sexta-feira, 3 de junho de 2022

Bolsonaro comemora resultado do PIB e diz que o Brasil está se recuperando

 


O presidente Jair Bolsonaro comemorou nesta quinta-feira (2) o crescimento de 1% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil no primeiro trimestre deste ano e disse que o País está se recuperando melhor do que outros após os impactos da pandemia de covid.

“Só notícia boa no tocante à economia, a gente vai recuperando. Nosso PIB foi o nono do mundo”, disse Bolsonaro em sua transmissão semanal ao vivo pelas redes sociais.

Apesar da alta no primeiro trimestre, o PIB brasileiro de janeiro a março ficou um pouco abaixo da expectativa de avanço de 1,2% sobre os três meses anteriores.

Lista

O desempenho do PIB ocupa o 8º lugar dentro de um ranking com 32 países, segundo levantamento elaborado pela agência de classificação de risco Austing Rating. A lista traz os resultados das principais economias do mundo.

No ranking, o Brasil dividiu a 8ª posição com o México, e a Colômbia, que também registraram crescimento de 1% no 1º trimestre. No topo da lista aparece o Peru (2%), seguido por Filipinas (1,9%) e Canadá (1,6%).

Entre os emergentes, China (1,3%%), Turquia (1,2%) e Tailândia (1,2%) também tiveram desempenho melhor que o do Brasil.

O PIB do Brasil ficou acima também da média dos países analisados (0,3%) e de países como Estados Unidos, França e Japão, que registraram retração nos 3 primeiros meses do ano.

Perspectivas

Apesar do bom desemprenho do Brasil no começo de 2022, a Austin Rating projeta um avanço de apenas 0,7% do PIB do País no ano, abaixo da média dos países da amostra (3,2%), por conta dos impactos da inflação persistente, dos juros em alta e da piora do cenário internacional, com temores de forte desaceleração na China e nos Estados Unidos.

“Nesta foto o Brasil está bem, mas não deve sustentar esse mesmo desempenho até o final do ano. Vamos ter que esperar os próximos trimestres, quando todos os países já tiverem voltando a um padrão normal de crescimento, para ver como o Brasil se comporta nesse cenário de juros altos nos EUA, de continuidade da guerra na Ucrânia e de desaceleração da China”, afirma Alex Agostini, economista-chefe da Austin Ratings.

Após a divulgação do resultado do PIB, o Santander passou a projetar crescimento de 1,2% em 2022, ante 0,7% projetado na revisão anterior. Contudo, a revisão agora vê uma ameaça maior de recessão em 2023. “Estimamos uma contração de -0,6%”, destacou o banco.

O Sul

Nenhum comentário:

Postar um comentário