quinta-feira, 16 de julho de 2020

Mouros - História virtual





Embaixador dos Mouros dos Estados da Barbary no Tribunal da Rainha Elizabeth I da Inglaterra .

Os mouros eram os habitantes muçulmanos medievais de al-Andalus (a Península Ibérica, incluindo a Espanha e Portugal de hoje ), bem como o Magrebe e a África Ocidental , cuja cultura é frequentemente chamada moura . A palavra também foi usada de maneira mais geral na Europa para se referir a qualquer pessoa de ascendência árabe ou africana, às vezes chamada Blackamoors. O nome Moors deriva da antiga tribo dos Maure e seu reino Mauretania. Andaluziasob o domínio muçulmano, produziu uma sociedade em que a cultura, a ciência e o aprendizado floresceram. Muçulmanos, judeus e cristãos coexistiram em um espírito de tolerância mútua. Muitas bolsas de estudos desse período impactaram o aprendizado europeu, especialmente através de pessoas como Roger Bacon e Thomas Aquinas . A queda de Granada em 1492 viu o fim da presença muçulmana na Andaluzia. Este evento teve um impacto global, dando impulso à conquista espanhola do Novo Mundo, inspirada por seu triunfo sobre os muçulmanos, que eles entendiam como desfrutando da bênção de Deus. O que foi descrito como o paradigma andaluz sugere que conflito e rivalidade não são inevitáveis ​​para sociedades plurais, que pessoas de diferentes religiões podem coexistir e desfrutar de um intercâmbio intelectual e cultural criativo.


História

Em 711 EC , os mouros invadiram Visigodo, Hispânia cristã. Sob seu líder, um general berbere africano chamado Tariq ibn-Ziyad, eles colocaram a maior parte da Península Ibérica sob o domínio islâmico em uma campanha de oito anos. Eles tentaram se mover para o nordeste através das montanhas dos Pirenéus , mas foram derrotados por Frank, Charles Martel, na Batalha de Tours, em 732 dC O estado mourisco sofreu conflitos civis por volta de 750 dCOs mouros governavam na península Ibérica, exceto em áreas no noroeste (como as Astúrias, onde foram paradas na batalha de Covadonga) e nas regiões em grande parte bascas dos Pirenéus e no norte da África por várias décadas. Embora o número de "mouros" permanecesse pequeno, eles ganharam um grande número de convertidos. A invasão moura da Espanha, do ponto de vista dos cristãos na Europa, sempre foi vista como um ato de agressão. De fato, foi parte da expansão externa do mundo islâmico que foi informada pela convicção de que o mundo inteiro deveria estar sujeito ao domínio islâmico e à lei divina do islã. No entanto, a história real da invasão é mais complexa. O rei visigodo, Roderic havia estuprado a filha de um de seus condes, Julian, que, em segredo, aproximou-se dos mouros e prometeu apoio em caso de invasão. Conselheiros judeus também acompanharam a força invasora.[1] Também há evidências de que algum território foi conquistado pacificamente por meio de tratados que alistaram a "cooperação de administradores e habitantes locais". Constable (1997) reproduz um "Tratado Muçulmano-Cristão" de 713, no qual é prometido ao governante de Tudmir e seu povo proteção e liberdade religiosa em troca de um tributo anual e lealdade ao sultão. [2]

O sultanato dos omíadas (756 - 929 EC ) e mais tarde califado de Córdoba (929 - 1031 EC ) na Andaluzia (Espanha moderna) rivalizava com os abássidas em um momento em que os fatímidas também desafiavam sua supremacia e fornece um exemplo de uma sociedade islâmica em que a bolsa de estudos (que já era frequentado pelos omíadas do início de Damasco) e o intercâmbio entre comunidades floresceu.

Estados cristãos baseados no norte e oeste lentamente estenderam seu poder sobre o resto da Península Ibérica. O Reino das Astúrias, Navarra, Galiza, Leão, Portugal , Aragão, Catalunha ou Marca Hispanica e Castela iniciaram um processo constante de expansão e consolidação interna durante os próximos séculos, sob a bandeira da Reconquista . A regra inicial dos mouros na península ibérica, no califado de Córdoba, é geralmente considerada tolerante na aceitação de cristãos, muçulmanos e judeusvivendo nos mesmos territórios, embora os judeus fossem expulsos em vários períodos e os cristãos relegados ao status de segunda classe sob os muçulmanos. O califado de Córdoba entrou em colapso em 1031 e o território islâmico da Península Ibérica passou a ser governado pelos mouros do norte da África da dinastia almorávida. Esse segundo estágio iniciou uma era de governantes mouros guiados pelo Islã ortodoxo, deixando para trás as práticas mais tolerantes do passado. Foi durante esse período que o grande estudioso judeu Moses Maimonides foi forçado a deixar a Andaluzia, embora tenha encontrado refúgio em outra parte do mundo muçulmano. Mesmo nos intolerantes Almohads (que tomaram o poder em 1145 EC)) ameaçou judeus com morte ou expulsão se eles não se convertessem, mas depois fizeram alianças com governantes cristãos e até encorajaram Christian a se estabelecer em Fez. Com a queda do califado de Ummayad, começou o período de pequenas cidades-estado, ou taifa.

Iberia moura se destacou no planejamento da cidade; a sofisticação de suas cidades era surpreendente. Segundo um historiador, Córdoba "tinha 471 mesquitas e 300 banheiros públicos ... o número de casas dos grandes e nobres era de 63.000 e 200.077 pessoas comuns. Havia ... mais de 80.000 lojas. A água da montanha era distribuída por todos os cantos e quartel da cidade por meio de canos de chumbo em bacias de formas diferentes, feitas do ouro mais puro, da mais fina prata ou latão banhado, além de vastos lagos, tanques curiosos, incríveis reservatórios e fontes de mármore grego ". As casas de Córdoba eram climatizadas no verão por "engenhosamente arranjados trechos de ar fresco retirados do jardim sobre canteiros de flores, escolhidos pelo perfume, aquecidos no inverno pelo ar quente transportado através de canos nas paredes".[3] Sem dúvida, durante o auge do califado de Córdoba, a cidade de Córdoba era uma das principais capitais da Europa e provavelmente a cidade mais cosmopolita de sua época.

Em 1212 EC , uma coalizão de reis cristãos sob a liderança de Alfonso VIII de Castela expulsou os muçulmanos da Península Ibérica. No entanto, o Reino dos Mouros de Granada prosperou por mais três séculos na península ibérica do sul. Este reino é conhecido nos tempos modernos por jóias arquitetônicas como a Alhambra . Em 2 de janeiro de 1492, o líder da última fortaleza muçulmana em Granada se rendeu aos exércitos de uma Espanha cristã recentemente unida (após o casamento de Fernando II de Aragão e Isabel I de Castela ). Os muçulmanos restantes foram forçados a deixar a Ibéria ou se converter ao cristianismo. Em 1480, Isabella e Ferdinand instituíram a Inquisição na Espanha, como uma das muitas mudanças no papel da igreja instituída pelos monarcas. A Inquisição era dirigida principalmente a judeus e muçulmanos que haviam se convertido abertamente ao cristianismo, mas acreditava-se que eles praticavam sua fé secretamente - conhecidos respectivamente como morranos e moriscos -, bem como hereges que rejeitavam a ortodoxia católica romana, incluindo alumbras que praticavam uma espécie de misticismo ou espiritualismo. Eles eram uma parte importante dos camponeses em alguns territórios, como Aragão, Valência ou Andaluzia , até sua expulsão sistemática nos anos de 1609 a 1614. Henri Lapeyre estimou que isso afetou 300.000 de um total de 8 milhões de habitantes da península. no momento. [4]

Enquanto isso, a maré do Islã rolara não apenas para o oeste, para a Ibéria, mas também para o leste, através da Índia , da península da Malásia e da Indonésia até Mindanao - uma das principais ilhas de um arquipélago que os espanhóis haviam alcançado durante suas viagens. para o oeste do Novo Mundo. Em 1521, os navios de Magalhães chegaram a esse arquipélago da ilha, que deram o nome de Filipinas , em homenagem a Filipe II da Espanha . Em Mindanao, os espanhóis também nomearam essas pessoas portadoras de kris como Moros, ou 'mouros'. Essa identificação do povo islâmico como Moros persiste na moderna língua espanhola falada na Espanha.
Cultura

A biblioteca de Córdoba era uma das maiores da Europa, possuindo cerca de quatrocentos mil volumes. Diz-se que os catálogos consistem em 44 volumes. [5] As bibliotecas e academias de Córdoba e Toledo atrairiam estudiosos da Europa e de outras partes do mundo muçulmano. Obras de filosofia, ciência e medicina foram traduzidas para o latim, algumas das quais eram versões árabes das obras gregas, mas muitas foram escritas por estudiosos muçulmanos. O que se desenvolveu na Andaluzia foi descrito como convivência (coexistência frutífera), embora no período mais antigo alguns cristãos adotassem uma opinião muito negativa do Islã.

Oposição cristã primitiva

Durante o início do período mourisco na Espanha, um grupo de cristãos, olhando suas Bíblias, chegou à conclusão de que Maomé era a besta de Apocalipse 13 (eles pensavam que ele havia nascido no ano 666) e o chifre de Daniel 7: 8. A partir disso, eles calcularam que o Islã floresceria por três períodos e meio de 70 anos cada, ou seja, por 245 anos, então o dia do julgamento chegaria. O bispo Eulogius de Toledo (m. 859) e seu amigo Alvarus encorajaram cerca de 48 cristãos (entre 850 e 859) a insultar publicamente Maomé e o Islã para que eles atraíssem a sentença de morte e fossem martirizados (conhecidos como mártires de Córdoba). Eles ficaram do lado de fora das mesquitas ou compareceram aos tribunais islâmicos e gritaram declarações que sabiam ser ofensivas para os muçulmanos, como que Maomé era um impostor, um falso profeta que compôs o Alcorão e era um lascivo que cobiçava mulheres. Muito disso é extraído de uma breveA vida de Muhammad, a Istoria de Mahomet, conhecida por estar em circulação na Espanha na época [6]. Eles acreditavam que seu martírio voluntário apressaria a chegada do fim.

A experiência judaica

Os judeus chamavam Andalus Sefarad. O'Shea comenta que, após sua experiência sob os visigodos, o que se seguiu sob o domínio muçulmano foram "três séculos ininterruptos de paz" [7] . Os judeus sefarditas ou sefarditas traçam sua descendência dos judeus desse período. A bolsa de estudos judaica floresceu ao lado das academias muçulmanas. [8]

Coexistência mutuamente frutuosa

Enquanto a conquista muçulmana de grande parte da Espanha e a memória da Batalha de Tours (732) enfureceram os cristãos na Europa, alimentando a animosidade em relação aos sarracenos como o inimigo sem Deus, as relações entre cristãos e muçulmanos na Andaluzia se tornaram cada vez mais cordiais. Ocorreram alguns inter-casamentos, como entre Alfonso IV de Castela (1065-1109) e a princesa Zaida, "cujo pai era o mais poderoso entre os governantes dos estados de taifa", os territórios muçulmanos restantes na Espanha [9] estudiosos cristãos que visitavam a Espanha da França e da Inglaterra traduziu ansiosamente versões árabes dos clássicos gregos, bem como as obras de filósofos muçulmanos para o latim, para que muçulmanos como Ibn Rushd e Ibn Sinanão apenas adquiriram nomes latinos (Averroes) e (Avicena), mas seriam citados por eminentes pensadores cristãos como Tomás de Aquino (1225-1274) com respeito. Diz-se que o escolasticismo na Europa foi fortemente influenciado pela filosofia muçulmana, tanto que uma das principais escolas era conhecida como averroísmo. Ele se baseou fortemente nos comentários de Averroes sobre Aristóteles . Tomás de Aquino explorou as mesmas questões que os filósofos muçulmanos e, aberto a ouvir a voz de Deus através de uma variedade de fontes, viu a si e aos muçulmanos ocupando o mesmo mundo intelectual do discurso racional. Ele acreditava que os muçulmanos podiam ser conquistados por Cristo através de argumentos fundamentados, mesmo com amor. Homens como Pedro, o Venerável (1092-1156), Ramon Lull (1234-1316) e Roger Bacon(1220-1292) todos acreditavam que "razão", não força, era o modus operandi correto para os cristãos em relação ao Islã. Lendas como a crônica da história de Roland e El Cid ainda descreviam os muçulmanos como idólatras, mas informações mais precisas estavam se tornando disponíveis [10] . A Andaluzia produziu, entre outros, Ibn Rushd, Ibn Hazm e Ibn Tufail, enquanto Ibn Khaldun trabalhou por algum tempo para o sultão de Granada. Os vínculos eram especialmente fortes entre as Academias da Andaluzia e a Universidade de Paris .

Pedro, o Venerável, encomendou a primeira versão em latim do Alcorão, que, concluída em 1143, foi descrita como "um marco ... pela primeira vez", os europeus tinham "um instrumento para o estudo sério do Islã" [11] . Permaneceu como padrão até o século XVI. O tradutor era um inglês, Robert of Ketton (1110-1160), que viajara pela Palestina e parece ter se estabelecido na Espanha para trabalhar como tradutor. Ele também era um arquidiácono. O Alcorão de Ketton foi encoberto com notas de rodapé hostis [12]mas pelo menos deu aos cristãos acesso à escritura completa, em vez de seções selecionadas. Lull, Bacon e outros pediram cadeiras árabes em Paris e Oxford. A convicção de Lull de que os muçulmanos deveriam ser justificados não o impediu de usar uma linguagem severa ao se dirigir a muçulmanos. Franciscano terciário, Lull foi deportado duas vezes da Tunísia. Em uma terceira visita ao mundo muçulmano, ele acabou defendendo a Trindade, violando publicamente o Islã, "a lei dos cristãos é santa e verdadeira", disse ele, "e a seita dos mouros é falsa e errada" [13] . Apedrejado pela multidão, ele morreu a bordo do navio antes de chegar à sua terra natal, Maiorca. No entanto, o método que ele legou, ars inveniendi veritatis,a arte de encontrar a verdade era diaológica, não de confronto e influenciou bastante o pensamento missionário. Os cruzados , contemporâneos de Lull, não consideravam o evangelismo, a tentativa de conquistar os corações dos muçulmanos, como vale a pena tentar, já que os muçulmanos eram culpados e sua morte glorificava a Cristo. A essência da cruzada era "matar o amor de Deus". Os muçulmanos, disse um cristão, não valia a pena discutir com eles, mas "deveriam ser extirpados pelo fogo e pela espada". [14] Lull sugeriu que, em vez de conquistar a Terra Santa pela força, os cristãos deveriam fazê-lo "por amor e oração. derramando lágrimas e sangue ' [15] .

O paradigma andaluz

Alguns muçulmanos consideram que o Islã da Andaluzia foi muito influenciado pelas idéias européias para se qualificar como uma versão autêntica do Islã que os muçulmanos em outros lugares e em diferentes momentos podem escolher imitar. Sayyid Qutb , por exemplo, um estudioso muçulmano conceituado do século XX considerava o pensamento de filósofos como Ibn Rushd e Ibn Farabi, entre outros, como "em essência estranho ao espírito do Islã" [16].. Outros encaram o paradigma andaluz como um modelo para todos os muçulmanos que se encontram vivendo em sociedades plurais. Akbar S. Ahmed descreve o paradigma andaluz como o "modelo ideal da sociedade européia". "Se definirmos", diz ele, "uma sociedade civilizada como aquela que encoraja a tolerância religiosa e étnica, o debate livre, bibliotecas e faculdades, banhos públicos e parques, poesia e arquitetura, a Espanha muçulmana é um bom exemplo" [17] .

Menocal (2002) escreve sobre como, na Espanha moura, 'judeus, cristãos e muçulmanos viviam lado a lado e, apesar de suas diferenças intratáveis ​​e hostilidades duradouras, alimentavam uma complexa cultura de tolerância'. Isso, ela sugere, era possível "enraizado na aceitação muitas vezes inconsciente de que as contradições - dentro de si e na cultura de alguém - poderiam ser positivas e produtivas" [18] . Friedmann (2003), que fornece dados úteis sobre a interpretação do material Alcorânico e de hadith relevante sobre o status de não-muçulmanos na fiqh islâmica clássica(lei), assinala que os muçulmanos determinaram, na prática, seu relacionamento com os Outros em termos de 'tolerância ou intolerância', de acordo com as particulares 'circunstâncias históricas em que o encontro ocorreu' (1). Eles poderiam escolher enfatizar os versículos da amizade ao lado de textos como 5: 48 e 109: 6 ou eles poderiam optar por enfatizar os versos da hostilidade ao lado dos versículos da espada (9: 5; 9: 29). [19]. Referindo-se à experiência espanhola de convinencia, Stephen O'Shea incentiva cristãos e muçulmanos a serem menos seletivos no que eles decidem se lembrar e, 'combinando as batalhas épicas com as eras da convivencia, uma imagem mais clara ... que combate a seletiva pode surgir uma amnésia pautada em pautas que se estabeleceu sobre o assunto entre alguns dos chauvinistas religiosos de nossos dias " [20]

Por um lado, por não serem maioria, a política de tolerância pode ter sido pragmática. Por outro lado, não existem poucos exemplos na história de minorias governando populações majoritárias sem nenhum sinal de tolerância ou valorização das culturas ou religiões da população. Portanto, é provável que esses muçulmanos tivessem uma visão de mundo em que a tolerância tivesse um lugar.

Guerra Cultural

A experiência andaluza foi objeto de guerra cultural. No século XIX, estudiosos europeus afirmaram que os muçulmanos eram meros copistas e que o que eles deram à Europa durante o período mourisco foi originalmente emprestado da Europa, quando grande parte do legado da bolsa de estudos grega se tornou propriedade muçulmana. Alguns muçulmanos afirmam que a ciência e a tecnologia européia também se baseiam exclusivamente no que emprestou de estudiosos muçulmanos, cujo trabalho era original e não derivado. A pesquisa mostrou que muito do que os europeus estudam e traduzem durante o período andaluz foi inovador nos campos da medicina, astronomia e navegação, por exemplo. [21] Ahmed sugere uma ligação entre a Andaluzia e o Renascimento Europeu., uma vez que a Andaluzia fez o "novo pensamento" parecer repentinamente possível [22]

A queda de Granada e seu impacto global

Dizem que os muçulmanos lamentam anualmente a perda de Granada, com seu belo Palácio e Jardins Alhambra. Na Espanha, festivais anuais comemoram a vitória. 1492 foi um ano significativo, não apenas para a Espanha, mas globalmente. Marcou o fim do domínio muçulmano na Andaluzia, a expulsão de judeus e cristãos e a viagem para as Américas de Cristóvão Colombo . Em seu diário, o próprio Colombo colocou seu "empreendimento no contexto da conquista da Granada muçulmana por seus patronos" [23] . Argumenta-se que o sucesso dos espanhóis no que viam como uma cruzada contra o Islã forneceu estímulo e ímpeto para a conquista do Novo Mundo, que o fizeram "com a espada em uma mão e a Bíblia nas outras frescas do triunfo sobre os muçulmanos. " [24]

Origens

O termo romano "Maur" descreveu os habitantes nativos do norte da África, a oeste da Tunísia moderna. Autores antigos e modernos, assim como retratos, mostram-lhes uma variedade de características, assim como a população moderna. Isso foi contrastado com outros povos descritos como "Etiopes", ou etíopes , que moravam mais ao sul, e egípcios, ou "Aegyptus". Como descrito acima, eles compuseram uma variedade de povos nessa região que provavelmente tiveram origem no Saara quando este secou no final do período holoceno. Quer fossem de pele clara e cabelos loiros, de pele escura ou em algum lugar intermediário, o Dr. Keita observou que essa diversidade era indígena da região norte da África, e não o resultado de assentamentos estrangeiros (fenícios, gregos, romanos, árabes).

Tariq ibn-Ziyad, nascido de um chefe berbere, subiu ao posto de general no exército mouro e liderou uma invasão na Península Ibérica. Em 30 de abril de 711, Tarik e suas forças desembarcaram na costa mediterrânea da península com 7.000 soldados. Ele imediatamente ordenou a queima dos barcos. Isso foi feito para garantir às tropas que haveria vitória ou morte.

Etimologia

"Moor" vem da palavra grega mauros (plural mauroi ), que significa "preto" ou "muito escuro", que em latim se tornou Mauro (plural Mauri ). A palavra latina para preto não era mauro, mas niger, ou fusco para "muito sombrio". Em alguns casos, mas certamente não em todos, os mouros foram descritos como fuscus. Devido à relevância dessa população na península Ibérica durante a Idade Média, esse termo pode ter entrado no inglês - e em outros idiomas europeus menos expostos a esse grupo - por meio de seu moro cognato em espanhol .É importante enfatizar que os gregos e romanos viam claramente os africanos de pele negra como um grupo separado de pessoas. Isso foi destacado na palavra grega Aithiops, que significa literalmente uma pessoa de pele escura. A palavra foi aplicada apenas a alguns etíopes e a outros africanos de pele escura e negra. Com algumas exceções poéticas, não foi aplicada a egípcios ou a habitantes do noroeste da África, como os cartagineses., Numidianos ou mouros. A compreensão dos egípcios como distintos de seus vizinhos do sul também é clara nas antigas evidências iconográficas e escritas. As evidências também mostram que o tipo físico dos habitantes etíopes do vale do Nilo, ao sul do Egito, e não os egípcios, se assemelhava claramente ao dos africanos e dos povos de ascendência africana descritos no mundo moderno como negros ou negros. [25]

Na literatura árabe, há pouca menção à palavra mouro. Em vez disso, a antropóloga Dana Reynolds sustenta que os berberes surgiram como resultado da mistura entre populações não africanas que se mudaram para o Maghrib durante o segundo milênio aC e os habitantes indígenas africanos mais antigos. Isso explicaria a variação observada entre os berberes, mesmo nos tempos antigos. Segundo documentos romanos, entre os berberes estavam os "Gaetuli pretos e Asphodelodes de pele negra". - (Cortesia de Dana Reynolds, Runoko Rashidi e Wayne Chandler)


Santo Isidoro de Sevilha , que nasceu em 560 EC e morreu em abril de 636 EC , escreveu que Maurus significa "preto" em grego. No final dos anos 1400, o italiano Roberto di San Severino, em seus escritos, distingue claramente entre mouros e árabes. Ao descrever sua jornada ao Monte Sinai, san Severino escreve sobre a observância do mês muçulmano do Ramadã , afirmando que "o 'Ramatana' deles dura um mês e todos os dias jejuam. Eles não comem nem bebem até a noite, isto é, até a hora das estrelas; e esse costume é seguido pelos mouros e pelos árabes ".

No século XVIII, o uso inglês do termo "mouro" começou a se referir especificamente aos muçulmanos africanos, mas principalmente a qualquer pessoa que falasse um dos dialetos hassaniya . Essa língua, em sua forma mais pura, se baseia muito no árabe iemenita original falado pela tribo Bani Hassan, que invadiu o noroeste da África durante os séculos XVI e XVII.

No uso espanhol, "Moro" (mouro) passou a ter um uso ainda mais amplo, para significar "muçulmanos" em geral (assim como "Rumi", "do Império Romano do Oriente", passou a significar "cristão" em muitos dialetos árabes. ); assim, os Moros de Mindanao, nas Filipinas de língua espanhola , e os Moriscos de Granada. O Moro também é usado para descrever todas as coisas sombrias, como em "Moor", "moreno" e levou a muitos sobrenomes europeus, como "Moore", "De Muaro" e assim por diante. O duque milanês Ludovico Il Moro era assim chamado por causa de sua pele morena.

Até o início do século XX, o "mouro" era frequentemente usado pelos geógrafos ocidentais para se referir aos norte-africanos "mistos" árabes- berberes, especialmente das cidades, como distintos dos árabes e berberes supostamente mais puros; assim, a Encyclopædia Britannica de 1911 define "mouro" como "o nome que, atualmente usado, é vagamente aplicado a qualquer nativo do Marrocos , mas em seu sentido mais estrito apenas aos habitantes da cidade de descendência mista. os habitantes muçulmanos dos outros estados bárbaros ". Mas, mesmo assim, reconheceu que "o termo mouros não tem um valor etnológico real".



Genética da população humana

Dra. Shomarka Keita, antropóloga biológica da Universidade Howard , sugeriu que as populações em Cartago por volta de 200 aC e no norte da Argélia, 1500 aCeram muito diversas. Como um grupo, eles traçaram o mais próximo das populações do norte do Egito e intermediam o norte da Europa e os africanos tropicais. Keita afirmou que "os dados apoiavam os comentários de autores antigos observados pelos classicistas: tudo, de" loiros de pele clara a povos que eram de etnia 'etíope' de pele escura ou parte etíope na aparência ". As evidências modernas mostraram uma diversidade semelhante entre os norte-africanos atuais, sugerindo que as migrações não afetaram essa área. Além disso, essa “diversidade” de fenótipos e povos deveu-se provavelmente à diferenciação “in situ”, e não a influxos estrangeiros.

Como o Homo Sapiens viveu na África por mais tempo do que em outros lugares, e dado o tamanho e os diferentes ambientes do continente, é fácil concluir que a diversidade de fenótipos seria maior do que em outros lugares. Todos, desde berberes de pele clara e olhos azuis a africanos ocidentais com características negróides e africanos do leste da Etiópia com características do Oriente Próximo, todos podem estar enraizados no próprio continente e não na invasão. As diferenças modernas entre egípcios, argelinos, etíopes, nigerianos e sudaneses existem pelas mesmas razões que existem entre chineses, indianos e árabes: diversificação intercontinental ao longo de dezenas de milhares de anos. Albert Hourani, autor de História dos Povos Árabes resume o estado do conhecimento atual: “A expansão do Banu Hilal e de outras tribos árabes (século XIII), como as conquistas árabes iniciais, não parece ter envolvido números suficientemente grandes para transformar a composição da população magrebina. "

Imagens históricas


Quatro povos do mundo: um líbio, um núbio, um cananeu e um egípcio. Uma representação artística moderna, baseada em um mural da tumba de Seti I.
Nos retratos que remontam ao Reino Antigo , os egípcios costumavam retratar suas culturas circundantes: núbios, líbios e asiáticos. Os líbios foram mostrados com cabelos claros e pele clara.
Nas fotos da Iberia islâmica durante os séculos VII e XV, os mouros são retratados, com algumas exceções, parecendo não diferentes dos iberos nativos (distinguidos apenas por seus trajes). Os de pele escura e os africanos do leste eram chamados de "zanj".
Quando os árabes chegaram ao norte da África durante o século VII dC , encerrando o período greco-romano, eles também usaram vários termos para descrever os berberes dessa região. No entanto, era a área ao sul do Egito e as populações berberes que se chamavam “Bilad-al-Sudan” ou “terra dos negros”, não as regiões costeiras.

Há também muitas fotos de berberes e mouros de descendência óbvia da África subsaariana.

Para tirar conclusões dessas fontes em seu contexto (se isso for possível), é necessário ter um conhecimento profundo do período e das convenções iconográficas desse período. (Veja também: Origem berbere e Lybans e numidianos )

Outros mouros da história

Estevanico, também conhecido como "Stephen the Moor", explorador do que é hoje o sudoeste (Arizona e Novo México) dos Estados Unidos, a serviço da Espanha.
Gildo era um chefe mouro que instigou uma rebelião contra o Império Romano em 398.
Lusius Quietus era um general romano e governador da Judéia em 117 EC. Originalmente um príncipe mourisco, sua habilidade militar ganhou o favor do imperador Trajano , que até o designou como seu sucessor. Durante a campanha parta do imperador, os numerosos habitantes judeus da Babilônia se revoltaram e foram incansavelmente reprimidos por Quietus, que foi recompensado por ser nomeado governador da Judéia. A inquietação na Palestina levou Trajano a enviar seu favorito, como legado de posto consular, para a Judéia, onde continuou seu curso sanguinário.
São Bento, o Mouro (1526–1589) Bento nasceu de pais africanos que eram escravos em uma propriedade perto de Messina, na Sicília. Embora sejam da classe social mais baixa, são tipicamente percebidos como nobres de coração e mente. Quando bebê, Bento foi libertado por seu mestre e, quando jovem, demonstrou uma disposição tão devota e gentil que foi chamado de "Santo Mouro". Enquanto trabalhava nos campos um dia, alguns vizinhos o provocavam por causa de sua raça e paternidade. Seu comportamento manso impressionou bastante um eremita franciscano que estava passando e proferiu as palavras proféticas: "Você ridiculariza um pobre negro agora; em breve ouvirá grandes coisas dele". Desejando se juntar a esses eremitas, Bento vendeu seus poucos bens e deu o dinheiro aos pobres e depois entrou na comunidade. Após a morte do superior, Bento foi escolhido seu sucessor, embora contra sua vontade. Quando o papa Pio IV ordenou que todos os eremitas se separassem ou se unissem a alguma ordem, Bento tornou-se frade menor da observância em Palermo e foi feito cozinheiro. Ele ficou feliz com este trabalho, uma vez que lhe permitiu realizar muitos pequenos atos de bondade para com os outros. Seus irmãos foram grandemente edificados pelo cozinheiro santo, especialmente quando viam anjos às vezes ajudando-o em seu trabalho. O capítulo de 1578 o tornou guardião, ou superior, do mosteiro, embora ele protestasse por não ser padre e, de fato, não sabia ler nem escrever. Ele era um modelo superior, no entanto, e ganhou a estima e obediência, bem como o amor de seus súditos. Como superior, ele deu rédea livre ao seu amor pelos pobres, e não importava o quão oprimido ele estivesse, a comida nunca pareceu ceder. Depois de servir como superior, tornou-se mestre novato e, para esse cargo difícil, trouxe presentes que eram evidentemente infundidos: ele foi capaz de instruir com um conhecimento surpreendente de teologia e ler o coração dos outros. A seu pedido, ele foi dispensado do cargo e novamente cozinhado, mas não era mais um irmão obscuro, pois milhares se reuniam no mosteiro, buscando curas ou esmolas ou conselhos e ajuda. Ele morreu após uma breve doença, tendo predito a hora de sua morte. Sua veneração se espalhou por todo o mundo, e os negros da América do Norte o escolheram como patrono. mas ele não era mais um irmão obscuro, pois milhares se reuniam no mosteiro, procurando curas ou esmolas ou conselhos e ajuda. Ele morreu após uma breve doença, tendo predito a hora de sua morte. Sua veneração se espalhou por todo o mundo, e os negros da América do Norte o escolheram como patrono. mas ele não era mais um irmão obscuro, pois milhares se reuniam no mosteiro, procurando curas ou esmolas ou conselhos e ajuda. Ele morreu após uma breve doença, tendo predito a hora de sua morte. Sua veneração se espalhou por todo o mundo, e os negros da América do Norte o escolheram como patrono.[26]

São Maurício, o Cavaleiro da Santa Lança, é considerado o maior santo padroeiro do Sacro Império Romano . Dizem que Maurice conquistou a santidade depois de recusar que sua legião massacre um levante cristão. Honrado em 460, Saint Maurice teve inúmeras obras de arte e estruturas - até um castelo - dedicadas a ele. A existência de quase trezentas imagens principais de São Maurício foi catalogada e até hoje sua veneração é vista em inúmeras catedrais no leste da Alemanha .
Alessandro de 'Medici (22 de julho de 1510 - 6 de janeiro de 1537), chamado "il Moro" ("o mouro") por seus contemporâneos, foi o duque de Penne e também o duque de Florença (de 1532) e governante de Florença de 1530 até 1537). Embora ilegítimo, ele foi o último do ramo "sênior" dos Médici a governar Florença, Itália e o primeiro a ser duque hereditário. Historiadores (como Christopher Hibbert) acreditam que ele nasceu em uma empregada negra na casa dos Médici, identificada em documentos como Simonetta da Collavechio. Diz-se que o apelido deriva de seus traços [27] [28] que retratam seus lábios carnudos e sua pele acobreada - ele ainda tem descendentes (através de seus próprios filhos ilegítimos) entre muitas famílias reais e nobres da Europa.

Mouros na cultura popular

Em um famoso episódio da sitcom Seinfeld, George Costanza se envolve em uma discussão acalorada com um garoto de bolhas sobre uma resposta incorreta da Trivial Pursuit, que afirma que foram os "Moops" que invadiram a Ibéria em 711.
O personagem-título da peça Othello, de William Shakespeare, é um mouro. O personagem Aaron, o mouro, em Titus Andronicus, também é mouro.
Um prato popular cubano, composto de arroz branco e feijão preto, é nomeado (um tanto zombeteiro) "Cristianitos y Moros;" o arroz que representa os cristãos de pele clara e o feijão, os mouros de pele mais escura.
Azeem, personagem de Morgan Freeman em Robin Hood: O Príncipe dos Ladrões (1991), era um mouro.
Sir Morien e Sir Palamedes aparecem nos contos lendários do rei Arthur . Dizia-se que "Morien, que tinha um rosto e um membro sombrios", salvou Sir Gawain no campo de batalha. [29]

Referências

 ibn 'Abd al-Hakam, "Narrativa da conquista de al-Andalus", traduzido por David A. Cohen em Olivia Remie Constable. (ed.) Iberia Medieval: Leituras de fontes cristãs, muçulmanas e judaicas. (Filadélfia, PA: University of Pennsylvania Press, 1997), 32-36
 Constable 37-38
 Ivan Van Sertima, "A Era de Ouro do Mouro" Journal of African Civilizations 11 (Outono de 1991) (Transaction Publishers, 1991, ISBN 1560005815 )
 Ver história de Al-Andalus
 María Rosa Menocal. O Ornamento do Mundo: Como Muçulmanos. Judeus e cristãos criaram uma cultura de tolerância na Espanha medieval. (NY: Little, Brown & Co., 2002), 33
 Kenneth B. Wolf, (tradutor), “Um Relato Cristão da Vida de Muhammad” 48-50. Iberia Medieval: Leituras de Christian. Fontes Muçulmanas e Judaicas, editado por Remie Constable. (Filadélfia, PA: University of Pennsylvania Press, 1997). Escritos em latim, eles preferiam isso a qualquer coisa em árabe. Southern (1978) comenta: "Eles estavam fugindo do abraço do Islã: não é provável que se voltassem para o Islã para entender do que estavam fugindo" (25-26).
 Stephen O'Shea. Mar da fé. (NY: Walker, 2006 ISBN 0802714986 ), 84
 Sobre os judeus sob os visigodos, veja Jeremy duQ. Adams. "Legislação visigoda sobre os judeus" em Constable, 1997, 21-23
 Richard Fletcher. A Cruz e o Crescente: Cristianismo e Islã, de Muhammad à Reforma. (Londres e NY: Allen Lane, 2003), 116.
↑ A tradição transformou El Cid (m. 1099) em um cruzado cristão, mas ele realmente trabalhou tanto para muçulmanos quanto para cristãos, cruzando a fronteira entre os vários estados. ver Fletcher, 2003, 89
^ RW do sul. Vista ocidental do Islã na Idade Média. (Cambridge, MA: Harvard University Press, [1962] New Ed, 1978), 37
 Fletcher, 128-129
 Norman Daniel. O Islã e o Ocidente: a criação de uma imagem. (Oxford: OneWorld, 1997), 141
 Daniel, 136
 citado por William Henry Temple Gairdner. A repreensão do Islã, 5ª edição, revisada. (Londres: Conselho Unido de Educação Missionária, 1920), 179; para Gairdner em Lull, consulte 178-186)
 Sayyid Qutb, "Abordagem Islâmica da Justiça Social", 117-130, em Khurshid Ahmad, (ed). Islam: Its Meaning and Message, 3ª ed. (Leicester, Reino Unido: The Islamic Foundation, 1999 ISBN 0860372871 ), 118
 Akbar S. Ahmed. Islam Today. (Londres: IB Taurus, 2002. ISBN 1860642578 ), 62
 Menocal, 11
 Yohanan Friedmann. Tolerância e coerção no Islã: relações inter-religiosas na tradição muçulmana. (NY: Cambridge University Press, 2003 ISBN 9780521827034 ), 1
 O'Shea, 8-9
 veja "Ciência e bolsa de estudos em Al-Andalas ', islamcity Science and Scholarship in Al-Andalas Retirado em 15 de agosto de 2007
 Ahmed, 71
 John Edwards, "Uma Sociedade Conquistadora? A Espanha Colombo Esquerda" História Hoje 42 (maio de 1992): 11
 Ahmed, 71
 Frank M. Snowden. Antes do preconceito de cores: a visão antiga dos negros. (Cambridge, MA: Harvard University Press, 1991. ISBN 0674063813 )
 Berchman Bittle, OFM Cap. Um santo por dia. (The Bruce Publishing Company, 1958)
 Christopher Hibbert. Casa dos Medici, sua ascensão e sua queda. (NY: Harper Perinniel, 1999), 236.
↑ Alleessandro, o mouro. retratos de imagens . Recuperado em 5 de maio de 2008.
 O etnólogo e estudioso antiquário inglês Gerald Massey, escrevendo em 1881 em seu enorme texto em dois volumes, A Book of the Beginnings



