terça-feira, 19 de julho de 2022

A fascinação e a introjeção do apedeuta

 Já publiquei várias análises da personalidade de Lula, quase sempre muito bem avaliadas e compartilhadas, todavia sempre nos resta decompor mais alguns traços distintivos da sua complexidade de caráter. 

O seu orgulho e vaidade ostensiva, com declarações destrambelhadas sempre provocaram, principalmente agora depois de solto, continua provocando inquietação entre os cidadãos de bem, agora reveladas, pelas sinistras ligações de seu partido com facções criminosas de esquerda e simpatia pelos regimes totalitários! 

  Assim, ele e seus asseclas, que constantemente alimentaram sua aparência em função da imaginação que fazia de si mesmo, o levaram a uma frenética busca existencial plena de vaidade, de uma imagem efêmera e egocêntrica, na eterna expectativa frustrada de ampliar e manter a sua popularidade entre os incautos e ignorantes.

Assim sendo, a fascinação e o orgulho de Lula estão intimamente ligados e ambos têm como raízes a necessidade de triunfar a qualquer preço, com uma arrogância competitiva, subprodutos de seu complexo de inferioridade, que acredita e não têm dúvidas (conscientemente) de ser uma pessoa admirável, possuidora de qualidade única e extraordinária, e que nada existe nada que não faça bem feito e de que não há ninguém o faz melhor que ele, até mesmo nas situações adversas e contundentes que não condizem com a realidade e com a verdade entendida por ele. 

Por outro lado, creio que uma das causas desses defeitos está no seu permanente estado de introjeção, técnica de reter ou atribuir jeitos de agir e pensar, dons e predicados e atitudes de outros como sendo suas, porém num grau superior. Assim percebendo suas limitações culturais (total apedeuta) procurou (de forma inconsciente) absorver, se comparar e incorporar características de destacadas personagens da História ou do universo cotidiano. Portanto o eneadáctilo com sua introjeção compulsiva transformou-se num ser abjeto desprezível, incapaz de diferenciar o que é certo ou errado, além de não perceber verdadeiramente o que a maioria da sociedade sente e pensa sobre ele, na clara e insofismável repulsa e aversão pela sua figura execrável.  

Concluindo a fascinação e a introjeção de Lula, são apenas algumas facetas de uma personalidade extremamente desequilibrada, com grave distúrbio mental marcado pelo conflito com a realidade, portanto um indivíduo de personalidade psicopatológica e de comportamento anti-social, ao qual falta senso de responsabilidade moral ou consciência.

Plínio Pereira Carvalho


Fonte: https://www.facebook.com/pliniopereiracarvalho/posts/pfbid0Yqj34sDbS6cS1KKJ8ZYrQxzxmbHEXGEx9nVAg3AKT9YhVaYsoZfv7xbzVd18eQ2Ul

Nenhum comentário:

Postar um comentário