sexta-feira, 23 de agosto de 2019

Após revitalização, Largo dos Açorianos é devolvido à população

Prefeitura busca parceria para iniciativa privada conservar local

Por Eduardo Amaral

Obras no local iniciaram em 2016

Obras no local iniciaram em 2016 | Foto: Mauro Schaefer

PUBLICIDADE

Depois de sucessivos atrasos na obra, a prefeitura de Porto Alegre entregou nesta quinta-feira a revitalização do Largo dos Açorianos, no Centro de Porto Alegre. O projeto, orçado inicialmente em R$ 4,6 milhões, terminou custando R$ 5,4 milhões aos cofres públicos, além da demora para ser concluído.

A reforma no local iniciou em 2016, mas a falta de recursos, em conjunto com problemas no decorrer da obra, acabaram atrasando a entrega. O secretário do Meio Ambiente e da Sustentabilidade (Smams), Germano Bremm, comemorou a inauguração do espaço. “É um projeto complexo, identificamos diversas situações no transcurso da execução que não estavam previstos. Mas que bom que conseguimos entregar este espaço, o qual a população se apropria, utiliza, usufrui, converge.” Agora, o governo espera entregar à iniciativa privada a manutenção do local. Para isso, um edital de adoção deve ser lançado nesta sexta-feira na Smams. “Quem tiver interesse pode nos procurar. A nossa ideia é de fato que a iniciativa privada adote e faça a conservação desse espaço", destacou Bremm.

O prefeito Nelson Marchezan Jr. (PSDB) reafirma a proposta de privatização da manutenção por considerar a melhor alternativa para preservação do Largo. “Temos em torno de 70 praças que são adotadas em Porto Alegre, e três parques na mesma situação. Então uma das alternativas que buscamos é essa, mas nada vai superar o cuidado da comunidade. Isso é importante não só porque alivia os cofres públicos, mas também porque incentiva a sociedade a entender que o espaço é nosso, e se for preservado de forma coletiva estimula o sentimento de pertencimento da cidade”. Marchezan garantiu que, enquanto o Largo não for adotado, a prefeitura fará a manutenção. Durante o discurso de inauguração, o prefeito afirmou que os recursos para isso estão garantidos. “Temos segurança financeira graças às mudanças feitas na administração. Em um mês teremos uma reforma na urbanização da cidade”, disse o mandatário dizendo que busca uma cidade “mais humana.”

Tanto o secretário quanto o prefeito garantem que o local poderá ser ocupado pela população mesmo que ele fique nas mãos da inciativa privada, mas Marchezan deixa claro que as regras de horário precisarão ser respeitadas. “A gente estimula até a utilização e ocupação de espaços públicos pelas pessoas até que ela comece a interferir no direito de outros. Se não interferir no direito de outros de repousar e dormir, iremos incentivar essa ocupação", relatou.


Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário