AdsTerra

banner

domingo, 24 de março de 2024

Preço dos combustíveis se manteve estável durante semana, diz ANP

 Litro da gasolina ficou em média R$ 5,75, e do diesel em R$ 5,93

Preços foram analisados entre os dias 16 e 23 de março 

Os preços médios dos combustíveis nos postos de abastecimento no Brasil ficaram praticamente estáveis esta semana (17 a 23 de março), segundo dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), refletindo a falta de reajustes nas refinarias da Petrobras. O gás de cozinha cedeu 0,1%, na comparação com a semana de 10 a 16 de março, custando em média R$ 102,24 o botijão de 13 quilos, enquanto gasolina e diesel subiram 0,3% e 0,1%, respectivamente. O preço médio da gasolina ficou em R$ 5,75, e do diesel em R$ 5,93, segundo a ANP. O preço médio da gasolina atingiu o maior valor na região Norte, de R$ 6,02 o litro, mesma região em que o diesel também está mais caro do que no resto do País, registrando R$ 5,93 o litro. O gás de cozinha atingiu o maior preço na região Centro-Oeste, chegando a R$ 105,87 o botijão de 13 quilos. Na cidade de São Paulo, a ANP encontrou a gasolina comum mais cara (R$ 7,97/l), e também a mais barata (R$ 4,59/l), assim como o diesel mais caro (R$ 8,40/l). Já em Belém, a agência encontrou a gasolina mais barata (R$ 5,21/l). O gás de cozinha mais caro foi encontrado em Cuiabá (R$ 138), e o mais barato no Recife (R$ 75), informou a ANP. Defasagem A Petrobras não reajusta o preço da gasolina há 154 dias nas suas refinarias. Segundo a Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom), o preço da gasolina nas refinarias da estatal está 17% abaixo do praticado no Golfo do México, referência para importação de combustíveis, abrindo espaço para aumento de R$ 0,58/l no mercado brasileiro. Já o diesel está com o mesmo preço há 87 dias e vem sendo vendido pela Petrobras a um preço 9% abaixo do mercado internacional, ou R$ 0,32/l acima do preço praticado no Brasil. Se levada em conta a Acelen, que controla a Refinaria de Mataripe, na Bahia, e outras pequenas refinarias privadas no País, a defasagem da gasolina cai para 16% e a do diesel, para 8%. A Acelen é responsável por 14% do mercado de refino do Brasil e reajusta o preço dos seus combustíveis semanalmente. Mesmo assim, a gasolina vendida pela Acelen registra defasagem de 10% em relação ao Golfo do México e o diesel, 7%. A empresa é controlada pelo fundo de investimento árabe Mubadala, que tem no momento conversas com a Petrobras para uma parceria nas áreas de refino e biorrefino.

Estadão Conteúdo e Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário