segunda-feira, 23 de agosto de 2021

Gasolina já é vendida a R$ 7,36 em postos pelo Brasil; preço médio chega a quase R$ 6

 por Douglas Gavras

15273699485b09d0dc7a8c5_1527369948_3x2_xl.jpg

Preço do combustível registra salto de 1,53% ao longo da semana, e presidente culpa governadores pelos aumentos

A gasolina comum teve alta significativa durante a semana, se aproximando pela primeira vez da marca de R$ 6 por litro, segundo pesquisa publicada pela ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) nesta sexta-feira (20).

O preço do combustível registrou um salto de 1,53% ao longo desta semana, alcançando média de R$ 5,956 por litro, também em sua segunda semana consecutiva de aumentos.

Foi na região Norte que a ANP apurou o preço mais alto para a gasolina na semana entre 15 e 21 de agosto, de R$ 7,360 por litro, com destaque para os estados do Acre e do Tocantins. Em seguida, aparecem as regiões Sul (R$ 7,189), Sudeste (R$ 7,059), Nordeste (R$ 6,789) e Centro-Oeste (R$ 6,679).

No estado de São Paulo, o preço mais alto apontado pela ANP era de R$ 6,549/litro; no Rio de Janeiro, de R$ 7,059; em Minas Gerais, chegava a R$ 6,759.   No preço médio, no entanto, o ranking se altera: o Centro-Oeste lidera, com R$ 6,185 por litro, seguido por Nordeste (R$ 5,994), Norte (R$ 5,952), Sudeste (R$ 5,910) e Sul (R$ 5,892).? No caso do preço médio, o destaque negativo é o Rio de Janeiro (R$ 6,485/litro).   Na semana passada, a Petrobras anunciou um aumento de cerca de 3,5% no valor médio da gasolina em suas refinarias, para R$ 2,78/litro, buscando um alinhamento com o mercado internacional.   Além da cotação nas refinarias, os preços nos postos dependem de fatores como a adição obrigatória de biocombustíveis e margens de distribuição e revenda.

Em evento em Manaus no dia 18 e ao lado do governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) culpou parte dos governadores pela alta do preço do gás e dos combustíveis. Ele reconheceu a inflação e disse que o povo tem razão em reclamar.

“Sabemos que a inflação está batendo na porta de vocês, mas lá atrás grande parte dos governadores e da nossa mídia disse que deveríamos respeitar aquela máxima: ‘fique em casa que a economia a gente vê depois’”, discursou.

Também nas últimas semanas, analistas revisaram para cima as perspectivas de inflação para este ano e o próximo, com efeitos das geadas e secas, pressão dos combustíveis e aumento da demanda decorrente da reabertura da economia.

O mais recente boletim Focus, por exemplo, estima agora o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) em 7,05% em 2021, ante projeção de um mês atrás de 6,31%. Para 2022, a expectativa é de que o índice fique em 3,90%, ante 3,75% anteriormente.

Segundo André Braz, do Ibre/FGV (Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getulio Vargas), a aceleração da inflação no varejo ainda deve persistir, pelos aumentos no preço do petróleo e, por consequência, da gasolina e do diesel.

Concorrente direto da gasolina nas bombas, o etanol teve valorização de 2,22% na semana, para média de R$ 4,497/litro, acompanhando o movimento de três semanas seguidas de ganhos dos outros combustíveis.

O preço do biocombustível nas usinas também tem avançado de forma significativa. Conforme o indicador Cepea/Esalq, o valor do etanol na praça de São Paulo saltou 9,2% somente desde a última semana de julho.

 

Já o preço médio do óleo diesel engatou a terceira semana consecutiva de alta nos postos de combustíveis do Brasil, enquanto a cotação do etanol também subiu.

De acordo com o levantamento da agência reguladora, o valor médio do diesel nas bombas nesta semana atingiu R$ 4,616por litro, alta de 0,35% em relação à semana passada.

Embora os movimentos mais recentes no preço do combustível mais consumido do Brasil tenham sido relativamente discretos, uma vez que ao final de julho o diesel ainda figurava em R$ 4,588/litro, foram suficientes para o produto emendar a terceira semana seguida de ganhos.

Preço da gasolina comum, segundo a ANP

 Em R$/litro:Preço médioPreço mínimoPreço máximo
?BRASIL5,9564,9907,360
RIO DE JANEIRO6,4855,8997,059

ACRE

6,4506,1907,130
DISTRITO FEDERAL6,3576,2996,399

PIAUÍ

6,3075,0856,599

GOIÁS

6,2745,8706,679
MINAS GERAIS6,1855,8996,759
TOCANTINS6,1565,7507,360
RIO GRANDE DO SUL6,1495,7297,189
RIO GRANDE DO NORTE6,1085,9806,290
10ºSERGIPE6,0925,7896,789
11ºRONDÔNIA6,0645,8506,490
12ºBAHIA6,0605,8106,579
13ºALAGOAS6,0425,8706,499
14ºESPÍRITO SANTO6,0415,7996,440
15ºPARÁ6,0355,5806,699
16ºMATO GROSSO DO SUL5,9565,7696,430
17ºMATO GROSSO5,9485,6296,510
18ºCEARÁ5,9355,5906,390
19ºPERNAMBUCO5,9075,6736,399
20ºMARANHÃO5,9055,7496,199
21ºAMAZONAS5,7985,7596,200
22ºPARAÍBA5,7915,5996,089
23ºSANTA CATARINA5,7405,3996,099
24ºPARANÁ5,7385,2296,550
25ºRORAIMA5,6375,5805,720
26ºSÃO PAULO5,6264,9906,549
27ºAMAPÁ5,1435,110 ?5,350 ?

Fonte: Folha Online - 21/08/2021 e SOS Consumidor

Nenhum comentário:

Postar um comentário