Bibliografia

Bittle, Berchman, OFM Cap. Um santo por dia. A Bruce Publishing Company, 1958.
Carew, Jan. Estupro do paraíso. Brooklyn, NY: A & B Books, 1994. ISBN 9781881316794
Polícia, Olivia Remie. (ed.) Iberia Medieval: Leituras de fontes cristãs, muçulmanas e judaicas. Filadélfia, PA: University of Pennsylvania Press, 1997 ISBN 081223336
Davis, David Brion. O problema da escravidão na cultura ocidental. Ithaca, Nova Iorque: Cornell University Press, 1966.
Daniel, Norman. O Islã e o Ocidente: a criação de uma imagem. Oxford: OneWorld, 1997 ISBN 1851681299
Edwards, John. "Uma sociedade conquistadora? A Espanha Colombo partiu." History Today 42 (maio de 1992).
Fletcher, Richard. A Cruz e o Crescente: Cristianismo e Islã, de Muhammad à Reforma. London & NY: Allen Lane, 2003 ISBN 9780670032716
Gairdner, William Henry Temple A Repreensão do Islã, 5ª edição. Londres: Conselho Unido de Educação Missionária, 1920.
Hibbert, Christopher. A Casa dos Médici, sua ascensão e queda. Nova York: Harper Perinniel, 1999. ISBN 0688053394
Lewis, Bernard. A descoberta muçulmana da Europa. Londres: Weidenfeld e Nicolson, 1982 ISBN 9780297781400
Lewis, Bernard. Raça e escravidão no Oriente Médio. NY: Oxford University Press, 1990. ISBN 9780195062830
Menocal, Maria Rosa. O Ornamento do Mundo: Como Muçulmanos. Judeus e cristãos criaram uma cultura de tolerância na Espanha medieval. NY: Little, Brown & Co, 2002 ISBN 0316168718
O'Shea, Stephen. Mar da fé. NY: Walker, 2006. ISBN 0802714986
Snowden, Frank M. Antes do preconceito de cores: a visão antiga dos negros. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1991. ISBN 0674063813
Sul, RW Vista ocidental do Islã na Idade Média. Cambridge, MA: Harvard University Press, [1962] New Ed, 1978. ISBN 0674950658
Wolf, Kenneth B. (tradutor). “Um relato cristão da vida de Muhammad” 48-50. Iberia Medieval: Leituras de Christian. Fontes Muçulmanas e Judaicas, editado por Remie Constable. Filadélfia, PA: University of Pennsylvania Press, 1997. ISBN 0812233336


Em: https://www.newworldencyclopedia.org/entry/moors


Os mouros na Europa


por maxpain .






A invasão moura da Europa Ocidental começou no século VIII dC Durante as primeiras décadas deste período, os mouros atravessaram o estreito de Gibraltar e começaram a invasão da Península Ibérica. Foi o líder berbere, Tariq bin Ziyad, quem liderou o ataque. Os berberes são tribos nativas da África.

Um estudioso europeu simpático aos espanhóis lembrou a conquista desta maneira:

As rédeas de seus cavalos (mouros) eram como fogo, seus rostos negros como breu, seus olhos brilhavam como velas acesas, seus cavalos eram velozes como leopardos e os cavaleiros mais ferozes que um lobo em um curral à noite. . . Os nobres godos [os governantes alemães da Espanha a quem Roderick pertencia] foram quebrados em uma hora, mais rápido do que a língua pode dizer. Oh Espanha sem sorte!

Durante esse período, a Península Ibérica fazia parte de um reino hispânico governado pelos visigodos. Nos oito anos seguintes, Tariq liderou uma campanha militar que colocou a grande maioria da Península Ibérica sob domínio mourisco. Isso serviu de base para uma série de ataques contra a Europa nos próximos séculos.

Os mouros mantiveram grande parte da Espanha sob seu controle por cerca de oito séculos entre 711 dC e por volta de 1492 dC. Os mouros nunca estabeleceram um governo central estável. No século 11, o califado caiu, e a Espanha moura foi capturada pelos almorávidas, que foram substituídas em 1174 pelos almohads. Durante esse período, os governantes cristãos continuaram os esforços no norte da Espanha para recuperar o sul. Em 1085, Alfonso VI de Leão e Castela recuperou Toledo. Córdoba caiu em 1236 e uma a uma as fortalezas mouriscas se renderam. A última cidade mourisca, Granada, foi capturada por Fernidad V e Isabella I em 1492. A maioria dos mouros foi expulsa da Espanha, mas dois grupos, os mudéjares e os moriscos, permaneceram.

Isso teve um impacto duradouro na Espanha. A arquitetura e a literatura islâmicas passaram a dominar a vida espanhola, cujos efeitos ainda são visíveis hoje. O maior autor da Espanha, Miguel de Cervantes, usou um personagem mouro para narrar a história do personagem central em seu famoso livro Don Quixote.
Fatos interessantes sobre mouros

Durante o seu pico, Cordova, o centro do território mourisco na Espanha, era a cidade mais moderna de toda a Europa. As ruas eram bem pavimentadas e os pedestres podiam andar nas calçadas elevadas. À noite, várias ruas eram frequentemente iluminadas com lâmpadas. Cidades como Londres ou Paris apresentaram ruas pavimentadas e luminárias apenas séculos depois. Córdoba também possui cerca de 900 banheiros públicos.

