administração - ou seja, não proporciona proteção duradoura como acontece com as vacinas.

Estadão Conteúdo e Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário