AdsTerra

banner

quinta-feira, 7 de março de 2024

Lula espera que eleições na Venezuela sejam as “mais democráticas possíveis”

 Presidente brasileiro celebrou que o pleito tem data agendada

Lula espera que eleições na Venezuela sejam as “mais democráticas possíveis” 

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva expressou, nesta quarta-feira, o desejo de que as próximas eleições na Venezuela sejam as 'mais democráticas possíveis', e comemorou o agendamento de uma data para o pleito.

A diretoria do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) venezuelano anunciou na terça-feira que as eleições presidenciais vão ocorrer em 28 de julho. É tido como certo que o presidente Nicolás Maduro tentará um terceiro mandato de seis anos, enquanto a principal candidata da oposição, María Corina Machado, está inabilitada para se inscrever.

'Espero que as eleições sejam as mais democráticas possíveis', disse Lula, durante coletiva de imprensa conjunta com o chefe de governo espanhol, Pedro Sánchez, após uma reunião no Palácio do Planalto, em Brasília. Lula disse estar 'feliz' de que tenha sido marcada uma data para a votação e lembrou de seu encontro com Maduro, na sexta-feira, em São Vicente e Granadinas durante a reunião de cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac).

O presidente 'Maduro me disse (...) que vai convocar os olheiros de todo o mundo que queiram assistir ao processo eleitoral na Venezuela', afirmou.'A Venezuela sabe que precisa de uma eleição amplamente democrática para poder reconquistar o espaço (...) nos foros mundiais de que tanto precisa e para que a gente possa ver o fim do bloqueio americano', acrescentou.

O chefe de governo espanhol, por sua vez, pediu que as eleições venezuelanas sejam celebradas 'com as garantias democráticas que o povo venezuelano merece e precisa'.Lula, por sua vez, pediu respeito à 'presunção de inocência' e a não despertar dúvidas antecipadas sobre o processo eleitoral venezuelano.

Além disso, pediu que a oposição do país vizinho não reproduza o comportamento de seu antecessor, Jair Bolsonaro, que questionou o resultado das eleições em 2022.

'Eu fui impedido de concorrer às eleições de 2018. Em vez de ficar chorando, eu indiquei outro candidato', lembrou, em alusão à opositora inabilitada, sem nomeá-la.Imediatamente depois, Machado acusou Lula de estar 'convalidando os atropelos de um autocrata'. 'Eu, chorando, Presidente Lula? Diz isso porque sou mulher? O senhor não me conhece. Estou lutando para fazer valer o direito de milhões de venezuelanos que votaram em mim nas Primárias e os milhões que têm o direito de fazê-lo em eleições presidenciais livres nas quais vou derrotar Maduro', escreveu a opositora venezuelana na rede X.

AFP e Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário