quinta-feira, 24 de setembro de 2020

Estudo sugere que auge de infecções por Covid-19 já passou no RS

Comportamento da população será decisivo para manter queda nas infecções, aponta professor da UFRGS

Rio Grande do Sul já contabiliza 179.436 infectados

Um estudo elaborado pelo doutor em matemática e professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) Álvaro Krüger Ramos sugere que o auge de casos da Covid-19 no Estado pode já ter passado e uma "lenta e gradual" queda será observada nos próximos meses. Krüger, que pesquisa o avanço da doença desde o começo da pandemia, reitera que o comportamento da população, que influencia na taxa de transmissão, é determinante para que as projeções se confirmem, ou não. 
No trabalho, que está publicado em seu canal no YouTube, o professor projeta três cenários (pessimista, intermediário e otimista) levando em consideração diferentes graus de cuidados da população e auges de contaminação em períodos distintos.
Na hipótese intermediária, na qual Ramos diz confiar mais, o pico da doença teria ocorrido entre os dias 6 e 13 de setembro. Deste modo, com a população mantendo cuidados satisfatórios de prevenção, o Estado testemunharia uma desaceleração, mesmo que "muito lenta", nos próximos meses.
O cenário é avaliado pelo professor como "positivo", pois confirma que "o pior já passou". No entanto, ele ressalta que o decrescimento é bastante devagar, o que deixaria o RS em um estado de platô, por pelo menos dois meses. Como exemplo, ele indica que no dia 25 de outubro, seriam 294.012 casos. 
No projeção otimista, o pico de contágio ocorreu no dia 30 de agosto e 6 de setembro e as pessoas manteriam um bom nível de prevenção. Desta forma, a tendência seria as infecções irem reduzindo gradualmente, chegando ao dia 25 de outubro, com 256.519 casos confirmados.
A projeção pessimista, segundo Ramos, é bastante improvável, com a população deixando de lado os cuidados, restrições pequenas e uma aceleração dos contágios. No dia 25, seriam 367.914.

Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário