sexta-feira, 3 de junho de 2022

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DA LIBERDADE - Gilberto Simões Pires

 REINER ZITELMANN

Hoje, 03, o historiador, empresário e sociólogo Rainer Zitelmann, um dos analistas LIBERAIS mais importantes da Alemanha, autor de vários livros sobre o CAPITALISMO, será o palestrante mais aguardado na “I Conferência Internacional da Liberdade”, evento promovido pelo Instituto Liberal em parceria com a Rede Liberdade, em São Paulo. Na oportunidade, Zitelmann falará, certamente, sobre a sua mais recente obra, lançada recentemente no Brasil , - O CAPITALISMO NÃO É O PROBLEMA, É A SOLUÇÃO - , na qual apresenta casos concretos EM FAVOR DO LIVRE MERCADO, em comparação com as EXPERIÊNCIAS FRACASSADAS do chamado “SOCIALSIMO REAL”, e analisa a resiliência das IDEIAS SOCIALISTAS após a QUEDA DO MURO DE BERLIM, em 1989. 


ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESTADÃO-CONTEÚDO

Depois que li a entrevista que o LIBERAL Reiner Zitelmann concedeu ao Estadão-Conteúdo achei por bem publicar o ótimo conteúdo, onde o sociólogo explica, com muita clareza, a comparação que o sociólogo faz, ao longo do tempo, entre o CAPITALISMO e o SOCIALISMO. Eis: 


O CAPITALISMO É A SOLUÇÃO!

O sr. diz que o capitalismo não é o problema, é a solução. O que o leva a dizer isso de forma tão categórica?


- Há 200 anos, antes do capitalismo, 90% da população mundial viviam na pobreza extrema. Hoje, são menos de 10%. Mais da metade da queda se deu nos últimos 35 anos. Veja o caso da China. No fim dos anos 1950, 45 milhões de pessoas morreram como resultado do chamado “Grande Salto para a Frente” empreendido por Mao Tsé-Tung. Em 1981, cinco anos após a morte de Mao, 88% da população ainda vivia em extrema pobreza. Foi mais ou menos quando começaram a introduzir a propriedade privada e as reformas pró-mercado no país. Hoje, menos de 1% estão nesta situação. Nunca tanta gente saiu do estado de extrema pobreza em tão pouco tempo como resultado de reformas pró-mercado.


CRÍTICAS DE THOMAS PIKETTY

O economista francês Thomas Piketty afirma em seu livro O capital no século 21 que o capitalismo levou ao aumento da desigualdade no mundo, em especial nas últimas décadas. Como o sr. analisa as críticas de Piketty ao capitalismo?


- O próprio Piketty reconhece que, na maior parte do século 20, a desigualdade diminuiu. Agora, ele diz que, a partir dos anos 1980, 1990, tempos ruins prevaleceram, levando em conta principalmente o que aconteceu nos Estados Unidos e em países europeus. Ironicamente, foi neste período que houve o maior progresso na luta contra a pobreza extrema no mundo. Para mim, a desigualdade não é o ponto principal. A prioridade é a redução da pobreza. No caso da China, que citei há pouco, a desigualdade obviamente aumentou. Mas ninguém está pedindo para voltar aos tempos de Mao, porque havia mais igualdade.


QUEDA DO MURO DE BERLIM

Com a queda do Muro de Berlim, em 1989, muita gente pensou que o socialismo ficaria para trás. Mas hoje, 33 anos depois, o que se vê é que o as ideias anticapitalistas não só sobreviveram, como se revigoraram. O que explica esta resiliência?


- Nos anos 1990, ninguém acreditava no socialismo, porque a derrocada do comunismo era muito recente. Mas, com o tempo, as pessoas esqueceram o que houve e o anticapitalismo se tornou mais forte de novo. O filósofo (Friedrich) Hegel (1770-1831) disse certa vez que “a única coisa que você pode aprender com a história é que as pessoas não aprendem nada com ela”. É uma afirmação muito pessimista, mas ele tem um ponto aí.


GUERRA IDEOLÓGICA

O anticapitalismo parece ter um grande apelo em setores influentes da sociedade e um espaço imenso no debate. Isso também não reforça a resistência das ideias socialistas?


- Os defensores do livre mercado perderam a guerra ideológica. Os inimigos do capitalismo são muito mais fortes na comunicação. As pessoas que deveriam defender o capitalismo, como os empreendedores, não fazem isso. Os socialistas comparam o capitalismo real com a utopia de uma sociedade perfeita. Isso não é justo. Eu sou um historiador. Levo em conta os fatos históricos. Comparo o capitalismo com o que é possível comparar, com base exemplos concretos: Chile X Venezuela, Coreia do Sul X Coreia do Norte, Reino Unido antes e depois da (Margaret) Thatcher. Os socialistas tentaram de tudo: um modelo na China diferente da União Soviética, um modelo na Iugoslávia diferente da Romênia. Quando os regimes fracassam, eles não entendem que a ideia é que estava errada e não a forma como o socialismo foi implementado.


O ANTICAPITALISMO É UM TIPO DE RELIGIÃO

Na sua avaliação, por que o capitalismo gera tanta oposição e tantas críticas?


- Eu considero o sentimento anticapitalista como um tipo de religião. No passado, a religião era muito forte na Europa. No mundo moderno, o anticapitalismo se tornou uma nova forma de religião. O papel do diabo hoje é desempenhado pelo capitalismo. Você pode culpar o capitalismo por todos os problemas do mundo: pobreza, fome, mudanças climáticas, guerras, sexismo, racismo e até a escravidão, que foi adotada bem antes do capitalismo. Até seus fracassos pessoais na vida você pode atribuir ao capitalismo. A diferença entre a religião e o anticapitalismo é que a religião promete o paraíso depois da morte e o socialismo promete em vida.


PRIME NEWS



5 G



A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) aprovou nesta quinta-feira (2) um prazo adicional de 60 dias para implantação do sinal de internet 5G em todas as capitais do país. Agora o início fica marcado para setembro. Motivo: a impossibilidade de entrega dos equipamentos devido às restrições provocadas pela pandemia de Covid-19 na China, que atrasaram a produção de semicondutores,  além da demora na liberação dos produtos e de limitações no transporte aéreo.


O início da operação da subfaixa de radiofrequências de 3.300 a 3.700 MHz estava previsto para 30 de junho e ativação de uma Estação Rádio Base (ERB) para cada 100 mil habitantes das capitais deveria ter início em 31 de julho.


Com a alteração, os prazos passam para 29 de agosto e 29 de setembro de 2022.


Pontocritico.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário