sexta-feira, 22 de abril de 2022

95% dos brasileiros sentiram aumento da inflação nos últimos seis meses

 


Captura de Tela 2022-04-22 a?s 12.58.59.png

Levantamento aponta crescimento de 22 pontos percentuais acima do registrado em novembro de 2022 O aumento da inflação foi sentido por 95% da população nos últimos seis meses.

Segundo pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI), este número é 22 pontos percentuais acima do registrado em novembro de 2021, quando 73% afirmaram ter percebido aumento de preços.   

A pesquisa revela que 76% dos brasileiros afirmaram que sua situação financeira foi prejudicada pela inflação. As mais afetadas são as pessoas sem escolaridade, com renda de até um salário mínimo e os moradores da Região Nordeste.  

 

Além disso, 66% dos ouvidos acreditam que a inflação vai aumentar nos próximos seis meses. Na pesquisa anterior, de novembro de 2021, esse percentual era de 54%.     

Para o especialista em varejo, Marco Quintarelli, boa parte do aumento em alguns alimentos se dá por conta do clima. "O que o varejo está fazendo agora é ir em busca de grandes fornecedores para poder substituir certos itens que estão em aumento de preço. Estamos com problemas, principalmente com hortifruti-granjeiros devido às chuvas durante esse início de ano. Tivemos perda, por exemplo, de batatas, cenouras, hortaliças e isso faz com a que a inflação aumente muito", afirma.  

Segundo a CNI, seis em cada 10 brasileiros reduziram gastos nos últimos seis meses. Como alternativa, a população tem cortado gastos naquilo que não considera essencial. Por exemplo, 34% dizem ter deixado de comprar material de construção, 29% cancelaram TV por assinatura, 12% cortaram a conta de celular, 24% deixaram de fazer refeições fora de casa, 23% deixaram de comprar eletrodomésticos, 15% deixaram de consumir combustível e 16% reduziram esse último gasto.   Para a educadora financeira, Aline Soaper, o que as pessoas precisam fazer é "buscar novas fontes de renda".  

"Trocar produtos mais caros por produtos mais baratos, isso tudo vai ajudar, mas infelizmente não vai resolver o problema, por que chega uma hora que você vai conseguir, por que essa parcela da população já está no limite da sobrevivência. O que as pessoas precisam fazer para driblar essa alta de preços e conseguir manter a vida com qualidade é buscar novas fontes de renda, de um salário mínimo e com pouca escolaridade. Podem aprender novas profissões para gerar fontes de renda extra", disse Aline. 

Fonte: O Dia Online - 21/04/2022 e SOS Consumidor

Nenhum comentário:

Postar um comentário