quinta-feira, 23 de junho de 2022

Com preços em alta, 95% dos brasileiros preferem comprar carros usados

 


Dentre os brasileiros que pretendem comprar um veículo nos próximos meses, pouco mais de 9 em cada 10 – 95% dos compradores – dizem querer adquirir um carro usado, mostra pesquisa do iCarros — marketplace automotivo do Itaú Unibanco.

A sondagem consultou mais de 50 mil usuários da plataforma, na faixa etária de 46 a 55 anos.

Entre os principais motivos para a decisão, estão: liberdade de ir e vir com mais conforto (61,18%), preço (55,28%) e melhores condições nos planos de financiamento (46,58%). A maioria dos entrevistados – 7 em cada 10 – busca carros de até R$ 40 mil.

Dentre os motoristas que pretendem comprar um carro ainda em 2022, 6 em cada 10 já têm um automóvel, diz o levantamento.

Os resultados, diz o iCarros, acompanha os dados da Federação Nacional das Distribuição de Veículos — a Fenabrave –, que apontou no mês de março uma recuperação nas transações de usados em todo o país, registrando alta de 29,73% em relação ao mês de abril.

Veículos elétricos

Veículos elétricos poderão atingir 33% das vendas no mundo todo até 2028 e 54% até 2035, conforme a demanda acelera na maioria dos principais mercados, segundo estudo da consultoria AlxPartners.

Em 2021, os veículos elétricos representaram menos de 8% das vendas globais, e pouco menos de 10% no primeiro trimestre de 2022.

Segundo o estudo, para apoiar essa demanda, montadoras e fornecedores planejam investimentos de, pelo menos, 526 bilhões de dólares em veículos elétricos e baterias até 2026. Isso é mais do que o dobro da previsão de investimento de 234 bilhões de dólares para cinco anos, de 2020 a 2024.

Essa perspectiva de investimentos maiores “torna o crescimento do mercado de veículos elétricos inevitável”, de acordo com Mark Wakefield, co-líder da área automotiva da consultoria.

A indústria de veículos enfrenta desafios econômicos e na cadeia de fornecedores durante a transição para a motorização elétrica, acrescentou Wakefield.

A transição exigirá “mudanças drásticas nos modelos operacionais – não apenas nas fábricas e nas pessoas, mas em todo o modo de trabalhar”, disse ele.

As matérias-primas de veículos elétricos também custam mais que o dobro das usadas em modelos a combustão: 8.255 dólares por veículo contra 3.662 dólares. Os números são baseados em valores de maio deste ano.

O processo de eletrificação de automóveis custará aos fabricantes e fornecedores um total acumulado de 70 bilhões de dólares até 2030, de acordo com Elmar Kades, co-líder da área automotiva da consultoria.

A AlixPartners vê as restrições de fornecimento continuarem em 2024, e espera que as vendas totais de veículos em todo o mundo caiam para 79 milhões de unidades este ano, antes de subirem para 95 milhões em 2024.

Nos Estados Unidos, espera-se que as vendas totais de veículos aumentem para 16 milhões de unidades em 2023 e atinjam um pico de 17,5 milhões em 2024, antes de começarem a desacelerar entre 2025 a 2026.

O Sul

Nenhum comentário:

Postar um comentário