sábado, 4 de junho de 2022

Toffoli dá 5 dias para governo e PGR se pronunciarem sobre aumento dos planos de saúde

 Ministro do STF solicitou que as entidades apresentem informações depois de processo contra o aumento ser protocolado na corte


ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Dias Toffoli solicitou que a Advogacia-Geral da União (AGU) e a Procuradoria-Geral da República (PGR) manifestem-se em cinco dias sobre o aumento de 15,5% no valor dos planos de saúde individuais e familiares. A Rede Sustentabilidade entrou com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para suspender o reajuste, que foi autorizado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

Na arguição de descumprimento de preceito fundamental (ADPF), o partido alega que os planos de saúde sobem mais do que a inflação há anos, o que contraria o bem-estar social, um dos objetivos da Constituição.

"Fazendo-se a totalização dos dados de reajustamento, é de se dizer que os planos de saúde individuais subiram, desde 2000, 541,96%, ou seja, um plano de saúde que custasse R$ 100,00 em 2000 custará R$ 641,96 hoje. Por sua vez, o IPCA acumulado é da ordem de 319,71%, ou seja, R$ 100,00 de 2000 valem, atualmente, R$ 419,71. Trata-se de um acúmulo maior em cerca de 70%. Assim, é bastante evidente que a dita inflação da saúde vem pesando muito no bolso dos brasileiros há algum tempo — é cerca de 70% mais alta do que a inflação oficial —, sendo que 2022 foi certamente o ápice, com o reajuste histórico."

O reajuste

O aumento vale para contratados a partir de janeiro de 1999. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União do último dia 27, e o reajuste poderá ser aplicado pela operadora a partir da data de aniversário do contrato, ou seja, no mês da contratação do plano.

O percentual é o teto válido para o período entre maio de 2022 e abril de 2023 a cerca de 8 milhões de beneficiários, o que representa 16,3% dos consumidores de planos de assistência médica no Brasil. É o maior aumento autorizado pela agência desde o início da série histórica, em 2000.

Para chegar ao percentual de 2022, segundo a ANS, foi utilizada a metodologia de cálculo que vem sendo aplicada desde 2019, que combina a variação das despesas assistenciais com o IPCA, descontado o subitem plano de saúde.

"O cálculo é baseado na diferença das despesas assistenciais por beneficiário dos planos de saúde individuais de um ano para o outro. Dessa forma, o índice de 2022 resulta da variação das despesas assistenciais ocorridas em 2021 em comparação com as despesas assistenciais de 2020", afirma a agência, em nota.

Ministério da Saúde

Após o anúncio da ANS, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, defendeu "mudanças estruturais no setor privado". O objetivo seria dar maior transparência, mais eficiência e provocar ampliação da concorrência, segundo o chefe da pasta.

"Hoje, os aumentos das mensalidades arcadas pelos brasileiros que contratam plano de saúde não necessariamente estão associados com a qualidade do serviço prestado. Enquanto medidas como a mudança no modelo de cuidado e o open health não forem implementadas, os brasileiros continuarão reféns dessa ineficiência", disse Queiroga.

"O Ministério da Saúde não se ocupa apenas da saúde pública. Por isso, no ano passado convocamos o Conselho Nacional de Saúde Suplementar (Consu) e, pela primeira vez, aprovamos uma política pública dirigida para o setor. Convocarei novamente o conselho para avaliar os resultados", completou.

Congelamento na pandemia

Em 2020, os planos ficaram congelados por causa da pandemia de Covid-19. Já em 2021, pela primeira vez, a ANS definiu redução de 8,19% nos valores das mensalidades. A decisão foi motivada pela queda da demanda decorrente do período de isolamento na pandemia. Por causa do distanciamento social, muitos brasileiros adiaram a procura por serviços médicos não emergenciais.

"A redução da utilização dos serviços aconteceu em decorrência das medidas protetivas adotadas para evitar a disseminação da Covid-19. Em 2021, com a retomada gradativa da utilização dos planos de saúde pelos beneficiários, as despesas assistenciais apresentaram crescimento, influenciadas principalmente pela variação no preço dos serviços/insumos de saúde", disse a ANS, em nota.


R7 e Correio do Povo


Dólar destoa do exterior e cai 0,20% no dia, mas fecha semana com alta de 0,85%


Sábado começa com frio no RS, mas terá temperatura agradável à tarde


Lira afasta deputado do PT e retoma mandato de Valdevan Noventa


Articulações nacionais ainda sem efeito no MDB gaúcho


Porto Alegre começa a vacinar população em geral contra gripe na próxima segunda-feira


Estudo será elaborado para tentar resolver impasse no IPE Saúde no RS


Prefeitura de Porto Alegre reestabelece iluminação na Praça da Matriz após duas semanas


Extraditado da França, foragido de crime ocorrido em 1993 desembarca em Porto Alegre


Relógios de rua de Porto Alegre apresentam problemas e não exibem horário e temperatura


“Bolsonaro era de fato de extrema-direita, mas modificou”, diz Bibo Nunes


Guincheiro é suspeito de atuar com quadrilha de furto de veículos em Porto Alegre


Ciro Gomes vem ao RS para homenagem e lançamento de pré-candidato do PDT


Dois jornalistas da agência Reuters ficam levemente feridos na Ucrânia; motorista foi morto



Cruzeiro vence o Operário e dispara na liderança da Série B


Em novo adiamento, julgamento de Flordelis é remarcado para 12 dezembro


Brasil vence novamente e segue invicto na Liga das Nações de Vôlei Feminino


Reserva de ações da Eletrobras com recursos do FGTS começa nesta sexta-feira




LeBron James se torna 1º jogador em atividade da NBA a ser considerado bilionário




Nenhum comentário:

Postar um comentário