AdsTerra

banner

segunda-feira, 18 de março de 2024

Presidente da Colômbia propõe reforma constitucional após choques com Congresso

 Gustavo Petro pediu apoio popular para medida, enquanto tenta mudar sistemas de saúde e trabalhista

Presidente Petro fez declarações durante manifestação de apoio em Cali 

O presidente da Colômbia, Gustavo Petro, propôs nesta sexta-feira mudar a Constituição diante da negativa do Congresso opositor de aprovar várias de suas reformas ambiciosas, em um choque que motivou várias manifestações. No poder desde agosto de 2022, o presidente de esquerda não conseguiu convencer os congressistas para que deem luz verde a seus projetos de lei com vistas a modificar o sistema de saúde, de pensões e trabalhista.

"Se as instituições que hoje temos na Colômbia não são capazes de estarem à altura das reformas sociais que o povo decretou através de seu voto, então a Colômbia tem que ir para uma Assembleia Nacional Constituinte”, disse durante uma mobilização de indígenas que o apoiam na cidade de Cali.

É a primeira vez que Petro sugere modificar a Carta Magna. Antes, pediu a seus eleitores que saíssem às ruas para pressionar o Congresso. "A Colômbia não tem que se ajoelhar, o triunfo popular de 2022 se respeita”, acrescentou.

O governo quer reduzir a participação privada na prestação dos serviços de saúde e no pagamento de pensões, assim como ampliar os benefícios aos trabalhadores. Mas Petro perdeu as maiorias nas casas do Legislativo poucos meses depois de sua posse. A oposição assinala que o presidente está determinado a tornar realidade suas propostas passando por cima das instituições e costuma compará-lo com seu homólogo venezuelano Nicolás Maduro.

O congressista Hernán Cadavid, do partido de direita Centro Democrático, classificou os planos de Petro de perigosos. "Ele fará o que for preciso para desestabilizar este país e se manter no poder”, afirmou. A atual Constituição da Colômbia, escrita em 1991, foi resultado da desmobilização da guerrilha urbana M-19, à qual Petro pertenceu em sua juventude.

AFP e Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário