segunda-feira, 8 de novembro de 2021

Consumidor quer usar Black Friday para se livrar dos efeitos da inflação

 por Daniele Madureira

Captura de Tela 2021-11-08 a?s 09.41.47.png

Pesquisa aponta que 70% pretendem adiantar compras de Natal e maioria busca produto até 50% mais barato

Em tempos de vacas magras, os brasileiros querem aproveitar a Black Friday para se livrar dos efeitos da inflação, que acumula mais de 10% de alta nos últimos 12 meses.

 

De um universo de 7.449 consumidores pesquisados pela internet entre 22 e 26 de outubro pela fintech Trigg, moradores das principais capitais do país, apenas 2% não querem comprar absolutamente nada pela internet no próximo dia 26 de novembro.

De acordo com o levantamento, 65,4% dos entrevistados esperam conseguir entre 20% e 50% de desconto sobre o preço dos produtos. "A expectativa dos consumidores é que o desconto compense a inflação", disse à Folha o presidente da Trigg, Wellington Santos.

Mais de dois terços dos entrevistados (67,9%) pretendem gastar mais de R$ 1.000 no próximo dia 26. Desse total, 30% planejam investir mais de R$ 3.000 nesta Black Friday. Eletrodomésticos (41,3%) e tecnologia (29,5%) lideram o ranking das principais intenções de compra.

"O interesse pela compra de eletrodomésticos me surpreendeu", disse Santos. "Mas como o consumidor passou mais tempo em casa, por conta do home office, é natural que ele queira aproveitar a poupança que ainda tem para trocar aparelhos antigos", diz o executivo, que acredita que a próxima Black Friday deve faturar mais do que o Natal de 2020.

Quase metade dos consumidores (49%) respondeu que planeja gastar mais no evento deste ano do que no do ano passado. Ao mesmo tempo, 71% dos entrevistados afirmaram que pretendem comprar os presentes de Natal na Black Friday.

Santos chama a atenção para o planejamento da compra. "Fizemos o levantamento no final de outubro, ou seja, um mês antes do evento, e a maioria das pessoas [87%] já estava pesquisando preços", afirma. "Isso é positivo, porque indica uma compra mais pensada, e não por impulso, que é o que gera o endividamento".

Frete grátis ou barato (48,6%) e facilidade no pagamento (47,8%) estão entre os principais atrativos para o consumidor fazer uma compra online. Na sequência, estão valores acessíveis (resposta de 43%) e cashback (30,8%) – que é a possibilidade de ganhar créditos para uma próxima compra. Essa disposição está sendo explorada pela Trigg. "Na Black Friday, vamos lançar uma promoção em que o cliente do cartão de crédito vai receber cashbacks de até R$ 2.000, por sorteio", diz Santos. Lançada em 2017, a fintech já oferece cashback de até 1,3% do valor das compras nas operações usuais do cartão.

De acordo com o levantamento, 97% dos entrevistados vão pagar as contas da Black Friday com cartão de crédito. Mas nem todos pretendem fazer compras online: 35% preferem adquirir os produtos direto nas lojas físicas.

FALTA DE RESPEITO ESPANTA CONSUMIDOR, DIZ OUTRO LEVANTAMENTO

A busca por uma boa pechincha não é determinante na internet, mesmo fora da Black Friday. Outra pesquisa realizada online pela MRM, agência de marketing digital do grupo McCann – desta vez com 1.000 consumidores de várias regiões do país, entre 12 e 18 de agosto –, apontou que 60% deixariam de comprar um produto com bom preço e qualidade se a empresa desrespeitasse os mais pobres.

A mesma atitude seria tomada se a empresa testasse o produto em animais (49% das respostas), não se preocupasse com o meio ambiente (48%) ou com a diversidade (47%).

"Por outro lado, entre os concorrentes que apresentem um produto similar em preço e qualidade, ganha a preferência do consumidor quem oferecer melhor experiência de compra, com um site de fácil navegação (resposta de 69%), ou for bem avaliado por outros consumidores (59%) ou apresentar uma boa reputação (55%)", disse àFolha Eduardo Soutello, diretor da MRM Commerce, unidade da MRM Brasil responsável pela pesquisa.

Curiosamente, preocupação com meio ambiente (21%) e causas sociais (14%) – questões tão em voga por conta dos critérios ESG (de governança ambiental, social e corporativa) adotados pelas empresas – são menos relevantes para motivar a decisão de compra. "Mas a falta de respeito a essas questões são determinantes para impedir a compra", destaca Soutello.

O executivo chama a atenção para o quanto os grandes marketplacescomo Amazon, Mercado Livre e Magalu (50%) se tornaram importantes frente aos sites de busca (57%), como Google, na hora de pesquisar produtos. "Os marketplaces precisaram se calibrar para tornar a sua navegação agradável, ao mesmo tempo que tiveram que atrair mais sellers [vendedores] para aumentar sua oferta de produtos", afirma, destacando que sites de avaliação (44%), como o Reclame Aqui, também são muito consultados nas buscas online antes da compra.

Quanto aos meios de pagamento mais usados pelo internauta, o cartão de crédito continua liderando, com 59% de participação. "85% dos entrevistados também disseram gostar muito do modelo de cashback", diz Soutello. Mas, segundo a pesquisa, o boleto bancário resiste ao Pix, mesmo um ano depois do lançamento do meio de pagamento digital instantâneo. O tradicional boleto responde por 15% das vendas online, enquanto a fatia do Pix é de 11%.

Mais da metade dos consumidores (58%) disseram seguir alguma marca nas redes sociais, especialmente pelo interesse em promoções (61%). As cinco marcas mais citadas pelos entrevistados, de maneira espontânea, foram Lojas Americanas (21%), Magalu (19%), Nike (15%), Adidas (12%) e Amazon (9%).

Existe um ponto em que as grandes empresas ainda precisam se esmerar na internet: os anúncios. Apenas 24% dos consumidores disseram que as propagandas que recebem são exatamente do seu interesse. Para 11%, elas nunca são relevantes e, para 61%, às vezes.

Fonte: Estado de Minas - 07/11/2021 e SOS Consumidor

Nenhum comentário:

Postar um comentário