sexta-feira, 6 de novembro de 2020

Biden vira na Geórgia; Trump é interrompido por TVs; IPCA recorde

 

O dia começa com uma virada de Joe Biden na Geórgia na reta final de apuração no estado, com o democrata tendo mais votos nas regiões metropolitanas. Nos mercados, após o rali dos últimos dias, parte dos índices globais recua. No Brasil, a expectativa é pelo resultado do IPCA. Boa leitura.

Trump ao falar ontem na Casa Branca: acusações de fraude e contestação do resultado | REUTERS/Carlos Barria
 
1 - BIDEN VIRA NA GEÓRGIA 

O candidato democrata Joe Biden virou na Geórgia após a divulgação de nova leva de resultados na manhã desta sexta-feira. Até 7h, com 99% das urnas apuradas, Biden tinha 917 votos à frente. Se Biden levar a Geórgia, o presidente Donald Trump só conseguiria os 270 votos eleitorais com base em recontagem em algum estado que o democrata já venceu. No cenário atual, Trump precisa levar Geórgia, Pensilvânia e mais Nevada ou Arizona (além de confirmar Carolina do Norte e Alaska na semana que vem). Na Pensilvânia, Biden encostou e está menos de 20.000 votos atrás (0,3 ponto), com 95% dos votos contados. E Trump reduziu a distância para Biden no Arizona (agora em 1,6 ponto), com 90% dos votos apurados. Enquanto isso, a noite de quinta-feira foi marcada por discurso de Trump, que, do púlpito da Casa Branca, afirmou ter vencido a eleição e, sem provas, disse ser vítima de complô. As principais emissoras americanas interromperam a fala antes do fim. Siga ao vivo.
 

2 - FIM DO RALI?

Depois de quatro dias de fortes altas nas bolsas, o rali que acompanhou as eleições americanas esfria nesta manhã, com parte dos investidores realizando lucros de curto prazo e buscando alguma proteção antes de um fim de semana de incertezas. Nos Estados Unidos, os índices futuros de ações recuam. O Nasdaq, que mais subiu durante a semana, chagando a acumular alta de 9%, é o que mais cai, recuando cerca de 1%. No Brasil, a expectativa é se o Ibovespa vai manter a casa dos 100.000 pontos, após três pregões seguidos de ganhos (ontem, só quatro ações caíram). O dia terá também a divulgação do IPCA, em torno de 0,83% - se confirmado, seria o maior resultado para outubro desde 2002. Veja o que mais move os mercados hoje


3 - RETOMADA EM XEQUE

Em meio à tensão provocada pelas eleições, o governo americano também divulga nesta sexta-feira o nível de emprego de outubro. A expectativa é de um crescimento em relação a setembro, quando a taxa de desemprego diminuiu 0,5 ponto percentual, em 7,9%. O número de desempregados vem caindo no país, mas a taxa ainda está longe dos 3,5% de fevereiro e mais de 10 milhões de pessoas que estavam empregadas no começo da pandemia ainda não voltaram. Uma segunda onda do coronavírus nos moldes da Europa também é uma preocupação na retomada americana. Nesta semana, o país registrou mais de 100.000 casos diários pela primeira vez e bateu ontem o recorde diário de casos pelo segundo dia consecutivo. Leia mais


4 - SEM BOA NOTÍCIA

O Sistema de Estimativas de Emissões e Remoções de Gases de Efeito Estufa (SEEG), iniciativa criada pela ONG Observatório do Clima que calcula as emissões de gases do efeito estufa no país, divulga novos dados nesta sexta-feira. As informações servem de base para monitorar as metas estabelecidas da Política Nacional sobre Mudança do Clima e estimar o quanto falta para atingir os objetivos do Acordo de Paris. A expectativa é de uma piora nos indicadores, puxada pela alta no desmatamento. Este ano, dois dos biomas mais importantes do Brasil registram recordes de queimadas. No Pantanal, este já é o pior ano desde 1998, quando o Inpe começou a registrar os focos ativos de fogo. Na Amazônia, o número de ocorrências entre janeiro e outubro já supera o total de 2019. Leia mais
 

UM MERCADO À PROVA DE CRISES?

Com juros baixos, cada vez mais brasileiros trocam de casa: o momento é favorável, mesmo com a pandemia. A pujança do mercado imobiliário é um dos temas da nova edição da EXAME, já disponível em todas as plataformas. Clique aqui para ver todas as reportagens da edição e, se ainda não é assinante, assine a partir de R$ 15,90 para ter acesso ilimitado. 

A média móvel de mortes por coronavírus subiu levemente no Brasil, para 392 mortes. No boletim de quinta-feira, foram 609 novas vítimas e mais de 23.000 novos casos. Ao todo, são 161.779 óbitos. Veja os números.

Dois presidentes do Itaú pediram demissão: Caio Ibrahim, de atacado, e Márcio Schettini, de varejo. Ambos eram cotados como CEOs no lugar de Cândido Bracher, mas o escolhido foi Milton Maluhy Filho. A saída de Bracher já começa a levar a uma renovação profunda na liderança do banco. Leia aqui

A Caixa anunciou que vai lançar nos próximos dias um novo modelo de financiamento imobiliário, corrigido pela caderneta de poupança. O modelo já existe em concorrentes como Itaú e Banco Inter. Veja como vai funcionar

O ministro da Economia, Paulo Guedes, falou pela primeira vez sobre uma possível moeda digital do Brasil. A moeda digital (ou CBDC) do real é um projeto que de fato já existe e vem sendo tocado pelo Banco Central. 

A Arezzo anda tendo um fim de ano agitado. Após a compra da Reserva, a empresa lançou ontem sua linha de chinelos e sandálias de borracha, batizada de BriZZa e que concorre diretamente com a Havaianas.  

Para sua carteira em novembro: as ações que pagam dividendos mais indicadas, segundo 16 corretoras e casas de análise. E sete tipos de aplicações para investir neste mês. 

Jeff Bezos, dono da Amazon, vendeu 1 milhão de ações antes da eleição.

A Volkswagen lançou um serviço de carro por assinatura (e promete que será competitivo)

Nem iFood, nem Magalu: na guerra dos apps, um setor cresce mesmo após a reabertura

Conhecida pelo vale-refeição, a Ticket passou a oferecer planos de saúde com consulta a 35 reais

Não só PIX: sediada em Recife, esta fintech brasileira se antecipa ao mercado e já une open banking, PIX e cripto

À prova de bisbilhoteiros: o WhatsApp vai ter opção de mensagens que desaparecem

A Skol dará cinco anos de cerveja grátis para quem gritar "churrasco"

E quatro passos simples para acabar com reuniões improdutivas
 
Bolsa
HOJE | Xangai / -0,24%
Tóquio / +0,91%
Londres / -0,79% (às 7h)


ONTEM | Ibovespa / +2,95%
S&P 500 / +1,95%
Dólar / 5,44 reais (-1,91%)
Após os pedidos diários de "Me patrocina" nas redes sociais, a marca de cervejas Skol, da fabricante Ambev, atendeu aos pedidos. A empresa vai patrocinar cinco anos de cerveja grátis, e de uma forma inusitada: para quem gritar a palavra "churrasco". Na verdade, a ação faz parte da promoção "Patrocínio Que Vai Mais Longe", integrada com as redes sociais. Veja aqui
Skol: cerveja grátis por cinco anos para os vencedores da promoção | Divulgação

Nenhum comentário:

Postar um comentário