Os mouros criaram um enorme impacto no campo da educação. A Europa naquela época tinha apenas duas universidades de destaque. Mas apenas no território mouro da Espanha, existiam quase 17 universidades. A educação era universal na Espanha muçulmana, enquanto na Europa cristã, 99% da população era analfabeta, e mesmo reis não sabiam ler nem escrever. Os mouros ostentavam uma taxa de alfabetização notavelmente alta para uma sociedade pré-moderna. Os fundadores da Universidade de Oxford foram inspirados a formar a instituição depois de visitar universidades na Espanha. Segundo o órgão de Educação das Nações Unidas, a universidade mais antiga do mundo atualmente, é a Universidade de Al-Karaouine, no Marrocos, fundada durante o auge do Império Mourisco em 859 DC por uma mulher chamada Fátima al-Fihri. Durante os séculos 10 e 11, A Espanha moura também tinha quase setenta bibliotecas. Isso foi numa época em que as bibliotecas públicas na Europa eram inexistentes.

O esforço para construir bibliotecas e instituições de ensino superior na Espanha moura foi amplamente liderado pelos membros da dinastia omíada, que queriam ser vistos como rivais intelectuais dos abássidas em Bagdá. O sistema de números arábicos substituiu os algarismos romanos e introduziu um novo sistema de cálculo matemático na região.

Os mouros, que governaram a Espanha por 800 anos, introduziram novas técnicas científicas na Europa, como um astrolábio, um dispositivo para medir a posição das estrelas e planetas. O progresso científico em Astronomia, Química, Física, Matemática, Geografia e Filosofia floresceu na Espanha moura

A agricultura sob os mouros sofreu um enorme desenvolvimento. Foram introduzidas muitas novas culturas, como cana de açúcar, damascos, laranjas, limões, gengibre, pêssegos, romãs, algodão, açafrão, etc. Antes da chegada dos mouros, os agricultores nativos usavam o sistema de irrigação romano. A influência moura levou ao estabelecimento de um grande número de poços, reservatórios e canais que redirecionavam a água de uma região para outra. Como resultado, a produção agrícola na região aumentou.

Por fim, os mouros ajudaram a tirar a população européia geral da Idade das Trevas e abriram o caminho para o período renascentista. De fato, um grande número de características sobre as quais a Europa moderna se orgulha veio da Espanha muçulmana, a saber: livre comércio, diplomacia, fronteiras abertas, etiqueta, navegação marítima avançada, métodos de pesquisa e avanços importantes na química.

Numa época em que os mouros construíram 600 banhos públicos e os governantes viviam em palácios suntuosos, os monarcas da Alemanha, França e Inglaterra convenceram seus súditos de que a limpeza era um pecado e que os reis europeus habitavam grandes celeiros, sem janelas e sem chaminés, geralmente com apenas um buraco no telhado para a saída de fumaça.

Na grande Era de Exploração da Europa, Espanha e Portugal foram os líderes em navegação marítima global. Foram os avanços dos mouros na tecnologia de navegação, como o astrolábio e o sextante, bem como as melhorias na cartografia e na construção naval, que abriram o caminho para a Era da Exploração.

Um dos principais gêneros de evidência da demografia moura na Europa é a lingüística. Como muitos crachás, "Moor" evoluiu para uma variedade de nomes pessoais. Assim, temos o seguinte: Moore, Morrison, Morris, Morse, Maurice; Maureen / Moreen; e o não tão óbvio (para muitos falantes de inglês), Maurits (holandês), Moro e Moreno (espanhol e português), Mohr (com variantes Morhart, Morhardt, Morehart, Morath, Morese, Morandi).

Em algumas línguas, Moore foi transliterado como Black, Blackamoor, Negro, Schwarz ou Schwarzkopf (alemão). São Maurício do século III e São Victor Maurício do século IV foram os primeiros santos cristãos mouros.

Além da Europa e da África, os holandeses renomearam uma ilha, Maurício, depois do príncipe Maurits da Holanda - Prinsz Maurits significa literalmente príncipe mouro ou príncipe negro. Curiosamente, as Maurícias, situadas nas profundezas do Oceano Índico, e com a terceira maior população hindu do mundo, são um dos 55 estados soberanos da União Africana.

Da mesma forma, o termo colonial morisco foi aplicado a uma pessoa de raça mista cujos pais eram espanhóis brancos e mulatos (afro-espanhóis), o equivalente a 'quadroon' nas colônias britânicas.

os mouros estabeleceram o califado omíada em Córdoba. A corte cresceu em riqueza, poder e cultura. Outras cidades cheias de cultura moura foram Toledo, Granada e Sevilha.
Conclusão

Setecentos anos de influência moura deixaram uma marca inconfundível na Espanha, tornando-a marcadamente diferente ainda hoje do resto da Europa Ocidental. Os mouros não apenas trouxeram sua religião, mas também sua música, sua arte, sua visão da vida e sua arquitetura ... dois dos maiores exemplos: o Alhambra em Granada e o Escorial em Córdoba.

Ao contrário da sabedoria convencional, foram os africanos que trouxeram a civilização para a Espanha e grande parte da Europa e não o contrário. Metade da história registrada do homem havia passado antes que alguém na Europa pudesse ler ou escrever. Os sacerdotes do Egito começaram a manter registros escritos entre 4000 e 3000 aC, mas mais de dois mil anos depois os poemas de Homero ainda circulavam nas cidades-estados gregas de boca em boca ... enquanto os faraós construíam pirâmides, os Os gregos não faziam nada mais distinto do que grandes pilhas de lixo.

A primeira civilização da Europa foi estabelecida na ilha grega de Creta em 1700 aC e os gregos foram civilizados principalmente pelos negros africanos do vale do Nilo. Os gregos então transmitiram essa cultura adquirida aos romanos que finalmente a perderam; assim, iniciando a Idade das Trevas que durou cinco séculos. A civilização foi mais uma vez reintroduzida na Europa quando outro grupo de negros africanos, os mouros, terminou a Idade das Trevas.

Após o colapso do Império Romano, multidões de tribos guerreiras brancas do Cáucaso foram empurradas para a Europa Ocidental pelos hunos invasores. Os mouros invadiram a costa espanhola em 711 dC e os muçulmanos africanos literalmente civilizaram as tribos selvagens e brancas dos caucus. Os mouros finalmente governaram a Espanha, Portugal, norte da África e sul da França por mais de setecentos anos.




História Licenciatura

Nenhum comentário:

Postar um comentário